Subjetivismo e Subjetividade por Carl Ratner

O subjetivismo é uma certa maneira de conceituar a subjetividade. Subjetividade é o que nos torna sujeitos, e não objetos. A subjetividade inclui processos denotados pelos termos mental, mente, consciência, experiência, agência, vontade, intencionalidade, pensamento, sentimento, lembrança, interpretação, compreensão, aprendizado e psique. Esses processos subjetivos compreendem a atividade dos sujeitos. Sem subjetividade, seríamos apenas objetos físicos desprovidos de atividade.

A subjetividade é compreensível se observarmos como ela se desenvolve na escala filogenética. O comportamento dos animais inferiores é desprovido de subjetividade. É uma associação direta e imediata de uma resposta a um estímulo. A resposta é determinada por um programa biológico conhecido como instinto. Animais mais avançados desenvolvem progressivamente processos subjetivos que mediam entre estímulos e respostas e determinam cada vez mais a resposta do animal a estímulos. A subjetividade atinge sua forma mais elevada nos seres humanos que pensam, planejam, lembram, sentem, sonham, imaginam, antecipam, simbolizam, decidem, compreendem, aprendem e iniciam ações em um nível muito mais sofisticado, complexo e ativo do que qualquer animal. As funções subjetivas determinam como reagimos aos estímulos. Os próprios estímulos não determinam diretamente nossa reação, como nos organismos inferiores.

Para que a subjetividade possa mediar estímulos, deve ser diferente deles. Isso justifica examiná-los como uma ordem particular das coisas, um fenômeno distinto. É isso que o subjetivismo faz. Examina a interioridade da subjetividade, os processos ativos que são subjetivos e que determinam o comportamento.

O subjetivismo é uma concepção de subjetividade. O subjetivismo interpreta a subjetividade como o produto do sujeito ou indivíduo. Nessa visão, o que pensamos, imaginamos, sentimos, lembramos, esperamos, entendemos e nos esforçamos é inteiramente o produto de nós mesmos. A subjetividade pode utilizar coisas mundanas, mas sempre em seus próprios termos, para seus próprios propósitos, de acordo com seus próprios processos e leis.

O subjetivismo nas ciências humanas e sociais

O subjetivismo tem sido a visão dominante da subjetividade em muitos campos de estudos.

René Descartes e o Bispo Berkeley expressaram a noção central de subjetivismo. Descartes propôs que a mente é distinta do corpo e do mundo e é um reino próprio. Berkeley expressou isso em sua declaração clássica de que o mundo é como eu o vejo. Minha percepção não representa o mundo. Pelo contrário, o mundo é uma expressão da minha subjetividade. Os processos e princípios de minha subjetividade determinam como eu vejo o mundo; o mundo não influencia minha percepção dele. A direção é inteiramente de dentro da minha mente para o mundo exterior.

Immanuel Kant propôs similarmente que a subjetividade não pode conhecer o mundo porque os dois são domínios separados. A subjetividade contém suas próprias leis intrínsecas, como princípios éticos, que estruturam a percepção do mundo sobre a pessoa.

As discussões históricas, especialmente a história intelectual, geralmente apresentam eventos como o desdobramento de idéias que são livremente decididas pelas pessoas. Ouve-se que “a perspectiva predominante mudou de um foco na construção nacional para uma perspectiva mais internacional”. Filosofias, conceitos legais e costumes do casamento são considerados exclusivamente enraizados no pensamento, percepção, desejos, motivação e raciocínio, além de condições, estruturas e recursos.

O subjetivismo também é uma forte tendência em um ramo da sociologia conhecido como micro sociologia. Erving Goffman proclamou seu trabalho como micro-sociológico, porque estudou as interações sociais face a face. Ele definiu como ambientes interpessoais, cara a cara. Seu trabalho não é sobre organização social e estrutura social, que são as preocupações tradicionais dos sociólogos. Anthony Giddens explica perceptivamente que a principal preocupação de Goffman ao longo de seus escritos envolve indivíduos que prestam atenção diretamente ao que o outro está dizendo e fazendo durante um determinado segmento de tempo. Mesmo quando os indivíduos são membros do grupo, suas interações devem ser entendidas em termos de um encontro interpessoal imediato, não em termos de pertencer ao grupo.

Goffman não está interessado, por exemplo, no papel de um médico em relação à comunidade médica em geral. Seu foco em encontros face-a-face o leva a se concentrar em dinâmicas interpessoais como contato mútuo dos olhos, espaço corporal e detalhes (≥movimento≤) da ação da conversa, como turnos (tempo), silêncios e volume de fala. Essa análise de conversas carece de uma relação com a existência de instituições sociais, incluindo as relações de poder de quem as possui e controla.

