Declaração do PSL: A expansão da OTAN deve acabar para garantir paz na Ucrânia

Originalmente publicado no site do Partido pelo Socialismo e a Libertação.

Tradução por Andrey Santiago.


A crise na Ucrânia aumentou dramaticamente ao longo da última semana, culminando no reconhecimento de ontem das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk pela Rússia e o subsequente envio de tropas russas para essas áreas. Os Estados Unidos e as potências europeias estão agora lançando sanções contra a Rússia, incluindo a suspensão da Alemanha do crítico gasoduto NordStream 2. As sanções anunciadas até agora pelo governo Biden visam em particular o setor financeiro, sancionando dois grandes bancos russos e proibindo pessoas e instituições nos Estados Unidos de comprar dívidas do governo russo. Esses mesmos estados continuam a ameaçar desencadear sanções “sem precedentes” no caso de uma nova escalada, que visaria cortar o país da economia mundial e causar tremendo sofrimento entre a população russa. Muitas figuras da classe dominante nos Estados Unidos estão até exigindo que tais sanções sejam impostas agora preventivamente.

Uma sessão de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas foi realizada ontem à noite, onde os Estados Unidos e seus aliados condenaram a Rússia e o representante russo defendeu suas ações. O representante da China declarou: “Todas as partes envolvidas devem exercer moderação e evitar qualquer ação que possa alimentar as tensões. Saudamos e encorajamos todos os esforços para uma solução diplomática e pedimos a todas as partes envolvidas que continuem o diálogo e a consulta e busquem soluções razoáveis ​​para abordar as preocupações de cada um com base na igualdade e no respeito mútuo”. A Índia, que tem um relacionamento próximo com a Rússia, também emitiu uma declaração essencialmente neutra no conselho de segurança. Os governos da Síria e da Nicarágua apoiaram o movimento da Rússia.

O governo dos EUA condenou o reconhecimento de Donetsk e Lugansk como uma violação da soberania da Ucrânia, vendo o envio de soldados russos como uma ocupação estrangeira do território ucraniano contra a vontade do governo. É difícil imaginar uma posição mais hipócrita vinda do país mais infame do mundo por suas constantes invasões e ocupações de outras nações. Agora mesmo na Síria, por exemplo, o Pentágono tem soldados posicionados em áreas controladas pelos separatistas do norte, apesar da clara oposição do governo internacionalmente reconhecido – exatamente a mesma coisa que os Estados Unidos acusam a Rússia de na Ucrânia.

Desde a dissolução da União Soviética e do campo socialista da Europa Oriental, a aliança militar imperialista da OTAN expandiu-se constantemente para o leste, absorvendo 14 estados anteriormente socialistas entre 1999 e 2020. Três desses países – Letônia, Lituânia e Estônia – eram ex-repúblicas da própria União Soviética. A expansão de uma aliança militar hostil até a fronteira da Rússia foi corretamente vista como uma ameaça terrível. Mas o pior de tudo seria se a Ucrânia seguisse o exemplo. A Ucrânia foi a segunda maior república da União Soviética depois da Rússia, compartilha uma fronteira de 1.200 milhas com a Rússia e tem sido historicamente uma rota de invasão para os exércitos da Europa Ocidental que marcham para a Rússia. O governo levado ao poder pelo golpe de 2014 na Ucrânia estava determinado a se juntar à OTAN, e os Estados Unidos e seus aliados forneceram ao golpe apoio militar, econômico e diplomático.

As raízes imediatas da crise atual remontam a esse golpe que derrubou o governo de Viktor Yanukovych, que seguia uma política externa neutra que buscava relações positivas tanto com a Rússia quanto com o Ocidente. Um movimento de protesto surgiu em 2013 com o apoio total dos Estados Unidos – a oficial de alto nível do Departamento de Estado, Victoria Nuland, visitou um local de protesto e distribuiu biscoitos a manifestantes antigovernamentais. Várias semanas depois, vazou uma conversa entre Nuland e o embaixador dos EUA na Ucrânia, Geoffrey Pyatt, na qual Nuland e Pyatt discutiam em detalhes quais figuras da oposição deveriam desempenhar qual papel em um futuro governo ucraniano.

