Amílcar Cabral – Morreu Lumumba, para que África viva!

Conacry, fevereiro de 1961.

Originalmente publicado no site Marxists.

Foram feitas alterações para o português brasileiro.


Na tarde de 13 fevereiro de 1961, um comunicado proveniente do Katanga anunciou ao mundo a morte de PATRICE LUMUMBA, primeiro ministro do Congo e dos seus companheiros de prisão, os ministros OKITO e M’POLO.

Esta notícia foi geralmente acolhida com espanto, horror e repulsa. Para a África que quer ser VERDADEIRAMENTE livre, é uma notícia de LUTO.

Nos dias seguintes, soube-se que, na realidade, LUMUMBA e seus companheiros tinham sido ASSASSINADOS pelos militares belgas havia já várias semanas, quando da sua transferência da prisão de Thysville para o Katanga. Esta revelação veio ainda aumentar a indignação internacional.

As reações a esse bárbaro e covarde assassinato se fizeram imediatamente sentir, e continuam a manifestar-se no dia-a-dia: em quase todas as capitais e principais cidades do mundo as embaixadas da Bélgica e também as dos Estados Unidos foram atacadas pelo povo; diversas manifestações produzem-se todos os dias, não somente contra aqueles países mas também contra a Organização das Nações Unidas e principalmente contra o seu Secretário-Geral, Dag Hamarskjoeld, que é justamente acusado de principal responsável do assassinato de Lumumba e dos seus companheiros, como veremos mais adiante.

Na República da Guiné, o 14 de fevereiro foi decretado dia de luto nacional; após um meeting, o Governo tomou as seguintes decisões: 1.º: Mandar um enérgico telegrama às Nações Unidas, acusando essa Organização da responsabilidade desse odioso crime, e exigindo a imediata demissão do Secretário-Geral DAG HAMARSKJOELD; 2.º: Reconhecer o Governo do senhor Gizenga (sucessor legal de Lumumba), como único Governo legal do Congo, prometendo-lhe todo o seu apoio na sua luta para desembaraçar o Congo dos colonialistas e imperialistas; 3.º: Condecorar Patrício LUMUMBA, a título póstumo, com o grande cordão da Ordem da Fidelidade ao Povo (a Guiné já tinha agraciado LUMUBA com o colar de COMPANHEIRO DA INDEPENDÊNCIA AFRICANA).

O Gana, o Mali, Marrocos, Indonésia, Cuba, Iugoslávia, Albânia, Polônia, Alemanha Oriental e a República Árabe Unida, também decretaram luto nacional, acusaram as Nações Unidas desse crime, exigiram a demissão de Hamarskjoeld, e reconheceram o Governo de GIZENGA, a quem estão dispostos a ajudar.

A União Soviética, não somente exigiu a demissão de Hamarskjoeld, mas declarou que, DESDE JÁ, deixava de o reconhecer como Secretário-Geral das Nações Unidas, e que vai ajudar a luta do Povo Congolês contra os imperialistas e seus lacaios.

Estamos certos que outros países que ainda não se pronunciaram, virão engrossar a lista de protesto contra esse bárbaro e selvagem assassinato.

Nenhuma dúvida subsiste em como o assassinato de Patrice LUMUMBA foi friamente tramado pelos imperialistas com a cumplicidade das Nações Unidas e do seu Secretário-Geral DAG HAMARSKJOELD, cuja atitude desde o início da questão congolesa foi mais que suspeita e por várias severamente criticado.

A opinião internacional está cada vez mais revoltada contra esse odioso assassinato, e é ainda muito cedo para prever as consequências de um tal barbarismo.

Mas, porque foi friamente tramado e executado esse bárbaro assassinato?

Porque quando o Colonialismo é forçado a retirar, ele deixa em seu lugar o neocolonialismo e o Imperialismo, tanto ou mais perigosos que o primeiro.

Porque no Congo os imperialistas tinham os seus dias contados enquanto vivesse Lumumba.

Porque LUMUMBA era um verdadeiro AFRICANO que não se deixava COMPRAR ou ser comandado pelos imperialistas.

Porque LUMUBA era um patriota que lutava pela unidade dos povos do Congo e uma verdadeira INDEPENDÊNCIA DO SEU PAÍS.

Porque LUMUMBA lutava por um CONGO LIVRE, no seio de uma ÁFRICA LIVRE, sem obediência a quaisquer estrangeiros.

Porque LUMUMBA nunca cedeu às manobras dos imperialistas.