O subjetivismo também é característico de muitas doutrinas espirituais. O Yoga Hindu, por exemplo, é um método sistemático de posturas físicas e exercícios respiratórios para ajudar a concentrar os pensamentos em um único objeto, a fim de reduzir sistematicamente a diversidade e a taxa de fluxo de pensamentos até que ele pare. Nesse estágio, diz-se que um praticante de técnicas de Yoga retira a atenção do objeto dos pensamentos para o próprio pensamento e para o auto-sujeito no centro do universo da experiência. Chamar a atenção completamente para o eu como sujeito simboliza o subjetivismo.

Subjetivismo em Psicologia

O subjetivismo assume várias formas na disciplina da psicologia.

Jerome Bruner acredita que cultura é significados simbólicos. Ele diz que as realidades sociais não são peças sobre as quais tropeçamos ou machucamos quando as chutamos, mas os significados que alcançamos através do compartilhamento das cognições humanas. No mundo de Bruner, não encontramos e não somos feridos por exércitos, guerras, desigualdades, abusos, exploração, poluição, aquecimento global, poder, pobreza, riqueza, doença, banco mundial, congresso, CIA, cotas de imigração, restrições de emigração ou prisões. Essas não são coisas reais “lá fora no mundo” que nos afetam diretamente. São simplesmente significados que são negociados através da comunicação interpessoal. Podemos facilmente mudar esses conceitos simplesmente renegociando-os com nossos colegas.

Reduzir a realidade social a significados simbólicos é subjetivismo, porque constrói a experiência subjetiva como um domínio independente.

Jaan Valsiner adota uma visão subjetivista da agência. Anteriormente um defensor da psicologia sócio-histórica de Lev Vygotski, ele agora afirma que a cultura é um conjunto de “sugestões” que os indivíduos podem aceitar, rejeitar ou modificar livremente como desejarem. Valsiner substitui a psicologia sócio-histórica por uma nova formulação chamada “co-construcionismo”. Em contraste com a psicologia sócio-histórica que interpreta o indivíduo como profundamente afetado pela cultura, o co-construcionismo concede primazia à decisão do indivíduo sobre como lidar com a cultura. Reconhecendo que sua nova posição é uma rejeição generalizada da psicologia sociocultural, Valsiner diz que a lógica do argumento que sustenta a relevância do ambiente social no desenvolvimento humano é invertida no paradigma co-construcionista. De acordo com o novo paradigma, “a maior parte do desenvolvimento humano ocorre por meio da ignorância e neutralização ativas da maioria das sugestões sociais às quais a pessoa está sujeita na vida cotidiana” (Valsiner, 1998, p. 393, ênfase no original).

Valsiner ainda afirma que os bebês constroem seus próprios objetivos pessoais. Eles utilizam a cultura como um meio instrumental para alcançar seus próprios objetivos; eles não se adaptam à cultura estabelecida como os cientistas sociais acreditavam anteriormente.

Subjetivismo em Metodologia Qualitativa

O subjetivismo domina a metodologia qualitativa. Ele interpreta as interações entre pesquisador e sujeitos (por meio de entrevistas em particular) e a interpretação ativa dos dados – que são características centrais da pesquisa qualitativa – como uma licença para o livre exercício de processos subjetivos. O sujeito é livre para expressar qualquer idéia subjetiva que desejar, e o pesquisador é livre para interpretar subjetivamente os dados.

A tendência subjetivista na pesquisa qualitativa (que é contrariada por uma tendência objetivista descrita no verbete sobre objetivismo) afirma que o mundo, incluindo o mundo psicológico dos sujeitos, é incognoscível. Consequentemente, o pesquisador constrói uma impressão do mundo como ele ou ela, sem considerar se essa impressão subjetiva corresponde a qualquer realidade além. A subjetividade do pesquisador é um mundo em si, que é a definição clássica de subjetivismo. Validade e objetividade são questões irrelevantes aqui, assim como a metodologia. Não faz sentido desenvolver uma metodologia rigorosa para apreender e medir a realidade psicológica porque ela simplesmente não existe. A pesquisa qualitativa, nessa visão, consiste em pesquisadores desenvolvendo e comparando seus próprios relatos de psicologia.

