Os problemas do experimento de Milgram

É um dos experimentos de psicologia mais conhecidos da história – os testes de 1961 em que o psicólogo social Stanley Milgram convidou voluntários para participar de um estudo sobre memória e aprendizagem. Seu objetivo real, no entanto, era investigar a obediência à autoridade – e Milgram relatou que 65% dos voluntários haviam administrado repetidamente choques elétricos crescentes a um homem que acreditavam estar com dor agonizante.

Nas décadas desde então, os resultados têm sido apontados como prova das profundezas da depravação das pessoas comuns ao serviço de uma figura de autoridade. Na época, isso tinha conexões profundas e ressonantes com o Holocausto e a Alemanha nazista – tão ressonantes, de fato, que poderiam ter levado Milgram a falsear dramaticamente suas descobertas.

A sombra do Nazismo

Desde o começo do seus experimentos, Stanley Milgram foi inspirado pelo comportamento de nazistas e para explicar eles. Ele mencionou as câmaras de gás no primeiro parágrafo do seu primeiro artigo publicado; Ele fortaleceu o link e tornou mais explícito doze anos depois em seu livro, Obediência à Autoridade.

No momento em que a pesquisa de Milgram foi publicada pela primeira vez, o julgamento do nazista de alto nível Adolph Eichmann ainda estava fresco na mente pública. Eichmann foi capturado em Buenos Aires e contrabandeado para fora do país para ser julgado em Israel. O julgamento foi o primeiro de seu tipo a ser televisionado.

De repente, o Holocausto estava nas salas de estar americanas. Uma procissão de testemunhas, a maioria deles sobreviventes, deram seus testemunhos, enquanto Eichmann, impassível e de aparência normal, olhava de dentro de uma caixa à prova de balas de vidro. Hannah Arendt, que estava cobrindo o julgamento, escreveu sobre sua terrível ordenança, e cunhou a frase a “banalidade do mal” para descrevê-la.

Milgram sublinhou a conexão entre funcionários nazistas como Eichmann e os assuntos em seu laboratório. Suas descobertas pareciam demonstrar que as pessoas comuns causariam dor a outra pessoa simplesmente porque alguém em sua autoridade lhes havia dito.

eichmann_3168258b.jpg
Adolf Eichmann em seu julgamento.

Em seu livro de 1974, Milgram descreveu como uma pessoa entrega sua vontade para uma autoridade, entrando em um “estado agentico”. Para os subordinados de Hitler na Alemanha e Stalin na Rússia, esse estado era um “sono profundo” em comparação com a “pequena sonolência” dos participantes em seu laboratório, mas o processo era o mesmo. Uma vez que uma pessoa se funde com uma autoridade que dá as ordens e entra na zona do crepúsculo do estado agêntico, mesmo que ela esteja fazendo coisas desumanas que são “estranhas à sua natureza”, ela se sente “praticamente inocente”.

O problema é que estado meio zumbi, essa obediência escrava que Milgram descreveu, não foi o que ele observou.

A verdade dos números

A história estatística das experiências de obediência não é tão direta quanto você pensaria. A figura do título de 65%, de pessoas que seguiram as ordens dos experimentadores e passaram para a tensão máxima na máquina de choque, implica que houve um único experimento. Na verdade, houve 24 variações diferentes, ou mini-dramas, cada uma com um diferente roteiro, atores e configuração experimental.

É surpreendente com que frequência as 24 variações diferentes de Milgram estão incorretamente combinadas nesta única estatística. O resultado de 65% foi tornado famoso porque foi a primeira variação que Milgram relatou em seu primeiro artigo do jornal, mas poucos observaram que foi um experimento que envolveu apenas 40 participantes.

Ao examinar os registros do experimento realizado em Yale, descobri que em mais da metade das 24 variações, 60% das pessoas desobedeceram as instruções da autoridade e recusaram-se a continuar.

Depois, há os problemas metodológicos com o experimento. O estudo de laboratório altamente controlado que Milgram descreveu realmente envolveu um grande grau de improvisação e variação não apenas entre condições, mas de um assunto para outro. Você esperaria que isso acontecesse na fase piloto de um estudo quando o protocolo ainda está sendo refinado, mas não uma vez que um estudo começou.