Porque LUMUMBA teve a coragem de lhes dizer publicamente: COLONIALISTAS E IMPERIALISTAS, FORA DE ÁFRICA! BASTA DE EXPLORAÇÃO DAS NOSSAS TERRAS!

Porque LUMUMBA foi sempre FIEL AO POVO que confiava nele, como o único que os poderia libertar do colonialismo, do neocolonialismo e do imperialismo.

Há 80 anos que o Congo, um país de 1.500.000 quilômetros quadrados (como França, Grã-Bretanha, Espanha, Portugal e Bélgica reunidos), com uma população de 14 milhões de habitantes, foi ocupado pelos belgas, um minúsculo povo europeu que, como todos os outros colonialistas, arrogaram-se da sagrada missão de trazer a África os “benefícios” dessa famosa civilização que ninguém encomendou, e que de resto não “espalharam”; como também todos os outros colonialistas, o que lhes interessava eram as imensas riquezas desse enorme país, cheio de recursos, terra de promissão para os famélicos belgas e fonte de receita para a insignificante Bélgica. Por isso, eles fizeram tudo para não perder o Congo, que nunca contavam abandonar (nem daqui a cinquenta anos)!

Para tal, o objetivo número um consistia em manter o povo na ignorância o mais longamente possível, o que se resume na célebre frase do General Janssens: “SEM ELITES, NÃO HÁ ABORRECIMENTOS”. E isso foi levado a cabo de tal maneira que hoje, após OITENTA ANOS da “presença civilizadora” dos belgas, somente seis congoleses obtiveram um diploma universitário, e isto à custa de enormes sacrifícios das suas famílias. Apenas uns milhares sabem “ler e escrever”.

Essa revoltante política de ignorantismo e escravidão foi confiada às várias missões religiosas, subvencionadas pelos Belgas, que desempenharam com afinco a sua missão. Segundo as numerosas brochuras publicadas pelas missões, o catecismo dos congoleses, que eram tratados como “crianças crescidas”, consistia unicamente no RESPEITO E SUBMISSÃO AO BRANCO. Numa delas lê-se: O CONGOLÊS DEVE PREFERIR O CHICOTE DOS BELGAS À FOICE COMUNISTA. (Como se sabe, hoje em dia quando um povo aspira à sua liberdade é imediatamente acusado pelos colonialistas de “comunista” ou então dirigido por “comunistas”, pagos por Moscou, como se nenhum povo quer ser livre sem ser comunista. Mas isto é já conversa fiada…).

Na já conhecida política de “dividir para reinar”, os colonialistas belgas atiçavam as rivalidades tribais, fomentando sangrentas lutas fratricidas entre as diversas raças do Congo.

E enquanto os congoleses se matavam entre eles, na miséria, na ignorância, na fome, e na escravidão, “sob o chicote dos Belgas”, esses novos “donos” da terra, com os seus amigos imperialistas esgotavam as riquezas do país, enriqueciam-se sem o menor esforço enquanto o povo morria de fome. O Congo pertencia aos grandes “trusts” internacionais. Só um banco, a “Sociedade Geral” possuía CINQUENTA empresas, entre as quais TRÊS companhias de Caminho-de-ferro!

Trinta mil Belgas ganhavam mais do que UM MILHÃO de Africanos!

Nunca uma “Colônia” rendeu tanto!

Foi então que apareceu PATRICE LUMUMBA.

Filho do povo que sofreu todas as misérias e opressões do regime colonialista, esse originário de uma das menos importantes tribos do Congo, os Batetelàs, Patrice LUMUMBA conseguiu elevar-se entre os seus compatriotas pela sua firmeza de caráter, sua incorruptibilidade, sua decisão firme e inabalável de UNIR OS CONGOLESES e LIQUIDAR O COLONIALISMO.

Em 1958, numa época de plena euforia colonialista belga, época em que no Congo só existiam “associações” tribais ou regionalistas consentidas pelos colonialistas e que pelas suas rivalidades e lutas constantes enfraqueciam o país e só favoreciam os colonialistas, nesse ano, Patrice LUMUMBA formou o MOVIMENTO NACIONAL CONGOLÊS, verdadeira organização política, sem distinções de raças, origens ou religiões, que tinha como principal objetivo a UNIDADE do país e a LUTA pela sua Independência.