Essa abordagem subjetivista da pesquisa qualitativa é expressa pela afirmação do construcionismo social/pós-modernismo de Ken Gergen: “Não há como declarar que o mundo está lá fora ou é refletido objetivamente por um ‘aqui dentro'” (Gergen, 2001, p. 805 )

O construcionista não está, então, interessado na verdade como resultado científico – ou pelo menos na verdade com um “T” maiúsculo – uma rede proposicional universal ou transcendente. Pode haver verdades locais, estabelecidas dentro de vários campos científicos, dentro das várias comunidades da humanidade, e essas certamente devem ser honradas de acordo com as tradições dessas comunidades. No entanto, o futuro bem-estar da comunidade mundial depende de facilitar o diálogo entre essas tradições locais. Declarações da verdade além da tradição são, nesse sentido, um passo em direção à tirania e, finalmente, ao fim da comunicação (Gergen, 2004).

Dizer a verdade, por esse motivo, não é fornecer uma imagem precisa do que realmente aconteceu, mas participar de um conjunto de convenções sociais …Ser objetivo é seguir as regras de uma dada tradição de práticas sociais. Fazer ciência não é espelhar a natureza, mas participar ativamente das convenções e práticas interpretativas de uma cultura específica. A principal questão que deve ser feita aos relatos científicos, portanto, não é se eles são fiéis à natureza, mas o que esses relatos … oferecem à cultura de maneira mais geral “(Gergen, 2001, p. 806).”Um empirismo pós-moderno substituindo o “jogo da verdade” por uma pesquisa de teorias e descobertas culturalmente úteis por um significado cultural significativo (ibid., p. 808). Argumentos sobre o que é realmente real são fúteis (ibid., P. 806).

Uma vertente do feminismo amplifica isso repudiando a noção de um mundo real de fenômenos que podem e devem ser objetivamente apreendidos. Em vez disso, a ciência é equiparada à subjetividade dos pesquisadores. Essas feministas denunciam a objetividade científica como nada além de uma ideologia política promovida pelos homens para oprimir as mulheres. Por exemplo, Liz Stanley e Sue Wise (1983, p. 169) afirmam que a objetividade é “uma desculpa para um relacionamento de poder tão obsceno quanto o relacionamento de poder que leva as mulheres a serem agredidas sexualmente, assassinadas e tratadas como meros objetos. O ataque em nossas mentes, a remoção da existência de nossas experiências como válidas e verdadeiras, é igualmente questionável”. Stanley & Wise concordam com a posição de Gergen de que “existem muitas versões (muitas vezes concorrentes) da verdade. Qual, se houver, ‘a’ verdade é irrelevante. E mesmo que exista ‘verdade’, isso não é demonstrável (Stanley & Wise, 1983). Essa posição é subjetivista porque coloca a subjetividade dos pesquisadores no centro das coisas e nega os fenômenos mundanos à parte da subjetividade do pesquisador.

O subjetivismo na pesquisa qualitativa também aceita relatos subjetivos de sujeitos sobre sua psicologia como objeto de pesquisa. O objetivo é validar interpretações, significados e entendimentos subjetivos. Esta linha de pesquisa não procura explicar os relatos subjetivos dos sujeitos em termos de influências externas. Pois isso negaria originalidade e agência à subjetividade dos sujeitos. Essa linha de pesquisa também não procura avaliar os relatos subjetivos dos sujeitos, comparando-os com outras fontes de informação – como os relatos de outras pessoas sobre o mesmo fenômeno psicológico. Pesquisas subjetivas não comparariam o relato de uma criança de sua experiência com o relato de seus pais – por exemplo, a criança diz que estava infeliz há cinco anos e se ressentia dos pais, enquanto os pais mostram fotos da criança parecendo muito feliz com eles. Pois esse tipo de comparação também desafiaria a originalidade e a agência do relato subjetivo do sujeito. Pode provar que o sujeito interpretou mal sua experiência ou algum outro evento. Dados externos são evitados pela pesquisa subjetivista porque transcendem a pura subjetividade do agente.

A etnometodologia de Howard Garfinkel, por exemplo, abstém-se de julgar as declarações das pessoas quanto à sua precisão, adequação, valor, importância, necessidade, praticidade, sucesso ou consequências. Refere-se apenas a condições externas a indivíduos quando o fazem. Se os sujeitos não mencionarem condições sociais, eles não serão apresentados pelo pesquisador. Assim, mesmo se uma pessoa se encaixa objetivamente na categoria de classe baixa (por causa de sua educação, ocupação, renda, origem familiar), ela deve ser considerada como classe média se é assim que ela se vê subjetivamente.

