Criando a ‘Cuba da África’: a vida e a obra de Mohamed Babu

Por Benjamin Woods em 3 de julho de 2014

Tradução por Guilherme Henrique.


As ideias e habilidades de organização de Babu estiveram por trás da revolução de Zanzibar de 50 anos atrás. Grande pan-africanista e socialista, sua vida é uma inspiração para todas as pessoas que ousam resistir à opressão e ao imperialismo.

Em 2014, os pan-africanistas comemorarão dois eventos seminais na história do movimento de libertação africano: 1) o 50º aniversário da revolução bem-sucedida em Zanzibar e 2) o 90º aniversário de Mohamed Babu.

Embora tenha falecido em 1996, sua vida é uma excelente ilustração das conexões entre os diversos movimentos e figuras do Mundo Negro. Infelizmente, muitas das imensas contribuições de Babu aos movimentos pan-africanistas, esquerdistas e progressistas foram esquecidas. Isso é lamentável por conta de seu amor e compromisso duradouros com Zanzibar, o continente africano e a humanidade em geral.

Babu nasceu em 1924 em Zanzibar, uma pequena mas histórica ilha na costa leste da África. Desde a década de 1830, Zanzibar foi dominada por sultões de Omã, que eram intermediários durante a era do colonialismo britânico. Enquanto estudava no exterior em Londres, Babu foi atraído por ideias radicais da esquerda. Depois de retornar a Zanzibar, ele logo se tornou um líder do Partido Nacionalista de Zanzibar (ZNP), uma das organizações nacionalistas mais proeminentes da ilha.

Como secretário-geral do ZNP, ele promoveu uma ideologia socialista e construiu redes internacionais de organizadores negros e radicais. Por exemplo, em 1958, na conferência de fundação do Movimento Pan-Africano para a África Oriental e Central (PAFMECA), Babu foi eleito secretário. Mais tarde naquele ano, enquanto viajava para a histórica Conferência do Povo Africano em Accra, Gana, sua delegação teria um encontro casual com o futuro chefe de estado congolês e ícone pan-africano Patrice Lumumba em Leopoldville. Neste ponto, Lumumba estava isolado e praticamente desconhecido fora do Congo, mas o convite e o apoio de viagem fornecido pelo PAFMECA permitiram que ele se relacionasse com movimentos de libertação em toda a África. Lumumba mais tarde seria assassinado em um golpe apoiado pela CIA.

Uma vez na AAPC, Babu rapidamente se conectou com as forças mais radicais, como Frantz Fanon e a FLN da Argélia. Fanon, Babu e outros convenceram aqueles que alcançaram a independência usando métodos não violentos como Kwame Nkrumah de Gana que em algumas circunstâncias a luta armada é uma necessidade. O slogan oficial adotado para a conferência foi “Independência, por qualquer meio necessário.” Malcolm X e outros ativistas negros na diáspora ouviriam e popularizariam esse slogan.

Além disso, Babu era amigo íntimo e camarada de Malcolm X. Eles se encontraram pela primeira vez em julho de 1964 na segunda cúpula da Organização da Unidade Africana (OUA) no Cairo, Egito. Mais tarde, quando Malcolm visitou a Tanzânia, foi Babu quem o apresentou a outros funcionários do governo e quando Babu veio ao Harlem, Malcolm o apresentou à comunidade militante. Foram líderes africanos radicais, como Babu, que ajudaram a empurrar Malcolm para a esquerda após sua saída da Nação do Islã. Em seus últimos meses, Malcolm afirmava que “o sistema do capitalismo precisa de um pouco de sangue para sugar”, então não foi um choque para ele que “todos os países que estão emergindo hoje sob os grilhões do colonialismo estão se voltando para o socialismo”.

A organização internacional de Babu estava diretamente ligada ao seu trabalho político em Zanzibar. A oposição do ZNP era o Partido Afro-Shiriza (ASP), uma formação de direita apoiada pelos britânicos que usava o slogan “Uhuru Zuia” (kiswahili para “parar o movimento para a independência”). Embora Babu e outros tenham promovido uma plataforma anti-imperialista progressiva no ZNP, em meados de 1963 as forças reacionárias exacerbaram as tensões raciais de longa data entre africanos e árabes na ilha para ganhar vantagem na organização. Portanto, meses antes de Zanzibar conquistar a independência em dezembro de 1963, Babu cofundou o partido revolucionário socialista Ummah.

