Maksim Górki – Camarada

Texto publicado em 8 Agosto de 1906, no The Social Democrat.

Disponível originalmente no site Marxists.

Tradução por Igor Alexandre Torres Ribeiro.


Tudo naquela cidade era estranho, incompreensível. Igrejas em grande número apontavam seus muitos campanários coloridos para o céu, em cores brilhantes; mas as paredes e as chaminés das fábricas subiam ainda mais alto, e os templos eram esmagados entre as fachadas maciças das casas comerciais, como maravilhosas flores brotando entre as ruínas, do pó. E quando os sinos chamavam os fiéis às orações, seus sons de bronze, deslizando pelos telhados de ferro, sumiam, não deixando rastros nas estreitas frestas que separavam as casas.

Sempre foram grandes e, às vezes, até bonitas essas moradas. Pessoas deformadas, nulidades, corriam como ratos cinzentos nas ruas tortuosas, da manhã até à noite; e seus olhos, cheios de cobiça, procuravam por pão ou alguma distração; outros homens, a postos nas encruzilhadas, olhavam com ar vigilante e feroz, para que os fracos, sem murmurar, se submetessem aos fortes. Os fortes erram os ricos; todos acreditavam que somente o dinheiro dava poder e liberdade. Todos queriam poder pois todos erram escravos. O luxo do rico gerava a inveja e o ódio no pobre; ninguém conhecia melhor música do que o círculo dourado; por isso, cada um era inimigo de seu vizinho, e a crueldade reinava suprema.

Às vezes o sol brilhava sobre a cidade, entretanto a vida que ali se continha era pálida, e as pessoas eram como sombras. Pela noite eles acendiam uma massa de luzes alegres; e então, mulheres famintas saiam ás ruas para vender suas carícias a quem pagasse mais caro. Por todo lado flutuava um odor de alimentos, e o olhar aborrecido e voraz das pessoas crescia. Pela cidade pairava o murmúrio da miséria, abafado, sem forças para se fazer ouvir.

Cada um levava uma vida penosa e inquieta; uma hostilidade geral era a regra. Alguns cidadãos se consideravam, e somente eles, justos, mas esses eram os mais cruéis e a sua ferocidade provocava a do rebanho. Todos queriam viver; e ninguém sabia, ou podia, seguir livremente o caminho de seus desejos; como um monstro insaciável, o presente, envolvido em seus poderosos e vigorosos braços o homem que marchava em direção ao futuro, e naquele abraço pegajoso minou suas forças. Cheio de angústia e perplexidade, o homem parou, impotente diante do aspecto hediondo desta vida; com seus milhares de olhos, infinitamente tristes em sua expressão, olhou em seu coração, pedindo-lhe sem saber o quê – e então as radiantes imagens do futuro morreram em sua alma; um gemido da impotência do homem misturado ao coro discordante de lamentações e lágrimas de pobres criaturas humanas atormentadas pela vida.

Tédio e inquietação reinavam por toda parte e, às vezes, terror. E a cidade sombria e sóbria, os edifícios de pedra abominavelmente enfileirados uns contra os outros, fechando-se nos templos, eram para os homens uma prisão, repelindo os raios do sol. E a música da vida foi abafada pelo grito de sofrimento e raiva, pelo sussurro do ódio dissimulado, pelo latido ameaçador da crueldade, pelo grito voluptuoso da violência.

Na agitação aborrecida provocada pela provação e pelo sofrimento, na luta febril da miséria, no lodo vil do egoísmo, nos subsolos das casas onde vegetava Pobreza, criadora de riquezas, sonhadores solitários cheios de fé no Homem, estranhos a todos, profetas das sedições, moviam-se como faíscas emitidas de alguma longínqua lareira de justiça. Secretamente eles trouxeram para esses miseráveis e minúsculas buracos sementes férteis de uma doutrina simples e grandiosa – às vezes rudemente, com relâmpagos em seus olhos, e às vezes de forma suave e terna, eles semearam esta verdade clara e ardente nos corações sombrios desses escravos, transformados em instrumentos mudos e cegos pela força do voraz, pela vontade do cruel. E esses seres taciturnos, esses oprimidos, ouviam sem muita crença a música das novas palavras – a música pela qual seus corações há muito aguardavam. Pouco a pouco, eles ergueram a cabeça e rasgaram as malhas da teia de mentiras com a qual seus opressores os envolveram. Em sua existência, feita de raiva silenciosa e contida, em seus corações envenenados por inumeráveis injustiças, em suas consciências sobrecarregadas pelos enganos da sabedoria dos fortes, nesta vida escura e laboriosa, todos penetrados pela amargura da humilhação, tiveram ressonado uma palavra simples:

Camarada!

