Laos e a Construção do Socialismo

A Republica Democrática Popular do Laos é um país do Sudeste Asiático com menos de 7 milhões de habitantes. O país está oficialmente sob o comando do Partido Revolucionário do Laos desde 1975.

Mapa espera que Laos aprove compras de carnes brasileiras em breve ...
Laos, ao leste do Vietnã e ao Sul da China.

O artigo 13 da constituição do país estabelece que “todos os tipos de empresas são iguais perante a lei e operam de acordo com o princípio da economia de mercado, competindo e cooperando umas com as outras para expandir a produção e negócios enquanto são reguladas pelo Estado na direção do socialismo.”

O Laos tem a desvantagem de ser o país mais bombardeado no planeta Terra. Durante a guerra contra o Vietnã, os Estados Unidos derrubaram cerca de 2 toneladas e meias de bombas no Laos: esse pequeno país rural teve 30% a mais de bombardeios do que a alemã industrial durante a Segunda Guerra Mundial.

The Bombing of Laos: By the Numbers - ABC News
Crianças laosianas perto de bombas desativadas.

O movimento de libertação do Vietnã utilizou partes do Laos para o que veio a se chamar “a trilha de Ho Chi Minh”, auxiliados pelo movimento revolucionário Pathet Lao, enquanto a CIA encorajava tensões étnicas dentro do Laos e financiava grupos como o “Exercito Secreto” liderado por Vang Pao.

Laos tem sessenta e sete diferentes comunidades étnicas, com o grupo principal, o Lao, formando parte de um terço da população total.

O colonialismo francês deixou o país sem qualquer indústria e sem ao menos uma modesta classe trabalhadora ou intelligentsia. Como resultado, os aspectos de classe e nacionais da luta anti-imperialista foram compreendidos pelo Partido Popular Revolucionário como necessários para a luta nacional-democrática contra o imperialismo e a estrutura feudal da sociedade.

O plano quinquenal não atingiu seus objetivos, e o crescimento econômico diminuiu. Como resultado, em 1986 o estado lançou o Novo Mecanismo Econômico, modelado sob a Nova Política Econômica (NEP) dos primeiros anos da União Soviética. O objetivo era atrair o investimento do capital estrangeiro enquanto se introduziam aspectos da economia de mercado no país.

O Laos não pode ser denominado socialista, mas sim um estado socialista que está consolidando a base material para o socialismo. O país ainda tem problemas significativos, principalmente das bombas que não explodiram quando caíram na década de 60 e 70. Todos os anos mais de 300 pessoas são mortas ou feridas por bombas não-explodidas que infestam a zona rural. Somente 1% dessas bombas foram removidas, o que faz um terço das terras do país não-seguras para as pessoas conseguirem trabalhar. Os Estados Unidos chegaram a auxiliar a tornar as zonas rurais mais seguras de bombas, mas nenhum pouco perto do que custou para eles bombardear o país.

Os efeitos da contrarrevolução na Europa Oriental e na União Soviética forçaram o país a abrir ainda mais para a penetração do capital estrangeiro. Entretanto, o estado ainda mantém uma grande parte do controle do mercado. O sistema da economia política pode se dizer que é parecido em alguns aspectos com a “democracia popular” da Polônia e Hungria, com algumas modificações para melhor se adaptar as condições defasadas do Laos. Por causa disso, a economia do Laos nunca experimentou uma recessão, ao contrário de muitos países capitalistas, e foi poupada da maioria dos problemas que atingiu outras economias asiáticas na crise financeira asiática de 1997.

Em 1992, a taxa de pobreza no país era de 46%, já em 2008 essa taxa caiu para 28%, mostrando o sucesso da política econômica socialista do país. As terras foram nacionalizadas em lei, e não podem ser privatizadas. As autoridades da administração de terras garantem que o estado pode dizer como a terra pode ser usada, e por quem.

Laos versus Paraguay - New Mandala
Maiores parceiros de importações do Laos, em vermelho Tailândia, em azul China e em verde Vietnã.

Sob a Lei Trabalhista de 2006, todas as unidades de trabalho devem ser filiadas a seus sindicatos para representar os trabalhadores. A Federação de Trabalhadores do Laos representa cem mil trabalhadores. Isso é impressionante quando consideramos o pequeno tamanho da classe trabalhadora no Laos, onde mais de 70% da população trabalha com a agricultura. A jornada de trabalho normalmente tem oito horas e não passa de 48 horas por semana, com o chamado cerão sendo decidido antes em consulta com os sindicatos.

A lei torna difícil que os trabalhadores sejam demitidos, mas se eles forem o empregador tem que buscar ao trabalhador um emprego alternativo. Trabalhadoras que estão grávidas, sob algum tratamento médico ou deram a luz a menos de um ano não podem ser demitidas. Os serviços de saúde são providenciados pelo estado, sob a constituição.

Laos é um país com muito valor para aqueles que buscam compreender as complexidades em construir o socialismo em condições muito difíceis. A prioridade do país agora não é nacionalizar toda unidade econômica no país, mas sim usar o capital estrangeiro para desenvolver indústrias estratégicas, como mineração e hidrelétricas, além de prover as necessidades da população, desenvolvendo a classe trabalhadora enquanto força no país e permitindo que o país construa as bases para a fundação do socialismo.


Texto originalmente escrito pelo Editorial da Revista Socialist Voice, disponível neste link.

Tradução por Andrey Santiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close