Declaração do PSL sobre a intervenção da Rússia na Ucrânia

Originalmente publicado no site do Partido pelo Socialismo e a Libertação.

Tradução por Andrey Santiago.


A operação militar russa na Ucrânia destaca que o mundo chegou a uma bifurcação perigosa na estrada. É extremamente importante para o povo nos Estados Unidos, que estão recebendo a maior parte de suas informações da mídia capitalista que funciona como uma câmara de eco para o governo dos EUA, saber que a crise atual é o subproduto de um longo esforço dos Estados Unidos para estabelecer a dominação absoluta em toda a Europa. A política dos EUA visa minar a segurança da Rússia, cercando-a de mísseis avançados que podem atingir seus alvos russos em menos de 10 minutos.

Nos últimos três meses, o governo russo pediu simultaneamente negociações sobre suas preocupações de segurança e, ao mesmo tempo, reuniu tropas na fronteira Rússia-Ucrânia e na fronteira da Ucrânia e Bielorrússia. Putin anunciou que a Rússia interviria militarmente na Ucrânia depois que os Estados Unidos e a OTAN rejeitaram suas exigências fundamentais de que a Ucrânia não seja incorporada à OTAN e que a Ucrânia, que compartilha uma fronteira de 1.200 milhas com a Rússia, não seja usada como base para mísseis avançados que visam a Rússia.

Em essência, Putin e a Rússia exigiam que a Ucrânia fosse um país neutro e nunca um membro da OTAN. Foi precisamente através do território da Ucrânia que a Rússia foi submetida à invasão nazista na Segunda Guerra Mundial e invasões anteriores de potências ocidentais. Na Segunda Guerra Mundial, quando a Ucrânia e a Rússia eram um só país (a União Soviética), mais de 27 milhões de pessoas morreram resistindo à invasão nazista de suas terras natais.

Neste momento crítico, é imperativo que o governo dos EUA mude sua postura imprudente e provocativa de cercar a Rússia e expandir implacavelmente a OTAN para o leste. Desde a dissolução da União Soviética em 1991, os Estados Unidos tentaram incorporar quase todos os ex-aliados soviéticos/russos europeus na OTAN, que é uma aliança militar ofensiva.

Depois de ter todas as suas demandas rejeitadas pelos Estados Unidos e pela OTAN, o governo russo decidiu invadir a Ucrânia. A partir deste momento, grandes operações militares estão em andamento. O governo russo disse que não vai ocupar a Ucrânia, mas que pretende realizar a “desmilitarização” e a “desnazificação” do país. Não está claro o que esses termos realmente significam. Em alguns segmentos do estado ucraniano – particularmente a polícia e os militares – há uma considerável influência nazista. Na vida política da Ucrânia, o poder dos grupos fascistas diminuiu consideravelmente nos últimos anos e eles não exercem influência decisiva dentro do governo do presidente Zelenskyy

Os Estados Unidos e as potências europeias prometeram impor um regime total de sanções à Rússia, isolando o país da economia mundial e visando suas indústrias mais vitais. Uma saraivada inicial de sanções foi anunciada por Biden hoje. Estes visam alguns dos maiores bancos e corporações da Rússia e visam especialmente limitar a capacidade da Rússia de acessar moeda estrangeira e mercados de alta tecnologia. Uma série de sanções já foi imposta desde 2014, com a incorporação da Crimeia pela Rússia após o golpe apoiado pelos EUA em Kiev. Mais medidas provavelmente virão. Tomados em conjunto, os eventos dos últimos dois dias constituem uma ruptura profunda e histórica na ordem geopolítica existente e terão consequências em cascata nos próximos anos.

Uma tragédia evitável

Os combates mortais que ocorrem atualmente na Ucrânia são uma tragédia. Em qualquer guerra, a classe trabalhadora das nações envolvidas é quem suporta o peso das dificuldades e sofrimentos. De 1922 até a dissolução da União Soviética, os povos da Ucrânia e da Rússia viveram em paz. Eles eram parceiros de uma economia planejada socialista e juntos derrotaram a invasão fascista e nazista de 1941 ao custo de 27 milhões de vidas soviéticas. A contrarrevolução liderada pela burguesia que dissolveu a União Soviética separou os povos e as repúblicas. Essa animosidade e hostilidade que se seguiram foram o resultado previsível do fim do socialismo e do início da competição capitalista.

Embora não apoiemos a invasão russa, reservamos nossa mais forte condenação ao governo dos EUA, que rejeitou as preocupações legítimas de segurança da Rússia na região, com total intransigência que eles sabiam que poderia provocar tal guerra. Esta é a consequência de décadas de intimidação entre EUA e OTAN e humilhação da Rússia. O Partido para o Socialismo e a Libertação exige que o governo dos EUA e seus aliados na aliança militar imperialista da OTAN cessem imediatamente seu comportamento provocativo destinado a escalar a crise e fornecer garantias de segurança que possam ser a base para a restauração da paz – cuja pedra angular deve ser uma promessa para acabar com a expansão da OTAN. Isso é o que pode trazer alívio ao povo da Ucrânia.

Uma situação altamente explosiva vem se desenvolvendo na Europa Oriental não apenas nas últimas semanas e meses, mas há muitos anos. O que aconteceu ontem à noite e a terrível violência que estava por vir era evitável, mas as decisões tomadas pelas potências da OTAN em todos os momentos-chave desde o fim da Guerra Fria colocaram a região em rota de colisão que, mais cedo ou mais tarde, viria à tona.

