Nixon e o Genocídio no Camboja

Em 17 de Abril de 1975, as forças do Khmer Vermelho (KV) invadiram Phnom Penh e reestabeleceram o Camboja como o Kampuchea Democrático – uma sociedade supostamente autossuficiente, inteiramente agrária. Resetando o relógio para o “Ano Zero”, o KV forçou a população urbana a ir para a parte rural, e começou a “purificar” o Camboja através de uma remoção genocida de intelectuais e grupos de minorias do país. Quando o matadouro chegou ao fim em 1979 – depois que o Vietnã invadiu o Camboja e retirou o KV do poder – cerca de 1,7 milhão de pessoas (21% da população) estavam mortas.

Pol Pot, o líder do KV de 1993 a 1997 e primeiro ministro do Kampuchea Democrático, fugiu para a selva. Ele morreu em 1998 sem nunca ir a julgamento. Na verdade, desde a remoção do KV, apenas 3 indivíduos foram condenados por suas ações no genocídio (A primeira condenação foi proferida só em 2010; as outras duas aconteceram em 2014).

Mas ao ascensão do poder de Pol Pot, o genocídio cambojano e a ausência de justiça para as vítimas do KV são inseparáveis das políticas mais amplas de intervenção dos EUA na Indochina de 1945 a 1991 – em particular, a campanha de bombardeio vicioso dos EUA contra o Camboja.

Bombear e Desestabilizar

Os EUA começaram a bombardear o Camboja em 1965. Desde aquele ano até 1973, a Força Aérea dos Estados Unidos bombardeou mais de 230 mil lançadores em mais de 113 mil pontos. A tonelagem exata de bombas que caíram está em disputa, mas uma estimativa conservadora de 500 mil toneladas (quase igual ao que os Estados Unidos deixaram cair em todo o teatro do Pacífico na Segunda Guerra Mundial) é inquestionável.

Os alvos ostensivos dos bombardeios foram as tropas norte-vietnamitas e as da Frente de Libertação Nacional (“Viet Cong”) estacionadas no Camboja e, mais tarde, rebeldes do KV. No entanto, é indiscutível que também houve desrespeito total pela vida civil. Em 1970, o presidente Richard Nixon emitiu ordens ao seu Assessor de Segurança Nacional (e mais tarde Secretário de Estado) Henry Kissinger:

“Eles têm que ir lá e quero dizer, entrar. Eu não quero armas de fogo, eu quero os navios com helicópteros. Eu quero tudo o que pode voar para ir lá e acabar com eles. Não há limitação na quilometragem e não há limitação no orçamento. Está claro?”

Kissinger transmitiu essas ordens a seu assistente militar, general Alexander Haig: “Ele quer uma campanha de bombardeio em massa no Camboja. Ele não quer ouvir nada. É uma ordem, deve ser feito. Qualquer coisa que voe sobre qualquer coisa que se mova. “

O numero exato de pessoas que os Estados Unidos mataram e feriram nunca serão conhecidos. Em seu livro Acabando com a Guerra do Vietnã, o próprio Kissinger cita um aparente memorando do Escritório Histórico do Secretário de Defesa, afirmando que havia cerca de 50 mil baixas cambojanas. O principal estudioso do Genocídio cambojano, Ben Kiernan, estima que o número provável esteja entre 50.000 e 150.000.

Uma testemunha ocular cambojana de um bombardeio descreveu o evento da seguinte maneira:

“Três F-111 bombardearam o centro direito da minha aldeia, matando onze dos membros da minha família. Meu pai ficou ferido, mas sobreviveu. Naquele momento, não havia um único soldado na aldeia, nem na área, nem ao redor. Outros 27 aldeões também foram mortos. Eles haviam encontrado uma vala para se esconder e então duas bombas caíram neles.”

A campanha de bombardeio dos EUA no Camboja desestabilizou um governo já frágil. Quando o Camboja ganhou sua independência da França em 1953, o Príncipe Norodom Sihanouk tornou-se seu governante efetivo. Um neutralista, o objetivo principal de Sihanouk era manter a integridade do Camboja – uma tarefa que se mostrou extremamente difícil, com os interesses americanos, chineses e vietnamitas, bem como várias facções de esquerda e direita no Camboja, estavam puxando Sihanouk em diferentes direções. Tentando um delicado equilíbrio, ele jogou grupos um contra os outros, trabalhando com um grupo um dia e se opondo no próximo.

