O conflito entre Armênia e Azerbaijão é uma herança da União Soviética?

Com o escalar do conflito entre Armênia e Azerbaijão pela região de Nagorno-Karabakh, muitos têm recordado da ação da União Soviética em ceder a região aos azeris, dando a entender que o conflito que conhecemos hoje foi causado e deixado em aberto pela União Soviética, ou ao menos potencializado e mantido pelos soviéticos. Os motivos apontados para explicar tal tese são diversos, com o mais comum sendo que o ato foi parte de um “plano comunista de dividir para conquistar”, ou seja, criar a discórdia entre os dois povos para ficar mais fácil de dominá-los, contudo, isso realmente condiz com a história?

Para compreendermos a disputa devemos retroceder ainda mais, indo além do período da União Soviética, chegando até a antiguidade, quando os armênios se estabeleceram na região após a fundação do Reino da Armênia em 331 a.C., com o rei Tigranes II, “O Grande”, sendo o responsável pela primeira província a receber o nome de Artsakh (nome da república separatista que controla Nagorno-Karabakh). O Reino da Armênia encontrou seu fim no ano de 428, mas os armênios seguiram presentes nas zonas que antes eram controladas pelo antigo estado, e no ano 1000, sob o comando de Senekerim, é fundado o Reino de Artsakh, compreendendo a atual região de Nagorno-Karabakh, um estado de maioria étnica e cultural armênia.

No século XII, a expansão dos seljúcidas, partindo da Ásia Central, chega até o Cáucaso, com toda região, incluindo Artsakh, passando a ser domínio do Império Seljúcida. Os seljúcidas são os antecessores do povo azeri, sendo nesse momento o surgimento da coexistência desses dois povos na mesma região, com Artsakh passando a ser um estado vassalo dos seljúcidas, formando posteriormente o Ducado de Khachen, ainda de maioria armênia. Após o domínio dos seljúcidas, a região do Cáucaso foi de domínio de outros povos e impérios, tendo os exemplos dos mongóis, turcomanos, timuridas, diversas dinastias persas, incluindo estados azeris, como Aq Qoyunlu e Kara Koyunlu, embora Artsakh se mantesse como maioria armênia até então, construindo as bases da rivalidade atual.

Dando um salto no tempo e chegando até o século XVIII, é fundado em 1748 o Canato de Karabakh, estado semi-independente da Dinastia Safávida do atual Irã, sendo um estado reconhecido como túrquico, sendo administrado e controlado politicamente pelos azeris, inclusive, algumas fontes colocam o canato como de maioria azeri e de religião islâmica. O Karabakh já havia passado por um domínio turco, finalizado em 1606, sendo um fator importante para o grande favorecimento político dos azeris e a razoável decadência dos armênios naquele período. Contudo, devemos ressaltar que a presença armênia continuou forte, embora já não fossem maioria.

Em 1822, o Canato de Karabakh é dissolvido, dando lugar a Governação de Elisabethpool, agora sob domínio russo, que apesar de concederem certas vantagens políticas aos armênios, mantiveram a dominação azeri, que seguiu sendo a etnia e cultura majoritária de Nagorno-Karabakh, embora vivessem em harmonia com os armênios. Em 1918, com o contexto da Revolução Russa, o Cáucaso proclama sua independência, formando a República Democrática Federativa Transcaucasiana, que não dura muito, sendo dissolvida e dividindo-se na Armênia, no Azerbaijão e na Geórgia, países que logo ao se formarem entram em conflitos entre si, valendo destacar a guerra entre Armênia e Azerbaijão, que entra no tema central do texto, durando de 1918 a 1920, com a disputa por Nagorno-Karabakh sendo algo central, antes mesmo da chegada dos soviéticos, com a guerra não tendo um vencedor definido devido a intervenção da União Soviética, que trouxe a sovietização do Cáucaso.

Enquanto o conflito com o Azerbaijão ainda estava se desenrolando, os armênios tiveram de enfrentar os turcos na Guerra Turco-Armena de 1920, com a Armênia perdendo mais da metade de seu território, realocando os armênios que estavam na Anatólia Oriental (região perdida) para a região de Artsakh. Antes mesmo da guerra, o general Andranik Ozanian, líder da Armênia, já havia iniciado um fluxo de armênios a Artsakh, assumindo as posições deixadas pelos azeris que foram evacuados devido a guerra, com os armênios recuperando a sua posição de maioria em Nagorno-Karabakh.

