Colocando o “Neon” em “Neo-Nazi”: A Apropriação do Vaporwave pela Extrema-Direita

Não é novidade que a chamada “alt-right” ama os clássicos. Isso não acontece somente nos EUA – na Holanda, o recém eleito político e favorito da extrema-direita Thierry Baudet fez o seu discurso de posse em “Latim”. Embora a alt-right seja espalhada e fragmentada, o gigante número de referências clássicas em seus memes, textos e músicas – vamos falar sobre suas músicas logo mais – parece ser uma estratégia consistente: (ab)usando os clássicos, dá-se ao movimento um ar de realização intelectual e um senso de tradicionalismo.

Como Mary Beard apontou, o discurso de posse do Sr. Baudet é um bom exemplo de como é baixa, bagunçada, factualmente, e nesse caso gramaticalmente errada a aproximação da extrema-direita em relação aos clássicos em muitos casos – mais ainda há um perigo bastante real aqui. O discurso do Sr. Baudet não foi apenas um discurso, mas um discurso num parlamento, onde seu partido agora tem duas cadeiras (de um total de 150). E não vamos nem nos adentrar no nível de poder político e organizacional que esses (em sua maioria jovens) homens tem demonstrado nos EUA.

Apesar de sua aparente impotência intelectual, a extrema-direita explodiu diante do olhar público – e eles fizeram isso pelo uso sem descanso de imagens. Como Angela Nagle argumenta em seu recente livro “Kill All Normies”, o foco na mídia e na cultura em vez da política formal é o que deu a extrema-direita tanto poder sobre as mentes e corpos de homens jovens. Então é importante analisar como o simbolismo clássico está sendo apropriado por este movimento: para mostrar como as imagens antigas podem ser escorregadias, e para explorar o que tem os Clássicos que mantém a extrema direita voltando a isso.

Deste modo, eu quero mostrar o caratér ideológico de símbolos clássicos ao discutir sobre um micro-gênero musical chamado fashwave (sim, o fash vem de fascismo). Um importante aspecto deste gênero é o uso de estátuas clássicas nas suas artes.

1
A logo do site The Daily Stormer por um determinado tempo

O termo “fashwave” aparece pela primeira vez no final de Agosto de 2016, não muito tempo depois de um post no site bastião da extrema-direita The Daily Stormer (que está fora de ar) feito pelo editor Andrey Anglin. O post se intitulava “A Trilha Sonora Oficial da Extrema-Direita”, Anglin escreve:

“Já faz alguns anos, que viados irritantes tem me importunado, “Anglin, seu idiota burro e estúpido – como diabos você pode ter um movimento político sem uma trilha sonora?” […] Todo movimento político que sucedeu na história tem sido associado com especificas formas de arte e música, criando uma semi-oficial estética para a sua ideologia.”

Anglin está procurando uma “estética para a sua ideologia”, um Wagner da extrema-direita do século 21. Ele cuidadosamente evita o rock e o punk – porque eles estão muito fora de moda – mas não quer nada com os “ritmos africanos” que, de acordo com ele, caracterizam muito da música contemporânea. Eventualmente ele chega na seguinte conclusão:

No final, a solução para esse problema estava me encarando o tempo todo. A música mais Branca de todos os tempos: o Synthwave.

Este post marca o inicio de um casamento profano entre a extrema-direita e as músicas da internet inspiradas pelo synthwave. O gênero chamado “synthwave” por Anglin logo seria chamado de “fashwave”.

Artistas fashwave tem nomes como CYBERNAZI, e suas músicas tem títulos como “Righ Wing Death Squads” (Esquadrões da Morte de Direita), “Germania.exe”, “Gas the Xenos, Galactic War Now!” Sem surpresas, essa músicas são absolutamente terríveis. Alguns fashwaver, apesar de esforços para fazerem suas músicas se tornarem acessíveis, revertem os tons agressivos e os ritmos trabalhados que caracterizaram as outras músicas fascistas do passado. Outros, esforçam-se desesperadamente pela acessibilidade, mas acabam produzindo músicas completamente sem imaginação e bregas (como um vocal repetido de Trump sob uma batida de um cavalo galopando).

Mesmo assim, o fato de que eu posso ouvir uma música com o titulo “A Mente Caucasiana” sem sentir uma imediata repulsão física somente da música – impossível de evitar ao ler os títulos ou os comentários dessas músicas – é significante. O fascismo contemporâneo está tentado se tornar popular, até mesmo legal, e está utilizando de todos os tipos possíveis de elementos culturais para chegar a seu objetivo.

Como em outros movimentos musicais da internet, as artes do fashwave tem um papel importante na sua mensagem principal que quer transmitir; essas imagens são chamadas de “estética” e elas podem te lembrar de outro gênero musical chamado “vaporwave”, o qual tomou a internet em um tsunami alguns anos atrás. Fashwave emergiu desse hype pelo vaporwave e a mensagem por trás de sua estética é melhor entendida quando colocada contra seu predecessor. Eu irei explicar a estética musical e visual do vaporwave para melhor compreender o modo em que o fashwave se apropria dos clássicos.