428
Soldados andam no meio de uma cidade bombardeada

Um grupo que desafiava Sihanouk era o Partido Comunista do Kampuchea, que se tornaria amplamente conhecido mais tarde como o Khmer Vermelho. A liderança do partido era dividida em duas facções: uma era pró-vietnamita e defendia a cooperação com Sihanouk, a outra – liderada por Pol Pot – era anti-vietnamita e se opunha ao governo de Sihanouk. Em 1963, a facção de Pol Pot havia removido a outra parte, mais experiente, da liderança. No mesmo ano, ele se mudou para a parte rural do Camboja afins de formular uma campanha de insurgência.

Quatro anos depois, uma revolta camponesa conhecida como a Rebelião Samlaut estourou no campo depois de uma nova política que obrigou os camponeses a vender seu arroz ao governo abaixo das taxas do mercado negro. Para garantir a conformidade, os militares estavam estacionados nas comunidades locais para comprar (ou simplesmente pegar) o arroz dos agricultores.

Sofrendo com o seu pouco sustento, os camponeses começaram uma revolta, matando dois soldados. À medida que a rebelião se espalhava rapidamente para outras áreas do Camboja, Pol Pot e o KV capitalizavam a agitação, ganhando o apoio camponês para sua insurgência. Em 1968, os líderes do KV estavam dirigindo emboscadas e ataques em estações militares.

A insurgência de Pol Pot era formada com pessoas naturais de seu país, mas, como argumenta Kiernan, sua “revolução não ganharia o poder que teve sem a desestabilização econômica e militar dos EUA no Camboja”. Os camponeses anteriormente apolíticos foram motivados a se juntar à revolução para vingar a morte de seus familiares. Como um cabo de Informações e Inteligência da Direção de Operações da CIA, em 1973, explica:

“Os insurgentes Khmer (KI) [Khmer Vermelho] começaram uma intensa campanha de proselitismo entre residentes do Camboja. . . em um esforço para recrutar jovens homens e mulheres para organizações militares do KV. Eles estão usando os danos causados pelas bombardeios de B-52 como o principal tema de sua propaganda.”

Em 1969, a guerra aérea dos EUA contra o Camboja aumentou drasticamente como parte da política de Vietnamização de Nixon. O objetivo era erradicar as forças comunistas vietnamitas localizadas no Camboja para proteger o governo apoiado pelos EUA do Vietnã do Sul e as forças dos EUA estacionadas lá. No início da escalada, os combatentes do KV eram menos de 10.000, mas, em 1973, a força havia aumentado para mais de 200 mil soldados e milícias.

O golpe respaldado pelos EUA que removeu Sihanouk do poder em 1970 foi outro fator que fortaleceu dramaticamente a insurgência KV. (A cumplicidade direta dos EUA no golpe permanece não comprovada, mas, como William Blum documenta amplamente em seu livro Killing Hope, há provas suficientes para justificar a possibilidade).

Sihanouk foi removido e colocado no seu lugar o direitista Lon Nol, o que deixou ainda mais nítido o contraste entre os campos opositores dentro do Camboja e envolveu completamente o país na Guerra do Vietnã.

Até este ponto, houve um contato limitado entre as forças comunistas do Vietnã e do Camboja, já que os vietnamitas aceitavam Sihanouk como o legítimo governo do Camboja. Mas depois do golpe, Sihanouk aliou-se com Pol Pot e o KV contra aqueles que derrubaram ele, e os comunistas vietnamitas ofereceram todo seu apoio ao KV em sua luta contra o governo apoiado pelos EUA.

O KV foi assim legitimado como um movimento anti-imperialista.

Como os já mencionado o cabo de Informação e Inteligência da CIA, informam:

“Os membros [do Khmer Vermelho] dizem às pessoas que o governo de Lon Nol pediu os ataques aéreos e é responsável pelo dano e pelo “sofrimento de aldeões inocentes” para se manter no poder. A única maneira de parar “a destruição maciça do país” é remover Lon Nol e devolver o Príncipe Sihanouk ao poder. Os membros dizem às pessoas que a maneira mais rápida de conseguir isso é fortalecer as forças da KI para que possam derrotar Lon Nol e parar o bombardeio.”

Em Janeiro de 1973, os Estados Unidos, Vietnã do Norte, Vietnã do Sul, e as forças comunistas do Vietnã do Sul assinaram os Acordos de Paz de Paris. As forças dos EUA se retiraram do Vietnã e os bombardeios do Vietnã e do Laos foram interrompidos.