Essas características da pesquisa subjetivista são ilustradas em um estudo de Dorothy Holland sobre as maneiras pelas quais as universitárias experimentam o amor romântico. A partir de entrevistas, ela relata que algumas meninas perseguem o amor romântico com entusiasmo, enquanto outras são ambivalentes e outras o rejeitam. Uma garota, Sandy, procurou o amor romântico, mas teve problemas para estabelecer o tipo de relacionamento que queria com os homens. Ela também aprendeu que um namorado em potencial de volta para casa estava envolvido com outra pessoa. Então, ela se interessou mais por amizades e desenvolveu uma amizade especial com uma pessoa. Outra garota, Karen, tentou se tornar mais atraente, sugerindo ao namorado que ela tinha muitos outros pretendentes. Holland explicou essas estratégias com base nos processos de tomada de decisões pessoais que os sujeitos empregaram: essas estratégias foram aquelas que as próprias mulheres improvisaram ou decidiram usar. Holland explica as abordagens dos sujeitos ao amor como decorrentes de traços pessoais, como a identificação deles mesmos como inclinados e habilidosos romanticamente. Ela não indica razões sociais, modelos, valores ou práticas que possam ter influenciado os sujeitos a adotar essas estratégias para lidar com o amor.

A análise do discurso, ou psicologia discursiva, é outra abordagem de pesquisa fortemente subjetivista. Geralmente, trata da fala como construções espontâneas que refletem a agência individual e constituem a subjetividade. Isso é subjetivista porque interpreta a subjetividade e o discurso como mundos criados espontaneamente em si mesmos, sem influência de eventos externos. De fato, os fenômenos sociais são tratados como produtos discursivos; o discurso não é considerado como denotando eventos mundanos. Cultura e psicologia são criadas pelas pessoas enquanto elas falam; eles não dominam as pessoas e as influenciam. Enquanto certos analistas do discurso vinculam o discurso a influências culturais, muitos o tratam como um processo inteiramente subjetivo, livre de influências ou avaliações externas.

Avaliação do subjetivismo

O subjetivismo contribui para a nossa compreensão da subjetividade/psicologia humana, porque enfatiza o papel ativo que estes desempenham na geração de comportamento. O subjetivismo nos impede de considerar as pessoas como respostas mecânicas e vazias a estímulos – como pressupõe o behaviorismo, o positivismo e a inteligência artificial. O subjetivismo corrige a tendência generalizada da psicologia de associar mecanicamente variáveis ​​independentes e dependentes, sem levar em consideração a interpretação ativa, a compreensão e a antecipação dos sujeitos. Também corrige o reducionismo social – discutido na entrada do objetivismo – que reduz a psicologia às estruturas sociais.

No entanto, essa contribuição do subjetivismo tem um preço. Enfatizar a atividade subjetiva de maneira tão forte e exclusiva ignora as influências sociais e naturais na subjetividade/psicologia.

O subjetivismo evita o critério de validade (objetividade e verdade). Isso é perigoso porque a invalidação da noção de validade impede a invalidação de concepções e conclusões inválidas. A invalidação da validade valida a invalidez.

Um equilíbrio pode ser alcançado reconhecendo a atividade da subjetividade, juntamente com as restrições sociais que a moldam. Por exemplo, na formação da identidade pessoal, os indivíduos são altamente ativos no processo de criação de si mesmos; no entanto, os materiais disponíveis para escrever a própria história são uma função de nossas noções públicas e compartilhadas de personalidade. Os relatos americanos do eu envolvem um conjunto de idéias e imagens que confirmam a cultura, de sucesso, competência, habilidade e necessidade de “se sentir bem”. Embora fazer um eu pareça ser uma busca individual e individualizante, é também coletivo e coletivizador.

Influências culturais, conteúdo e função podem ser vistos nos fenômenos psicológicos. Eles podem ser vistos na abordagem de Karen ao amor que Holland relatou anteriormente. A estratégia de Karen de aumentar sua atratividade exagerando seu apelo a numerosos homens tem uma semelhança impressionante com um princípio da economia de livre mercado – ou seja, que o aumento da demanda eleva o valor de uma mercadoria. Os empresários costumam exagerar a demanda por um produto para aumentar sua atratividade e aumentar seu preço. Os funcionários costumam exagerar o número de ofertas de emprego que têm, ou poderiam ter, para aumentar o valor de seus salários. Da breve descrição de Holland, Karen evidentemente importou essa prática comercial comum em seu mundo pessoal de amor romântico.

A subjetividade é permeada pelo conteúdo cultural, não é um domínio independente. Isso decorre do fato de que a subjetividade é orientada para o mundo e carregada de conteúdo mundano. A subjetividade aprimora a compreensão do mundo sobre o organismo e sua capacidade de planejar ações efetivas dentro dele. Uma subjetividade autônoma que se criou exnihilo sem nenhuma base ou consideração pelo mundo, seria de pouca utilidade para o organismo.


Texto originalmente publicado na página Marxoletrismo – Marxismo, Linguística & Psicologia.

Via: http://www.sonic.net/~cr2/subjectivism.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close