Retornando a intervenção soviética no Cáucaso, o Azerbaijão acaba tendo seu processo de sovietização de maneira mais rápida e fácil em comparação com a Armênia, não tendo muita resistência, enquanto os armênios, com um grande espírito nacionalista, acaba tendo uma resistência mais árdua, formando a República da Armênia Montanhosa no sul do país, liderada por Garegin Nzhdeh e derrotada em julho de 1921. Precisamos compreender que o sentimento nacionalista e independentista armênio estava em alta nesse período, vindo de um grande processo iniciado no século XIX em terras turcas, de rebeliões em favor da independência da Armênia, e intensificado com a grande participação de armênios na Campanha do Cáucaso da Primeira Guerra Mundial e com o Genocídio Armênio promovido pelos otomanos, inclusive, os fundadores da Armênia independente haviam sido rebeldes históricos ou antigos oficiais do exército russo que aproveitaram-se da instabilidade da Guerra Civil Russa, como Andranik Ozanian e o próprio Garegin Nzhdeh.

Após a derrota da resistência armênia e consolidação da sovietização do Cáucaso, Nagorno-Karabakh passou a ser uma província autónoma da RSFS Transcaucasiana, como uma forma de punição aos armênios pela árdua resistência promovida, além de ser uma forma de minar o poder e a projeção de grupos nacionalistas armênios, como a Federação Revolucionária Armênia, que por sinal, é quem tem o poder de facto da atual República de Artsakh. Em 1936, o controle de Nagorno-Karabakh foi repassado ao Azerbaijão por decisão de Stalin, dando continuidade a tradição, construída com os seljúcidas e mantida especialmente pelos persas, de Nagorno-Karabakh ser de administração direta dos azeris, apesar dos armênios manterem sua maioria cultural e étnica, com o estado soviético sendo importante para garantir a segurança e a continuidade dos armênios na região e para conter os conflitos históricos, frutos de uma longa construção histórica que vinha de séculos anteriores aos soviéticos.

Com o início do declínio da União Soviética, inicia-se em 1988 a Guerra de Nagorno-Karabakh entre Armênia e Azerbaijão, vindo a construir os trilhos contemporâneos desse conflito.

Com isso, concluímos que a questão de Nagorno-Karabakh é de uma complexidade muito maior do que se mostra, tendo suas origens e raízes construídas muito antes da União Soviética, que manteve Nagorno-Karabakh como uma província do Azerbaijão como uma continuidade de tradições políticas e administrativas mantidas por persas e pelo próprio Império Russo, com Armênia e Azerbaijão já estando em guerra antes mesmo da chegada dos soviéticos, não tendo necessidade em “dividir para conquistar”, já que a divisão já havia ocorrido. Finalizo então concluindo que a União Soviética não é a grande responsável pelo conflito, tendo sim o seu papel no desenvolvimento das questões, mas não da forma que muitos apontam, quase como uma forma de campanha contra a URSS.

Referências

– The Caucasus – An Inteoduction. Frederick Coene.

– Armenia: With Nagorno-Karabakh. Nicholas Holding.

– Black Garden: Armenia and Azerbaijan Through Peace and War, 10th Year Aniversary Edition. Thomas de Waal.

– Azerbaijan: A Land in Bloom. Mamed Iskenderov.

– On the right of self-determination of the Armenian people of Nagorno-Karabakh. Haig E. Asenbauer.

https://eudocs.lib.byu.edu/…/History_of_Azerbaijan…

https://www.britannica.com/topic/Kara-Koyunlu

https://iranicaonline.org/articles/aq-qoyunlu-confederation

https://www.britannica.com/place/Azerbaijan

https://www.britannica.com/place/Armenia

https://web.archive.org/…/armenia…/sov_arm_war1920.php

https://www.jstor.org/stable/162238

https://www.jstor.org/stable/259971

https://web.archive.org/…/www…/pages/menu/menu3/kgb1.htm

http://freenet.am/~grighak/Armenia_files/Other.htm


Texto originalmente publicado na página “O Lado Vermelho da História”, disponível neste link.

Todos os créditos reservados aos autores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close