Saindo do roteiro

Ao ouvir as gravações originais dos experimentos, é claro que um experimentador de Milgram, John Williams, se desviou significativamente do roteiro em suas interações com os participantes. Williams – com a aprovação de Milgram – improvisou de todas as maneiras para exercer pressão sobre os participantes para eles continuarem administrando choques.

Ele deixou o laboratório para “verificar” o aluno (quem levava os choques), retornando para tranquilizar o professor que o aluno estava OK. Em vez de cumprir com os quatro comandos verbais padrão descritos em contas do protocolo experimental, Williams muitas vezes abandonou o roteiro e mandou alguns participantes continuarem com perguntas 25 vezes ou mais. Os professores foram bloqueados de seus esforços para trocar de lugar com o aluno ou para verificar o próprio.

A obediência escrava a autoridade que viemos a associar com o experimento de Milgram, começa a parecer mais com bullying e coerção quando voce escuta essas gravações.

As suspeitas dos participantes

Milgram fez um grande esforço para encenação de sua experiência, e deixou de lado reivindicações dos sujeitos que tinham visto através do hoax. No entanto, papéis inéditos em Yale mostram que a suspeita estava bem viva entre muitos dos participantes de Milgram (o que não é surpreendente, dado que a Candid Camera era o programa de TV mais popular nos Estados Unidos na época).

Os participantes escreveram para Milgram ou o chamaram depois para descrever o que os havia feito suspeitos. Alguns comentaram sobre como os gritos do aluno pareciam ser provenientes de um falante no canto da sala, sugerindo que era uma gravação em fita. Outros notaram que o cheque conferido ao aluno parecia com orelhas de gato e desgastado, uma indicação de que havia sido entregue várias vezes antes. A falta de preocupação do experimentador com o aluno e a falta de resposta às queixas do aluno sugeriram que não havia nada com que se preocupar. Alguns sujeitos descreveram como eles pressionaram repetidamente os interruptores de baixa tensão, mas ainda assim os gritos do aluno se intensificaram.

Mas este ceticismo dos participantes – cuja crença na configuração do experimento é fundamental para a validade do experimento – tem sido constantemente minimizado nas discussões sobre a relevância e o significado dos resultados.

Poeta cientista

Nos cinquenta anos após a publicação do primeiro artigo de Milgram numa revista cientifica, a pesquisa de obediência continua a ser citada como evidência de uma verdade psicológica duradoura: dentro de todos nós há um guarda de um campo de concentração nazista esperando ser chamado para o serviço. No entanto, minha pesquisa arquivística, exame de fontes primárias e de outros estudiosos contradiz essa afirmação.

O próprio Milgram, no seu lado privado, estava ciente da fraqueza metodológica de sua pesquisa e lutou com muitas das questões sobre a validade dos experimentos e sua generalização além do laboratório. Em particular, Milgram refletiu que seu trabalho era mais arte do que ciência, e se descreveu como um “poeta esperançoso”.

Poeta ou cientista, sua determinação em contribuir para a compreensão de uma das questões urgentes de sua geração levou-o a enquadrar, moldar e editar a história de sua pesquisa para obter o máximo impacto. E, embora Milgram não tenha medido a obediência à autoridade em seu laboratório, suas descobertas nos oferecem uma lição poderosa: questionar a autoridade da ciência e ser mais crítico com as histórias que nos dizem.


Texto original de Gina Perry, autora do livro Behind the Shock Machine: The Untold Story of the Notorious Milgram Psychology Experiments, para o blog da Revista Discovery, disponivel no link abaixo:
http://blogs.discovermagazine.com/crux/2013/10/02/the-shocking-truth-of-the-notorious-milgram-obedience-experiments/

Recomendação de leitura para a entrevista em português da autora para o site Uai:
https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2013/11/01/noticias-saude,193556/psicologa-revela-bastidores-do-classico-experimento-sobre-obediencia-p.shtml

Tradução por Andrey Santiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close