No entanto, a administração Nixon continuou bombardeando o Camboja para defender o governo de Lon Nol contra as forças KV. Diante da intensa oposição doméstica e do Congresso, Nixon foi forçado a encerrar a campanha em agosto de 1973 depois de chegar a um acordo com o Congresso.

Durante o próximo ano e meio, a guerra civil continuou a raiva entre o governo e o KV. O KV conseguiu capturar inúmeras províncias e grandes áreas do campo, e finalmente assumiram o controle de Phnom Penh em abril de 1975.

Apoiando o Khmer Vermelho

O mapa geopolítico estava em fluxo após a Guerra do Vietnã – o Vietnã do Norte instalou um governo provisório no Vietnã do Sul até o país se reunificar em 1976 e Washington estava determinado a isolar o governo comunista. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos buscaram relações mais estreitas com a China como forma de redistribuir o poder global da União Soviética; Os EUA viram o Camboja como um contrapeso potencialmente útil.

Em novembro de 1975 – sete meses após as forças do KV assumiram o controle de Phnom Penh – Henry Kissinger disse ao ministro das Relações Exteriores da Tailândia que “deveria dizer [ao KV] que não temos hostilidade em relação a eles. Nós gostaríamos que eles fossem independentes como contrapeso para o Vietnã do Norte “. Kissinger acrescentou que “também deveria dizer aos cambojanos que nós seremos amigos deles. Eles são matadores assassinos, mas não vamos deixar isso em nosso caminho. Estamos preparados para melhorar as relações com eles “.

Um mês depois, nas discussões entre o presidente Gerald Ford, Kissinger e Suharto (o ditador da Indonésia apoiado pelos EUA), Ford observou: “Estamos dispostos a avançar lentamente em nossas relações com o Camboja, esperando talvez diminuir a influência norte-vietnamita. Embora consideremos o governo cambojano muito difícil de se lidar”. Kissinger ecoou esses sentimentos, dizendo: “Não gostamos do Camboja, pois o governo de muitas maneiras é pior do que o Vietnã, mas gostaríamos que ele fosse independente. Nós não desencorajamos a Tailândia ou a China de aproximar-se do Camboja “.

f38554f45e8c2fdc7c2d4948c26d7f0d--henry-kissinger-green-lights
Na imagem, da esquerda pra direita, Kissinger, Suharto, desconhecido e Ford em uma reunião.

Mas o KV começou um grande curso isolacionista, concentrando-se, no seu projeto de construir uma sociedade agrária autossuficiente, o que no fim acabou num assassinato em massa.

No final de 1978, em uma escalada de disputas fronteiriças entre os países, o Vietnã invadiu o Camboja e derrubou o governo KV no início de 1979. As forças do KV fugiram para o oeste do Camboja na fronteira tailandesa para iniciar uma campanha de guerrilha contra o governo novo do Camboja instalado pelos vietnamitas. O genocídio que o KV havia orquestrado acabou, mas agora os partidos estrangeiros autônomos, incluindo os Estados Unidos e a China, optaram por apoiar os guerrilheiros KV em sua campanha contra a ocupação vietnamita, como parte de uma política geral de isolamento do Vietnã.

Um método fundamental para atingir esse objetivo foi o apoio dos EUA à ajuda chinesa às guerrilhas do KV. Como relatou o New York Times, “a administração Carter ajudou a organizar a constante ajuda chinesa às guerrilhas do KV”. Zbigniew Brzezinski, Assessor de Segurança Nacional de Jimmy Carter, explicou que ele “encorajava os chineses a apoiarem a Pol Pot”. Segundo um relatório da Associated Press, as agências de inteligência dos EUA estimaram que a China forneceu aos guerrilheiros do KV cerca de US $ 100 milhões de ajuda militar por ano durante a década de 1980.

Ao reconhecê-los como o governo legítimo do Camboja e assentá-los nas Nações Unidas, os Estados Unidos, a China e vários outros países europeus e asiáticos também deram apoio diplomático ao KV. Os Estados Unidos até se recusaram a chamar o que o KV fez do genocídio entre 1975-1979 até 1989, de modo a não prejudicar os esforços para apoiar o movimento guerrilheiro.

O suporte veio de outras maneiras também. De acordo com Kiernan, os Estados Unidos gastaram dezenas de milhões de dólares para financiar guerrilheiros aliados com as forças do KV durante a década de 1980 e pressionaram as agências de ajuda da ONU a fornecerem ajuda “humanitária” adicional para alimentar e vestir o KV que se escondiam perto da fronteira tailandesa, permitindo assim o KV fazer sua campanha contra os vietnamitas.