2

3.jpeg
A estética fashwave

“Vaporwave” é uma mistura de “synthwave” com “vaporware”, o ultimo se referindo ao termo do mundo dos negócios, onde os produtos foram todos anunciados, mas nunca liberados para a venda. Na internet você irá achar descrições do gênero como “chillwave para marxistas”, “música pós-elevador”, “jazz tranquilo corporativo com um pouco de Windows 95” e “música de shopping pós-apocaliptico”. A musica em si tem uma grande influencia de samples tirados de muzak, músicas de elevador e jazz dos anos 80 e 90. Esses samples normalmente são alongados, tem sua velocidade diminuída e repetida, complementada com sintetizadores brilhantes e uma batida de computador que falha as vezes. É em grande parte instrumental, embora algumas músicas tenham vocais.

O efeito global é animador, mas alienante; é como entrar numa memória fragmentaria de um amor millenial pelo inicio da era digital, com o capitalismo globalizado dos anos 90, e a transmissão em alta definição para uma TV widescreen em Tóquio. É puramente cafona, sem muita autenticidade e até meio estranha, mas ao mesmo tempo (e por estas mesmas razões) é descaradamente satisfatório. Adam Harper, musicologista na Universidade de Londres e um expert nas músicas progressistas do século 20 e 21, em um artigo sobre a estética desse gênero musical da internet comentou “Esta Música da Internet vai Fritar o seu Cérebro”, ligando a experiência de ouvir vaporwave a de estar submetido ao efeito do “vale estranho”: o ponto em que robôs humanoides parece quase iguais a humanos – mas a semelhança incompleta te deixa horrorizado. Uma boa introdução ao gênero é o álbum Floral Shoppe (2011) de Macintosh Plus (pseudônimo de New Dreams Ltd. e Vektroid), reconhecido por ser o álbum que definiu o gênero.

1 uYeWAx7nZUClk1g1HBw38A.jpeg
A capa do álbum Floral Shoppe.

Se você pesquisar “estética vaporwave” no Google irá encontrar uma miríade de variações sobre o mesmo tema, descrita de modo certeiro por um comentarista enquanto “uma obsessão com as subculturas dos anos 80 e 90; usando a art glitch, design gráfico em seu início, bustos romanos, e uma fascinação com as paisagens tropicais e a cultura japonesa”. Outros temas frequentes são as luzes de neon, computadores antigos, arranha-céus, palmeiras de baixa reolução e o oceano. Artistas tem seus nomes como “VECTOR GRAPHICS” ou “PrismCorp Virtual Enterprises”; suas músicas se chamam “Palm Tress, Wi-fi e Dream Sushi” ou “ECCO と悪寒ダイビング.” Harper descreve esse efeito no geral: “como um resultado deste paratexto, cada produção vaporwave, normalmente mais que um arquivo zip ou um download gratuido do Bandcamp ou Soundcloud, é apresentado como se fosse uma otimista e quase propagandística ajuda a vida tecnológica.”

4.jpeg
A estética vaporwave

Mas isso é uma homenagem que cheira muito a uma sátira – os vaporwavers parecem um pouco felizes de mais com a sociedade moderna. E realmente, alguns artistas do vaporwave são explicitamente críticos do capitalismo; Robin Burnett (aka INTERNET CLUB) e James Ferraro (aka Bebetune$; Bodyguard; Cruisin’ The Nightbiker Strip 1977; D.M.T.; Demon Channels; Dreams; Edward Flex; Excel; K2; Lamborghini Crystal; Liquid Metal; Nirvana; Peyote Way; Splash; Suki Girlz; and Wave Rave), por exemplo, tem afirmado que suas musicas podem ser vistas como uma reflexão crítica sobre o consumismo.

1 1Fzjx9V50C1tUOaHV84uDw.jpeg
A estética vaporwave.

Entretanto, sua crítica não funciona somente pela ironia: os melhores álbuns vaporwave (em adição ao já mencionado Floral Shoppe e contando o álbum Far Side Virtual de James Ferraro) não são somente parodias, porque músicas puramente irônicas são difíceis de ter qualquer tipo de diversão ao serem escutadas. Nessas paisagens sintetizadas, com o neon iluminando através de plantas tropicas e o Windows 95 se iniciando com seu som clássico, há uma declaração positiva. Como Harper escreve em um diferente artigo: “[Artistas vaporwave] deixam fluir a música que lubrifica o Capital, abrem a porta para uma monstruosa alienante sublime, virada distopia dentro de uma utopia e vice-versa, e deseje você não gostar”. Essa “virada” – o fato de que é uma homenagem, mas ao mesmo tempo uma critica do capitalismo – é uma parte essencial do vaporwave.  Tendo essa dupla natureza porque, como Harper coloca, o vaporwave é aceleracionista:

Nós podemos aplicar a sua música um termo que é utilizado para descrever certos sentimentos e práxis que tem ganhado recentemente um uso continuo por filósofos do capitalismo: aceleracionismo. Aceleracionismo é a noção de que a dissolução da civilização que será feita pelo capitalismo não deve e não pode ser resistida, mas sim que deve ser puxada cada vez mais rápido e rápido até a insanidade e a violência anárquica que é a sua conclusão última, tanto porque é libertadora, como também pode causar uma revolução, ou porque a destruição é a única resposta lógica.