A criação do partido foi uma análise correta das condições potencialmente revolucionárias. Em 12 de janeiro de 1964, os jovens desempregados e oprimidos de Zanzibar se rebelaram espontaneamente. A liderança do Partido Ummah usou sua experiência de organização e treinamento em Cuba para ensinar táticas revolucionárias à juventude e ganhar a liderança da insurreição. O partido Ummah e os jovens descontentes tiraram o sultão do poder. Esta foi a primeira revolução bem-sucedida da África para derrubar o neocolonialismo.

Após esses eventos de mudança de jogo, Frank Carlucci, um funcionário do Departamento de Estado dos EUA, declarou abertamente que a política dos EUA era impedir que Zanzibar se tornasse a “Cuba da África, da qual a sedição se espalharia para o continente”. Quênia, Uganda e Tanganica alimentaram os temores dos EUA sobre uma conspiração comunista. Um memorando do Departamento de Estado dos EUA afirma que “nosso objetivo central é fortalecer Nyerere” (o novo presidente de Tanganica). Então, como os EUA esperavam, se não totalmente planejado, Nyerere pediu ajuda militar aos britânicos para acabar com os motins dos oficiais. Os EUA fundamentalmente pensavam que ele, Nyerere, era um líder que eles podiam controlar. Após várias reuniões privadas em maio de 1964, os EUA, Nyerere e líderes da ala direita em Zanzibar projetaram uma União Tanganica-Zanzibar.

O sindicato transferiu a maioria das principais decisões de política externa e interna para o território continental de Tanganica e para longe das forças revolucionárias que conquistaram o poder estatal em Zanzibar.

Embora Nyerere seja considerado um dos líderes de independência mais progressistas do continente africano, a História apresenta uma linha diferente. Ele promoveu uma marca única de “socialismo africano” baseado na noção de uma sociedade africana tradicional comunal e sem classes. Suas políticas econômicas de “autossuficiência” levaram a Tanzânia a ter um excedente de alimentos para importação. Babu, por outro lado, não via contradição entre o pan-africanismo e o socialismo científico. Para ele, o socialismo não se baseava em um passado tradicional africano ou mesmo na União Soviética, mas nas condições sociais da África contemporânea. Além disso, ao contrário de Nyerere que se associou ao gradualismo moderado no grupo de Monróvia, Babu apoiou a unificação imediata da África.

Após a união Tanganica-Zanzibar, ele foi nomeado para posições que, na sua opinião, eram impotentes no governo, principalmente para observá-lo. Ele e seus camaradas funcionaram como a esquerda dentro do governo da Tanzânia, moldando várias das políticas progressistas percebidas pelos regimes. Mas em 1972, após o assassinato do presidente de Zanzibar, Babu foi preso arbitrariamente pelo suposto progressista Julius Nyerere. Foi por causa de uma campanha internacional liderada por pessoas como o guianense pan-africano e lutador pela liberdade Walter Rodney, que Babu foi libertado depois de seis anos.

A vida de Babu é reflexo do método dialético que ele adotou em sua vida e obra. Seu trabalho político é um exemplo de alguém que encontrou uma unidade fundamental no que parece ser tendências opostas. Ele era um nacionalista de Zanzibar e um internacionalista convicto. Ele afirmou que o socialismo viria através da unidade africana e vice-versa. Ele era militante e intransigente, mas argumentou que os radicais tinham que lidar com as questões do pão com manteiga das pessoas. Em conclusão, uma das maiores lições de sua vida que devemos tirar está encapsulada nos slogans do 7º Congresso Pan-Africano que ele coorganizou em Kampala, Uganda em 1994: “Resistir à recolonização” e “Não agonize, organize-se!”.

Leitura Adicional

  1. Babu, A.M. 1981. African Socialism or Socialist Africa. London: Zed Press
  2. Ed. Salma Babu & Amrit Wilson. 2002. The Future That Works: The Selected Writings of A.M. Babu. Trenton, NJ: Africa World Press.
  3. Campbell, Horace. “Abdulrahman Mohammed Babu 1924-1996 A Personal Memoir” African Journal of Political Science (1996), Vol. 1 No. 2, 240-246.
  4. Wilson, Amrit. 1989. US Foreign Policy and Revolution: The Creation of Tanzania. Winchester, MA: Pluto Press.
  5. __. “Abdul Rahman Mohamed Babu: Politician, Scholar, and Revolutionary” The Journal of Pan African Studies, vol. 1 No. 9, August 2007.
  6. __. 2013. The Threat of Liberation: Imperialism and Revolution in Zanzibar. New York: Pluto Press.

Benjamin Woods é doutorando na Howard University e cofundador da Students Against Mass Incarceration.

Um comentário em “Criando a ‘Cuba da África’: a vida e a obra de Mohamed Babu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close