O golpe final no governo de Yanukovych foi dado em fevereiro de 2014 por forças paramilitares neonazistas que invadiram o palácio presidencial. Forças políticas abertamente pró-nazistas cresceram rapidamente e ascenderam a posições de grande influência no estado após o golpe. Eles, juntamente com outras forças do novo governo ucraniano, adotaram políticas virulentamente anti-russas e hostilidade em relação à população etnicamente russa da Ucrânia concentrada no leste do país. Rejeitando a autoridade do novo regime em Kiev, surgiu um movimento separatista nas províncias orientais de Donetsk e Lugansk, declarando independência e iniciando uma luta armada. A fase mais intensa desta luta armada terminou com a assinatura dos Acordos de Minsk no final de 2014, embora tenham continuado a ocorrer violações relativamente menores do cessar-fogo. Mas os acordos, que exigiam um diálogo nacional e a concessão de poderes autônomos às autoridades locais em Donetsk e Lugansk, nunca foram totalmente implementados pelo Ocidente e o conflito permaneceu em um impasse

Nas últimas semanas, o governo dos EUA dobrou esse comportamento provocativo. Ele constantemente emitiu previsões de uma iminente invasão russa junto com estimativas de baixas apocalípticas sem fornecer evidências. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos e seus aliados ameaçaram uma guerra econômica total para devastar a Rússia no caso de uma intervenção. Todas as principais demandas da Rússia – uma promessa de não trazer a Ucrânia para a OTAN, parar de enviar armamentos pesados ​​apontados para a Rússia – foram descritas como “não-iniciantes”. Isso foi projetado para encurralar a Rússia, colocando-a em uma posição em que ela toma uma ação militar ou parece ter sido empurrada de maneira humilhante pela ameaça de sanções do Ocidente. A partir da semana passada, houve uma grande intensificação das violações do cessar-fogo, com os militares ucranianos lançando barragens de artilharia e outros ataques a Donetsk e Lugansk. À medida que a crise se desenrolava, o objetivo claramente declarado da Rússia era iniciar um diálogo entre ela e o Ocidente sobre uma nova estrutura de segurança para a Europa que levasse em consideração os interesses da Rússia.

A única maneira de ter uma paz estável e poupar o povo da Europa Oriental dos estragos da guerra é chegar a esse acordo diplomático. Quaisquer outras tentativas do imperialismo dos EUA para inflamar a situação correm o risco de uma catástrofe para a classe trabalhadora da Rússia, Ucrânia, Estados Unidos e o mundo inteiro.

Discurso de Putin anuncia reconhecimento

Anunciando o reconhecimento de Donetsk e Lugansk à Rússia e ao mundo, o presidente Vladimir Putin fez um discurso de alto nível ontem, pouco antes de dar a ordem de envio de tropas. Ele discutiu tanto a situação geopolítica contemporânea quanto as circunstâncias que levaram à criação do Estado ucraniano moderno.

Grande parte do discurso se concentrou em uma falsa apresentação da história da política soviética sobre a autodeterminação nacional e a estrutura federativa da URSS. Para sustentar sua tese de que “a Ucrânia não é apenas um país vizinho para nós. É uma parte inalienável de nossa própria história, cultura e espaço espiritual”, Putin argumentou que foi a política equivocada dos bolcheviques na época da Revolução Russa que colocou em movimento a cadeia de eventos que produziu o atual estado ucraniano. Em particular, ele destacou o papel de Vladimir Lênin, alegando que “a Ucrânia soviética é o resultado da política dos bolcheviques e pode ser legitimamente chamada de ‘A Ucrânia de Vladimir Lênin’”. e Lênin e seus associados fizeram isso de uma maneira extremamente dura com a Rússia – separando, cortando o que é historicamente terra russa” e criticando “as ideias de Lênin sobre o que equivalia essencialmente a um arranjo de estado confederativo e um slogan sobre o direito das nações à autodeterminação, até à secessão”.

Mas, na realidade, a política promovida por Lênin foi a pedra angular da manutenção das relações pacíficas e da unidade entre os povos da União Soviética desde a Revolução Russa até o início do colapso da URSS. Ao organizar o novo Estado socialista segundo as linhas do direito à autodeterminação, Lênin estava dando um golpe no que foi chamado de “chauvinismo grão-russo” – a dominação do Estado russo e da nacionalidade russa no território do império russo justamente-derrubado. Juntamente com a transferência administrativa de territórios, essa era uma forma de garantir que os povos do recém-formado Estado socialista pudessem conviver em paz e igualdade, substituindo a dominação brutal característica do regime do Czar. O princípio da autodeterminação lançou as bases para a unidade multinacional que foi a base dos grandes sucessos da União Soviética – por exemplo, 4,5 milhões de ucranianos lutaram ao lado de russos para derrotar o fascismo na Segunda Guerra Mundial.

A implementação da política soviética sobre nacionalidades foi um processo altamente complexo que ocorreu em um período de profunda turbulência e guerra civil. Na guerra de 1917-1922 que se seguiu à Revolução Bolchevique, houve casos em que o governo soviético interveio contra forças organizadas em torno da bandeira da independência nacional quando essa demanda se fundiu com a contrarrevolução capitalista. Mesmo após o término da guerra civil, a luta continuou relacionada à questão nacional. Enquanto milhões de ucranianos lutaram no Exército Vermelho contra o fascismo, outros que se opunham ao sistema socialista, por exemplo, lutaram em unidades organizadas pela SS nazista que estavam comprometidas com o genocídio contra judeus ucranianos, russos e qualquer pessoa que se opusesse ao fascismo. Mas a notável transformação da Rússia de uma “prisão de nações” onde os povos oprimidos sofriam sob o domínio chauvinista do czar russo em uma federação com direitos consagrados para cada república teria sido impossível se não fosse pela política de Lênin sobre a questão nacional .

