A união de trabalhadores negros e brancos deu origem ao seguro desemprego nos EUA

Texto de Diane Bernard.

Originalmente publicado no The Washington Post.

Tradução por Henrique Oliveira.

Em um dia frio de inverno, milhares de pessoas se reuniram em frente a Casa Branca, para protestar contra a injustiça racial e o desemprego, segurando cartazes que diziam “nós queremos empregos e salários” e “combata a brutalidade policial”, trabalhadores negros e brancos apanharam da polícia, que acabou com a manifestação usando cassetetes e gás lacrimogênio. Enquanto o presidente dos EUA assistia de dentro da Casa Branca.

Isto parece que poderia ter acontecido a poucos meses atrás. Mas isso foi em 6 de março de 1930, no Dia Internacional do Desemprego. Com o aumento do desemprego após a queda da bolsa de 1929, esse protesto foi uma das primeiras manifestações a nível nacional, em que brancos e negros – a maioria membro do Partido Comunista dos EUA – empunharam armas contra um sistema injusto.

A extrema reação dos agentes da lei seria repetida 90 anos depois durante os protestos contra a morte de George Floyd, quando as autoridades usaram a força para limpar a praça Lafayatte para uma foto do ex- presidente Donald Trump.

Em 1930, o protesto começou calmamente ao meio dia, com algumas centenas de pessoas fazendo um piquete em frente a Casa Branca pedindo por emprego. Entretanto, centenas de policiais à paisana e uniformizados cercaram a área.  

Embora o comício fosse pacífico, as tensões foram aumentando. Como o país se sentia indo para o abismo da grande depressão, a taxa de desemprego em março de 1930 era de 8,7 porcento, comparado com 6,2 de agora. No final de 1931, a taxa de desemprego disparou para quase 16 porcento, de acordo com a Agência de Estatística do Trabalho.

A polícia estava no limite, não só por causa do cuidado com os revolucionários “vermelhos”, que faziam uma manifestação, mas também porque os protestos públicos não eram tão comuns, quanto mais os que envolviam negros e brancos juntos, como observou um repórter do New York Times. “Os espectadores foram tratados com o espetáculo invulgar de várias garotas brancas caminhando com homens de cor durante o piquete” escreveu ele. De modo mais provocativo, 25 anos antes da era dos direitos civis nos EUA, “uma dos cartazes carregados pelos manifestantes instava sobre a igualdade econômica e social para negros e brancos”.

“Protestos e ativistas inter-raciais era uma coisa muito nova”, disse numa entrevista por telefone Randi Storch, professor de história na Universidade Estatal de Nova York, em Cortland. “Outros socialistas e grupos de esquerda pensaram nisso, mas o Partido Comunista o fez de fato”.

Depois dos manifestantes terem passado cerca de uma hora a entoar palavras de ordem e a atrair uma audiência de funcionários do governo no intervalo do almoço, o líder do Partido Comunista local William “Bert” Lawrence subiu a cerca da Casa Branca para se sobrepor à multidão para fazer um discurso. Imediatamente, um oficial disfarçado começou a bater em Lawrence para derruba-lo. Lawrence deu então um murro na cara do oficial, de acordo com o The Washington Post. A manifestação tinha sido pacífica, mas depois a violência irrompeu.

Alguns caminhantes foram em socorro de Lawrence, e foram recebidos com toda a fúria da polícia, com cassetetes e bastões noturnos a baterem à porta. No que o The Post chamou de “Motim Vermelho”, os oficiais começaram a dar murros e pontapés nas pessoas enquanto os manifestantes revidavam. Mas eles não estavam à altura da força esmagadora de azul. Os oficiais atiraram uma bomba de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão enquanto a polícia continuava “a balançar livremente os seus tacos ou cassetetes sobre quem quer que estivesse no caminho”, informou o Post. Um manifestante, em particular, chamou a atenção dos repórteres: A adolescente de Washington Edith Briscoe “lutou como um gato selvagem”, disse o Capitão William G. Stott ao New York Times.