Não era uma palavra nova; eles a tinham ouvido e pronunciado eles mesmos; mas até então parecia-lhes vazia de sentido, como todas as outras palavras embrutecidas pelo uso, e que se pode esquecer sem perder nada. Mas agora essa palavra, forte e clara, tinha outro som; uma alma cantava dentro dela – suas facetas brilhavam como um diamante. Os condenados aceitaram essa palavra e, a princípio, proferiram-na com delicadeza, embalando-a em seus corações como uma mãe embalando seu filho recém-nascido e admirando-o. E, quanto mais eles buscavam a alma luminosa da palavra, mais fascinante ela parecia para eles.

“Camarada, ” eles disseram.

E eles sentiram que esta palavra tinha vindo para unir o mundo inteiro, para elevar todos os homens à cúpula da liberdade e se ligar com novos laços, os fortes laços de respeito mútuo, respeito pelas liberdades dos outros em nome da própria liberdade.

Quando esta palavra se gravou no coração dos escravos, eles deixaram de ser escravos; e um dia eles anunciaram sua transformação para a cidade nesta grande fórmula humana:

Eu não vou.

Então a vida foi suspensa, pois são eles a força motriz da vida, eles e nenhum outro. O abastecimento de água parou, o fogo apagou-se, a cidade mergulhou na escuridão. Os mestres começaram a tremer como crianças. O medo invadiu o coração dos opressores. Sufocando na fumaça do próprio desânimo, desconcertados e aterrorizados com a força da revolta, eles dissimularam a raiva que sentiam contra ela.

O fantasma da fome ergueu-se diante deles, e seus filhos gemeram queixosamente na escuridão. As casas e os templos, envoltos em sombras, derreteram-se em um caos inanimado de ferro e pedra; um silêncio ameaçador encheu as ruas com um clima úmido de morte; a vida cessou, pois a força que a criou tornou-se consciente de si mesma; e a humanidade escravizada encontrou a palavra mágica e invencível para expressar sua vontade; havia se libertado do jugo; com seus próprios olhos viu seu poder – o poder do criador.

Esses dias foram dias de angústia para os governantes, para aqueles que se consideravam os mestres da vida; cada noite foi tão longa quanto milhares de noites, tão densa era a escuridão, tão tímida brilhava as poucas fogueiras espalhadas pela cidade. E então a cidade monstro, criada pelos séculos, empanturrada com sangue humano, mostrou-se em toda a sua vergonhosa fraqueza; era apenas uma lamentável massa de pedra e madeira. As janelas cegas das casas olhavam para a rua com um ar frio e taciturno, e na estrada marchavam com passo valente os verdadeiros mestres da vida. Eles também estavam com fome, mais do que os outros, talvez; mas eles estavam acostumados a isso, e o sofrimento de seus corpos não era tão agudo quanto o sofrimento dos antigos mestres da vida; ele não extinguiu o fogo em suas almas. Eles brilhavam com a consciência de sua própria força, o pressentimento de vitória brilhava em seus olhos. Eles andaram pelas ruas da cidade, que tinha sido sua prisão estreita e sombria, onde foram dominados pelo desprezo, onde suas almas foram carregadas de abusos, e viram a grande importância de seu trabalho, e assim foi revelado a eles o sagrado direito que eles tinham de se tornarem os mestres da vida, seus criadores e legisladores.

E a palavra, que deu vida a união, apresentou-se a eles com uma nova face, com uma clareza ofuscante:

“Camarada! ”

Lá, entre palavras mentirosas, ela soou com ousadia, como o alegre arauto do tempo por vir, de uma nova vida aberta a todos no futuro – longe ou perto? Eles sentiram que dependia deles se avançassem em direção à liberdade ou se eles mesmos adiariam sua chegada.