Desde a dissolução da União Soviética e do campo socialista da Europa Oriental, a aliança militar imperialista da OTAN expandiu-se constantemente para o leste, absorvendo 14 estados anteriormente socialistas entre 1999 e 2020. Três desses países – Letônia, Lituânia e Estônia – eram ex-repúblicas da a própria União Soviética. Em 2008, uma guerra eclodiu entre a Rússia e a Geórgia, aliada do Ocidente, depois que as forças georgianas atacaram a região separatista pró-Rússia da Ossétia do Sul.

Em 2014, um golpe apoiado pelo Ocidente ocorreu na Ucrânia que substituiu o governo neutro de Viktor Yanukovych por um governo firmemente anti-Rússia. Este golpe criou as pré-condições essenciais para a atual crise e guerra. Não surgiu do nada nos últimos meses. Sob o governo Trump, os Estados Unidos se retiraram do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário e do Tratado de Céus Abertos, que eram pedras angulares da arquitetura de controle de armas da Europa.

Ações em outras partes do mundo agravaram as tensões. Em 2011, a OTAN executou a destruição da Líbia com base na resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU – que a Rússia permitiu passar com base em falsas garantias do Ocidente de que não seria usada para justificar uma operação de mudança de regime. Na mesma época, uma guerra civil eclodiu na Síria, um aliado próximo da Rússia. A Rússia interveio militarmente na Síria para impedir que as forças fundamentalistas reacionárias apoiadas pelos EUA tomassem o controle do país.

Um ponto de virada na política mundial

O discurso de Vladimir Putin na noite de ontem anunciando a invasão deixou claro que ele estava preparado para um confronto intenso e de longo prazo com o Ocidente. Começando com o bombardeio da OTAN à Iugoslávia em 1999, Putin listou uma série de ações agressivas do Ocidente e convocou todos os segmentos da sociedade russa – militares e não militares – a fazer sua parte na próxima mobilização, que sem dúvida envolverá profundas tumulto dentro da Rússia. A intenção de Putin parece ser mudar o equilíbrio de forças na Europa e virar a maré geopolítica com uma grande intervenção militar.

A situação dos russos étnicos, especialmente aqueles na região de Donbass, no leste da Ucrânia, contribuiu fortemente para o discurso de Putin, dirigido ao público russo. Putin se manifestou nos últimos dias sobre sua oposição à política soviética sobre nacionalidades e considera a criação da Ucrânia moderna um grave erro por parte de Vladimir Lênin. Como o PSL apontou em nossa declaração de 22 de fevereiro:

“[A] política promovida por Lênin foi a pedra angular da manutenção das relações pacíficas e da unidade entre os povos da União Soviética desde a Revolução Russa até o início do colapso da URSS. Ao organizar o novo Estado socialista segundo as linhas do direito à autodeterminação, Lênin estava dando um golpe no que foi chamado de “chauvinismo grão-russo” – a dominação do Estado russo e da nacionalidade russa no território do império russo justamente-derrubado. Juntamente com a transferência administrativa de territórios, essa era uma forma de garantir que os povos do recém-formado Estado socialista pudessem conviver em paz e igualdade, substituindo a dominação brutal característica do regime do Czar. O princípio da autodeterminação lançou as bases para a unidade multinacional que foi a base dos grandes sucessos da União Soviética – por exemplo, 4,5 milhões de ucranianos lutaram ao lado de russos para derrotar o fascismo na Segunda Guerra Mundial.”

Não há garantia de que o esforço da Rússia para reverter a situação geopolítica a seu favor seja bem-sucedido. Até agora, os eventos dos últimos dias permitiram ao imperialismo dos EUA garantir objetivos-chave. O crítico gasoduto NordStream 2 que teria trazido grandes quantidades de gás russo para o mercado europeu, não está mais em andamento. As tropas da OTAN foram e continuarão a inundar os membros do Leste Europeu da aliança, incluindo os países bálticos que compartilham uma fronteira com a Rússia. Ainda hoje, o Pentágono anunciou que estava enviando 7.000 soldados adicionais para a Europa. Embora a Rússia claramente pretenda instalar um governo amigável no poder em Kiev, o apoio público dentro da Ucrânia à adesão do país à OTAN – que nunca foi uma posição completamente dominante – sem dúvida aumentará após a invasão.

O conflito atualmente explodindo na Ucrânia e se espalhando por toda a região e pelo mundo inteiro é extremamente perigoso. As ações imprudentes e provocativas do governo dos EUA e seus aliados devem cessar imediatamente. A guerra econômica que está sendo desencadeada contra a Rússia – que afetará em primeiro lugar a classe trabalhadora do país – apenas aprofundará a crise, assim como o envio de tropas em qualquer lugar da Europa.

Reconhecer que a Rússia tem preocupações legítimas de segurança não requer um endosso de todas as suas ações militares, nem a sugestão de Putin de que a Ucrânia não tem base para existir como um país independente, nem suas estratégias geopolíticas mais amplas. O papel do movimento anti-guerra dos EUA não é seguir a linha dos países em conflito com o imperialismo dos EUA, mas apresentar um programa independente de paz e solidariedade e anti-imperialismo.

A ameaça de guerra só pode ser derrotada pela solidariedade internacional entre os povos do mundo e uma luta resoluta contra o imperialismo dos EUA, que deve exigir a abolição da OTAN. Nenhuma guerra à Rússia!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close