Em menos de dois anos, apesar das repressões colonialistas e dos ataques das “associações” raciais e regionalistas, o MOVIMENTO NACIONAL CONGOLÊS tornou-se a maior organização política do país, e a única que lutava ferozmente pela independência do Congo. E a sua luta ininterrupta foi tão renhida e tão bem dirigida que em princípios de 1960, os Belgas, que não esperavam largar o Congo nem daqui a cinquenta anos, manifestaram a sua intenção de negociar uma “autonomia”, que foi aceite pelos outros partidos. Mas imediatamente viu-se que nada se poderia levar a efeito no Congo sem o MOVIMENTO NACIONAL CONGOLÊS. Então LUMUMBA, que se encontrava encarcerado, foi libertado e conduzido a Bruxelas para fazer parte da “mesa redonda”, onde se negociava o futuro do Congo.

Durante essas negociações, os belgas disseram: vocês não sabem nada, não estão preparados, de maneira que devem contentar-se com uma pequena liberdade, uma semi-autonomia sob a nossa proteção. LUMUMBA respondeu aos Belgas: NÓS QUEREMOS A NOSSA INDEPENDÊNCIA! NÃO QUEREMOS MAIS FICAR SOB A DOMINAÇÃO ESTRANGEIRA!

E perante essa atitude inabalável e intransigente de Lumumba, os Belgas tiveram que ceder. Mas cederam na intenção de continuar na mesma a explorar o Congo como dantes por meio de acordos, tratados, etc., pois ainda consideravam os africanos como “crianças crescidas” que eles poderiam facilmente continuar a dirigir em seu proveito. Mas foram depressa desenganados. Imediatamente após a proclamação da independência, os Belgas e seus aliados imperialistas, que tinham interesses no Congo mais do que a própria Bélgica, viram que com LUMUMBA no Governo do Congo, findava-se a exploração do Congo e que o Congo passaria a pertencer inteiramente aos congoleses. Então os imperialistas utilizaram todos os meios para se desembaraçarem de LUMUBA: os Belgas invadiram o Congo com tropas vindas da Europa, e além disso, fizeram com que TCHOMBÉ traísse LUMUMBA, declarando a secessão do Katanga, principal fonte de riquezas dos colonialistas e imperialistas no CONGO. O país, que apenas há alguns dias tinha adquirido a sua independência, não estava suficientemente organizado para castigar o traidor TCHOMBÉ e ao mesmo tempo resistir à agressão estrangeira.

Então, LUMUMBA fez apelo à Organização das Nações Unidas para o envio de tropas que o ajudasse a correr com os invasores Belgas e restabelecer a paz no país.

Pela ação das suas tropas e do seu Secretário-Geral Hamarskjoeld no Congo, as Nações Unidas revelaram ao Mundo e especialmente aos povos africanos que lutam pela sua liberdade que essa organização é um simples instrumento dos imperialistas. Com efeito, em vez de ajudar LUMUMBA, as Nações Unidas, pelo seu Secretário-Geral HAMARSKJOELD fizeram tudo para destituir LUMUMBA e colocar na chefia do Governo um homem de palha de sua devoção. Proibiu Lumumba de utilizar a rádio do seu país, não permitiu a reunião do Parlamento, que se manteve sempre fiel a LUMUMBA. Por fim, vendo que não havia maneira de destituir LUMUMBA pelas vias legais, as Nações Unidas e alguns países imperialistas procederam à obra de divisão, pela CORRUPÇÃO, do povo congolês. Foi assim que os imperialistas, por intermédio das Nações Unidas forneceram dinheiro, armas e munições ao coronel MOBUTU, chefe de estado-maior, homem de confiança de LUMUMBA, e fecharam os olhos à ação deste ignóbil INDIVÍDUO que TRAIU seu protetor, TRAIU seu país, e TRAIU todo o Povo Africano, pois o caso do Congo é o caso de toda a África.

Finalmente, com conhecimento de HAMARSKJOELD e sem a menor reação das suas tropas, as forças do TRAIDOR Mobutu, armadas e pagas pelas Nações Unidas, prenderam, maltrataram, espancaram até morrer, o grande patriota africano PATRÍCIO LUMUMBA, que só queria desembaraçar o Congo e a África dos Colonialistas e dos Imperialistas.

Vê-se, pois, que o principal responsável do maior crime da História Africana é o Secretário-Geral DAG HAMARSJKOELD que , para servir os interesses imperialistas, TRAIU Lumumba, que o chamou em seu socorro, TRAIU o conselho de Segurança que lhe tinha dado instruções precisas para ajudar LUMUMBA a pacificar o país, e TRAIU também todas as Nações que aspiram à LIBERDADE, e que até aqui depositavam inteira confiança nele.

Portanto DAG HAMARSKJOELD deve-se demitir, para que os povos que lutam pela liberdade possam enfim obter a sua independência.