Segundo o repórter de um jornal negro da cidade Baltimore, uma jovem comunista branca Edith Briscoe, de 19 anos, saltou nas costas do policial B.J Beckamn e impediu que ele usasse seu cassetetes contra a cabeça de um homem negro. Briscoe lutou contra Beckman com os seus punhos, “cortando-lhe mal a boca”, escreveu o Washington Star. Ela foi presa juntamente com 12 outros manifestantes e acusada de agressão e conduta desordeira.

A ligação feita pelo Partido Comunista entre racismo e às desigualdades das instituições americanas mostra “paralelos espantosos entre as mobilizações do movimento social que vimos em 2020”, disse James Gregory, professor de história na Universidade de Washington, numa entrevista telefônica. No Dia Internacional do Desemprego, a violência policial também eclodiu em cidades como Detroit, Cleveland, Milwaukee e Boston. Apesar da agitação civil se desenrolar mesmo em frente da Casa Branca, o Presidente Herbert Hoover trabalhou tranquilamente no seu gabinete durante os distúrbios enquanto a sua esposa recebia uma delegação da convenção local das Filhas da Revolução Americana.

Em Nova York, o confronto explodiu em um das piores distúrbios que a cidade tinha visto nos últimos anos. Pouco depois das 14:00, a Associated Press relatou que mais de 40,000 manifestantes negros e brancos entraram na Praça do Sindicato, no centro de Manhattan carregando sinais inebriantes para os anos 30, tais como, “Unidade dos Trabalhadores  Brancos e Negros é o que queremos”.

William Z. Foster, líder do Partido do Comunista que concorreu a presidência em 1928, chamou a multidão para marchar ao City Hall para confrontar o presidente da câmara sobre racismo e desemprego. O comissário da policia de Nova York, Grover Whalen “avisou aos comunistas para não transformarem uma manifestação pacífica num motim”, mesmo que a marcha fosse pacífica. Foster e a multidão começaram a se mover em direção a Broadway, quando um exército de 1,000 policiais armados, montados e a pé, os parou numa forma precoce. “Centenas de polícias e detetives, com varas de dormir, cassetetes e punhos nus, apressaram-se a entrar na multidão”, impedindo-os de se moverem, de acordo com o New York Times.

 “Quinze minutos de combates espetaculares espalharam o protesto” em todas as direções, quando “bombeiros viraram mangueiras para a multidão e chegou um caminhão da polícia equipado com gás lacrimogêneo, submetralhadoras e armas de choque”, o Times continuou. O ataque da polícia “levou atrás de si a força de uma avalanche”.

Foster foi preso juntamente com outros líderes do Partido Comunista e cumpriu seis meses por incitar a um motim e manifestar-se sem autorização. E Edith Briscoe em Washington? Ela foi multada em 75 dólares por agressão. Alguns anos mais tarde, ela tornou-se secretária de Foster enquanto continuavam o seu trabalho no Partido Comunista, e continuou a tornar-se uma conhecida ativista de Washington, liderando o grupo Women’s Strike for Peace.

O Dia Internacional do Desemprego foi o início de uma década de protestos nos Estados Unidos pelo Partido Comunista e outros grupos durante a Grande Depressão. As marchas pelo desemprego tornaram-se uma visão familiar, e o partido passou a formar conselhos de desempregados que também organizaram manifestações e ações contra as expulsões e a fome generalizada.

As marchas de 1930 contra o desemprego e a brutalidade da polícia foram raras. O Comissário da Polícia de Nova Iorque, Whalen foi fortemente criticado por ações policiais abusivas durante o motim de Nova Iorque de 6 de Março. Dois meses mais tarde, foi forçado a demitir-se.

No mesmo dia do Dia Internacional do Desemprego, a Comissão do Comércio do Senado agendou a sua primeira audiência para considerar um projeto de lei de seguro de desemprego. Em 1932, sete estados tinham aprovado a assistência ao desemprego, levando o Presidente Franklin D. Roosevelt a aprovar a Lei da Segurança Social em 1935, providenciando um seguro de desemprego federal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close