Em 1989, o Vietnã retirou suas tropas do Camboja. Dois anos depois, dezenove governos (incluindo os Estados Unidos, China, Camboja e Vietnã) assinaram acordos de paz com guerrilheiros do KV e seus aliados para acabar com o conflito. Mas o apoio dos EUA para Pol Pot e o KV continuou após os acordos de paz. Não foi até 1997 “que os Estados Unidos deram a luz verde para perseguir o indescritível líder do Khmer Vermelho [Pol Pot]”. Os julgamentos para os líderes do KV teriam se mostrado desconfortáveis para várias partes, não menos para alguns em Washington.

Na verdade, quando o Tribunal do Khmer Vermelho (oficialmente as Câmaras Extraordinárias nos Tribunais do Camboja) foi finalmente estabelecido em 2003, depois de anos de negociações com as Nações Unidas, escolheu-se explicitamente apenas cobrir crimes cometidos pelos líderes de KV, que orquestraram o genocídio de 1975-1979, ignorando os crimes dos EUA que ajudaram a nutrir e sustentar o KV.

06-1
Os crânios de algumas das pessoas que pereceram no genocídio cambojano.

As vítimas do Khmer Vermelho receberam pouca justiça, e é improvável que nunca a vejam. As grandes potências (particularmente os Estados Unidos) não têm interesse em fornecer uma contabilidade honesta de por que o KV chegou ao poder, ou como os Estados Unidos os apoiaram e os protegeram da justiça por décadas, mesmo depois de serem expulsos de poder.

Todas as lições a serem extraídas sobre as consequências da intervenção dos EUA no Camboja não parecem ter sido aprendidas: como o jornalista John Pilger apontou, assim como a destruição maciça do Camboja pela campanha de bombardeio dos EUA ajudou a criar as condições para a ascensão do KV, a invasão dos EUA ao Iraque também destruiu uma sociedade e preparou o terreno para o surgimento do ISIS. E assim como os Estados Unidos apoiaram seus antigos inimigos no Camboja contra o Vietnã ao longo da década de 1980, Washington entrou em uma aliança tácita com grupos jihadistas na Síria contra o governo de Bashar al-Assad.

De fato, se podemos esperar algo da política externa dos EUA, são atrocidades e cumplicidade, escondidas na linguagem da democracia e dos direitos humanos.



Texto original de Brett S. Morris
para a Jacobin Magazine, disponível no link abaixo:

https://www.jacobinmag.com/2015/04/khmer-rouge-cambodian-genocide-united-states/

Tradução por Andrey Santiago

Nota do Tradutor:

É interessante notar que um dos principais comandantes do KV, que era próximo de Pol Pot, Ta Mok, “O Açougueiro”, foi capturado em 1998, na época, ele disse que no seu julgamento iria expor tudo que sabia do envolvimento dos EUA e do Reino Unido com o KV, a ajuda e o treinamento que eles deram a guerrilha, o julgamento nunca aconteceu, para o tribunal ocorrer era necessário decisões da ONU e do país (o qual ainda tem membros do KV em posições de grande influência), de acordo com as leis a sua condenação deveria ser feita em até 6 meses, Ta Mok morreu em 2006, 8 anos ficando preso e doente sem poder dar as informações que queria ao mundo.

“O advogado de Ta Mok, Benson Samay, disse que o tribunal saberia detalhes de como, entre 1985 e 1989, o Special Air Service (SAS) organizou uma série de campos de treinamento para aliados do Khmer Rouge na Tailândia, perto da fronteira do Camboja e criou uma ‘sabotagem batalhão de 250 especialistas em explosivos e emboscadas. Especialistas em inteligência em Cingapura também realizaram cursos de treinamento para os guerrilheiros”, disse Samay.

“Thatcher, Reagan, Kissinger – todos deveriam ser julgados junto com Ta Mok”, disse Samay na semana passada. Ele disse que o tribunal também ouviria que os fornecimentos humanitários para os refugiados cambojanos na Tailândia foram desviados para o Khmer Vermelho com, ele afirma, o conhecimento dos americanos e dos britânicos. O tribunal também ouvirá, ele disse, como o apoio diplomático oferecido por Londres e Washington à coalizão liderada pelo Khmer Rouge foi “um grande impulso de ajuda e moral” para as tropas de Pol Pot. A coalizão manteve o assento cambojano das Nações Unidas ao longo dos anos oitenta.”

https://www.theguardian.com/world/2000/jan/09/cambodia

http://www.nytimes.com/2006/07/21/world/asia/21tamok.html?mcubz=1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close