LUMUMBA morreu, mas o “LUMUMBISMO” continua; mais vivo do que dantes. O “Lumumbismo” é hoje em dia a incarnação da luta de todos os povos pela sua liberdade, sua independência, pela liquidação completa do COLONIALISMO e do IMPERIALISMO.

LUMUMBA MORREU, PARA QUE A ÁFRICA VIVA, LIVRE, INDEPENDENTE E UNIDA.

★ ★ ★

POVOS DA GUINÉ E CABO VERDE:

Este longo relato sobre o que se passa no Congo, é muito interessante para nós. Leiam atentivamente este artigo, e encontrarão as mesmas semelhanças com o nosso caso, com o que se passou, com o que se passa nas nossas terras, desde a nossa situação de miséria, ignorância e escravidão, até aos nosso atuais problemas de UNIDADE para a LUTA. Porque a principal condição de LUTA é a UNIDADE.

Patrício LUMUMBA foi assassinado, porque os imperialistas COMPRARAM alguns traidores que provocaram a DIVISÃO do povo congolês. Ele não poderia ser assassinado se o povo continuasse UNIDO. 

Também nas nossas terras, onde sofremos a miséria, a fome, a escravidão, as nossas riquezas são exploradas pelos colonialistas e pelos “trusts” imperialistas. Apesar da bárbara repressão colonialista, conseguimos formar o PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA, que é o único partido que não faz distinção de raças, origens, etc. O PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA procura a UNIDADE dos nossos povos para a LUTA contra o colonialismo e contra o imperialismo. No interior como no exterior, nós somos cada vez mais fortes, a nossa luta cada vez mais renhida; temos a ajuda de todos os povos do mundo; agora a nossa vitória é certa, e já não está longe.

Mas, tomem cuidado! Deveremos agora ser mais vigilantes que NUNCA! Os colonialistas fizeram e fazem tudo para entravar a nossa luta: prisões, perseguições, desemprego, fome, etc. tudo SEM RESULTADO!

Agora, como eles veem que estamos quase a correr com eles, os colonialistas e imperialistas começam a utilizar esta outra arma, mais perigosa, que é a DIVISÃO.

Eles estão a COMPRAR alguns dos nossos irmãos, para TRAÍREM a nossa causa, fomentando a discórdia entre os nossos povos com questões de raças, origens, religiões, etc.

Alguns desses traidores vendidos aos colonialistas, já começaram a sua nefasta campanha de DIVISÃO, procurando assim entravar a nossa LUTA.

Esses lacaios dos colonialistas que só procuram seus interesses pessoais, sabem conscientemente que estão a TRAIR os nossos povos, e que estão a SERVIR os COLONIALISTAS.

Portanto, esses indignos africanos SÃO TRAIDORES À CAUSA AFRICANA, e como TRAIDORES devem ser tratados.

Povos da Guiné e Cabo Verde! Vejam o caso do Congo:

O único partido que lutou e conseguiu a independência, é o partido que não fazia questões de raças, de origens, etc. O Nosso Partido Africano da Independência, que é o ÚNICO que LUTA pela independência das nossas terras, é também o ÚNICO que não faz questões de raças, origens, etc. O lema do nosso Partido É UNIDADE e LUTA. UNIDADE de todos para a LUTA contra o nosso inimigo: O COLONIALISMO E O IMPERIALISMO.

Irmãos da Guiné e Cabo Verde! Continuemos sempre UNIDOS.

NÓS NÃO QUEREMOS AUTONOMIA. NÓS QUEREMOS A NOSSA INDEPENDÊNCIA COMPLETA!

Nas nossas terras não haverá TRAIDORES como TCHOMBÉ, MOBUTU e OUTROS.

Nas nossas terras haverá UNIDADE, PROSPERIDADE E BEM ESTAR.

Irmãos, PORTUGUÊS, é o europeu que nasceu em Portugal.

Qualquer africano que disser: EU SOU PORTUGUÊS, é um lacaio dos colonialistas, é um TRAIDOR, que deve ser LIQUIDADO de qualquer maneira.

E também o africano que disser que o Fula não é igual ao Bijagó, que os guineenses não devem dar-se com os caboverdianos, etc. etc. esse africano é também UM TRAIDOR, que deve ser ELIMINADO.

Todos os africanos que disserem que são portugueses ou que tentam dividir-nos com questões de raças, origens, etc. são traidores à causa africana, pagos pelos colonialistas para retardarem a liberdade e a independência dos povos africanos.

Esses traidores devem morrer!

Conacry, fevereiro de 1961.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close