Em vez de resistir a tecnologia, a globalização e a financeirização, o vaporwave tenta “acelerar” os símbolos culturais do capitalismo tardio. De mesmo modo, esses pensadores aceleracionistas colocam que o capitalismo, tem sido sempre o motor do progresso e da aceleração, e que agora ele já é muito devagar e um obstáculo para o progresso, esses artistas afirmam que o potencial cultural máximo da Coca-Cola, do Skype e da Apple ainda estão na frente de nós. Ironia não é (necessariamente) uma parte dessa estratégia, porque não é tanto uma tentativa de zombaria quanto uma tentativa de pegar o que é libidinal ou sensual no capitalismo – aquelas coisas que são sensações boas – e implantá-las em uma crítica.

Nas artes vaporwave, estátuas clássicas são adicionadas a uma aura de kitsch e maximalismo que é chave para sua mensagem. Justapostas com signos japoneses, elas ridicularizam o fato de que já foram exploradas pela ideia de um tradicionalismo cultural – não há um passado nostálgico no mundo vaporwave, há apenas um futuro fluído.

Numa primeira vista, a arte do fashwave retém o aspecto geral das imagens vaporwave: nós podemos ver as palmeiras, as cores neon, as estátuas antigas, etc. Mesmo assim, as imagens do fashwave são instantemente reconhecíveis e enviam uma mensagem completamente diferente, uma diferença que se mostra muito no modo em que eles utilizam as imagens clássicas.

1 ZBqnVlhKozZEM2xs-JD1Aw.png
“Defenda o Ocidente” diz a imagem.

Em primeiro lugar, as estátuas do vaporwave são geralmente de gênero ambíguo (por exemplo, a cabeça de Alexandre, o Grande, como Helios, no século II dC, na capa da Floral Shoppe) e têm expressões faciais ambíguas. Fashwave, ao contrário, usa estereótipos de gênero; estátuas heróicas de homens fortes (Nero e Augusto são muito populares) ou mulheres voluptuosas (as Graças), com ênfase nos músculos masculinos e na nudez feminina. Um bom exemplo disso é o videoclipe da música “fashwave”, de AutoTron, consistindo completamente de uma montagem de tais estátuas (tiradas do filme de propaganda de 1938 de Leni Riefenstahl, “Olympia”, a propósito), banhadas em neon vermelho. (Eu não vou linkar para ele aqui, mas você pode encontrá-lo no Youtube.)

Além do gênero, a cor das estátuas também desempenha um papel ideológico. Como Sarah Bond argumentou em um texto lançado em Junho passado, a brancura das estátuas clássicas influenciou os ideais de beleza desde Winckelmann, e a maneira como (quase todos) os museus exibem estátuas clássicas – ou seja, sem qualquer indicação de sua aparência multicolorida original influencia ideias contemporâneas de supremacia branca. É difícil encontrar um exemplo melhor para a tese de Bond do que a arte da fashwave.

1 SD3JJCfU_2siq1BsWMyEpQ.png
“Responsabilidade é fascismo” diz a imagem.

Por fim, os signos japoneses são substituídos por slogans belicosos em inglês (“Reclaim the future”, “War is coming”, “Long live Europa” ou “Identity Evropa”) ou, com bastante frequência, termos gregos e latinos (“ἀρετή, ” “invicto”). Para os fashwavers, a re-mistura visual da antiguidade evidentemente não se refere à mistura de culturas. Os termos que eles usam adicionam a um suposto senso de afinidade entre as virtudes políticas dos antigos e os de uma futura sociedade fascista, da mesma forma que fascistas e nazistas olhavam para Roma e Atenas em busca de uma herança clássica para sua ideologia Blunt-und-Boden (Sangue e Solo).

A dívida que o Fashwave tem do Vaporwave, sua base a partir dele, é um excelente exemplo do que Angela Nagle comentou sobre a extrema-direita e a sua “capacidade de assumir a estética da contracultura, transgressão e inconformismo” (P. 28). A expressão do Vaporwave enquanto uma contracultura militante – seu potencial crítico – está, nas palavras de Adam Harper, na “profunda ambivalência desta pop-art potencialmente aceleracionista [que] nos pergunta se aceitamos ou rejeitamos a imagem do futuro, e de fato do presente, que está sendo evocada”.

O Fashwave está tentando transformar essa contracultura de cima pra baixo, e isso foi feito quase exclusivamente ao mudar as utilização de suas imagens clássicas. Para a extrema-direita, os clássicos desempenharão um papel cultural central no movimento em direção a uma distopia altamente conservadora e de extrema-direita, onde a terrível música eletrônica será a menor de nossas preocupações.


Artigo escrito por Jim Lemmens para a revista Eidolon.

Originalmente disponível neste link.

Tradução por Andrey Santiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close