Ao contrário das afirmações de Putin, não foram “as fantasias odiosas e utópicas inspiradas pela revolução” que levaram ao colapso da União Soviética. Embora seja verdade que os movimentos nacionalistas reacionários que surgiram na URSS na década de 1980 “não se baseavam em quaisquer expectativas ou sonhos não realizados dos povos soviéticos, mas principalmente nos apetites crescentes das elites locais”, a culpa final pela destruição da União Soviética repousa com razão sobre os ombros da facção restauracionista capitalista dentro do Partido Comunista da União Soviética. Na verdade, foi o presidente russo, Boris Yeltsin, quem dissolveu ilegal e unilateralmente a URSS em 1991, assinando os “Acordos de Belovezh”.

A dissolução e derrubada da URSS foi o maior revés de todos os tempos para a classe trabalhadora – inclusive na Rússia e na Ucrânia – e para o movimento em todo o mundo que luta pela independência do colonialismo e do imperialismo. Sendo o produto do primeiro esforço da classe trabalhadora para construir o socialismo, a URSS, é claro, também enfrentou muitos defeitos e problemas. Todos os socialistas esperam o restabelecimento das relações pacíficas entre os povos da antiga União Soviética, uma paz que foi destruída pela restauração do capitalismo.

A OTAN é o agressor

Mas, além da questão de etnia e nacionalidade nos estados da antiga União Soviética, há uma justificativa clara do ponto de vista geopolítico de por que a Rússia se sente existencialmente ameaçada pelas ações do Ocidente na Ucrânia. A situação dos russos étnicos que sofrem sob o governo nacionalista da Ucrânia é um fator importante na tomada de decisões russas e gera uma pressão política interna significativa sobre o governo russo para agir de forma decisiva. Mas a preocupação geopolítica abrangente que motiva a Rússia é a expansão da aliança militar da OTAN.

A própria existência da OTAN representa uma grave ameaça à paz em todo o mundo. A OTAN foi criada em 1949 no início da Guerra Fria com o objetivo de agrupar todas as principais potências imperialistas em preparação para uma futura guerra para destruir a União Soviética. Desde a queda da URSS, reorientou-se como uma aliança anti-Rússia em linha com a doutrina da “Grande Competição de Potências” dos Estados Unidos que busca uma nova Guerra Fria. Também tem sido usado para fazer guerra aos povos da ex-Iugoslávia, Afeganistão e Líbia. Não há nada “defensivo” na OTAN – é uma ferramenta para guerra e agressão.

A abolição da OTAN resolveria as tensões explosivas na Europa Oriental e representaria um passo histórico em direção à paz mundial. Não há nenhuma razão legítima para este bloco existir. Nenhuma nação está ameaçando atacar os Estados Unidos e a Europa Ocidental, ou poderia representar tal ameaça de forma realista. A OTAN é um pilar fundamental de uma ordem mundial injusta dominada pelo imperialismo dos EUA – uma ordem mundial que está se tornando cada vez mais intolerável para países ao redor do mundo.

6 comentários em “Declaração do PSL: A expansão da OTAN deve acabar para garantir paz na Ucrânia

  1. Muito bom. Vou divulgar. Bastante útil para combater a guerra de versões que tem o protagonismo do EIA e da União Européia.

    Curtir

  2. Muito bom este artigo!!!

    Curtir

  3. Desde a dissolução da URSS, foi os Estados Unidos e a sua OTAN, que fizerame e desfizeram no cenário mundial, ocupando paises como o Iraque e o Afeganistão, destruindo tantos outros e desequilibrando África e o Extremo Oriente com o que se passou na Líbia e o que se passa na Síria.

    Curtir

  4. Raimundo Hugo de Castro Araújo 25 de fevereiro de 2022 — 05:11

    Excelente artigo que se contrapõe ao massacre diário da midia contra a geopolitica mundial. Há por trás da fomentação da invasão da Ucrania interesses de vender artefatos de Guerra e dificultar as negociações do Gás Natural da Rússia para a Europa. Ora! Com a aproximação da Ásia com a Europa, os EUA perderiam a hegemonia do capitalismo mundial.

    Curtir

  5. Francisco Saimone 5 de março de 2022 — 04:13

    Os EUA devem esperar uma pior reacçao do mundo. Nao possivel eles estarem a mover guerras fora das portas em um século sem existir uma estratégia de cortar esse mal que chama de EUA e seus aliados marionetas da Europa pela raiz.
    Se fossem inteligentes nao iriam ivandir a Líbia e se meterem em assuntos imternos da Siria e na Ucrania nos meados de 2012.

    Curtir

Deixe uma resposta para Maria Odete Santos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close