A prostituta que, na noite anterior, era apenas um animal faminto, esperando tristemente na calçada lamacenta ser abordada por alguém que compraria suas carícias, a prostituta, também ouviu essa palavra, mas não estava decidida se deveria repeti-la. Um homem como ela nunca tinha visto até então se aproximou, colocou a mão em seu ombro e disse-lhe em tom afetuoso, “Camarada. ” E ela deu um sorriso, pequeno e envergonhado, pronta para chorar com a alegria que seu coração ferido experimentou pela primeira vez. Lágrimas de pura alegria brilhavam em seus olhos, que, na noite anterior, haviam olhado para o mundo com a expressão estúpida e insolente de um animal faminto. Em todas as ruas da cidade os excluídos celebraram o triunfo de seu reencontro com a grande família de trabalhadores de todo o mundo; e os olhos mortos das casas olhavam com um ar cada vez mais frio e ameaçador.

O mendigo a quem, apenas na noite anterior, um obol foi lançado, preço da compaixão do bem alimentado, o mendigo também ouviu esta palavra; e aquela foi a primeira esmola que despertou um sentimento de gratidão em seu pobre coração, corroído pele miséria.

Um cocheiro, um grande sujeito, cujos patronos golpeavam o para que seus golpes pudessem ser transmitidos a seu cavalo cansado e de flancos finos; este homem, embruto pelo barulho das rodas na calçada, disse, sorrindo, a um transeunte: “Pois é, camarada! ” Ele estava assustado pelas suas próprias palavras. Ele pegou as rédeas, pronto para partir, e olhou para o transeunte, o sorriso alegre ainda não apagado de seu rosto grande. O outro lançou um olhar amigável para ele e respondeu, balançando a cabeça: “Obrigado, camarada; Eu irei a pé; Eu não vou longe. ”

“Ah, que bom sujeito!” Exclamou o cocheiro com entusiasmo; ele se mexeu na cadeira, piscando os olhos alegremente, e partiu para algum lugar com um grande estrondo.

As pessoas iam em grupos aglomerados nas calçadas, e a grande palavra destinada a unir o mundo ressoava cada vez mais entre eles, como uma centelha: “Camarada”. Um policial, barbudo, feroz e cheio da consciência de sua própria importância, aproximou-se da multidão que cercava um velho orador na esquina de uma rua e, após ouvir o discurso, disse lentamente: “As assembleias estão interditadas … dispersam-se”. … E após um momento de silêncio, baixando os olhos, acrescentou, em um tom mais baixo, “Camaradas.”

O orgulho dos jovens combatentes estava representado nos rostos daqueles que carregavam a palavra em seus corações, que a haviam dado carne e sangue e o apelo à união; sentia-se que a força que tão generosamente derramaram nesta palavra viva era indestrutível, inesgotável.

Aqui e ali tropas cegas de homens armados, vestidos de cinza, reuniam-se e formavam fileiras em silêncio; era a fúria dos opressores preparando-se para repelir a onda de justiça.

E nas ruas estreitas da imensa cidade, entre as paredes frias e silenciosas, erguidas pelas mãos de criadores ignorados, a nobre crença no homem e na fraternidade crescia e amadurecia.

“Camarada. ” – Às vezes em um canto, às vezes em outro, o fogo estourou. Logo esse fogo se tornaria a conflagração destinada a inflamar a terra com o sentimento ardente de parentesco, unindo todos os seus povos; destinado a consumir e reduzir às cinzas a raiva, o ódio e a crueldade pelos quais somos mutilados; a conflagração que envolverá todos os corações, os fundirá em um – o coração do mundo, o coração dos seres nobres e justos – em uma família unida de trabalhadores.

Nas ruas da cidade morta, criada por escravos, nas ruas da cidade onde a crueldade reinava, a fé na humanidade e na vitória sobre si mesmo e sobre o mal do mundo cresceu e amadureceu. E no vago caos de uma existência entorpecida e turbulenta, uma palavra simples, profunda como o coração, brilhava como uma estrela, como uma luz que guia para o futuro: Camarada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close