O dia em que tentaram assassinar Lênin

Пин от пользователя Anastasia на доске Изобразительное искусство СССР |  Портрет, Враги народа, Изобразительное искусство

Na foto, Lênin sendo socorrido por seu motorista Stepan Kazimirovich Gil, após a tentativa de assassinato ocorrida em 30 de agosto de 1918.

A seguir está o trecho do livro de Gil intitulado “Seis Anos com Lênin“, publicado originalmente em russo.


Na primeira metade de março de 1918, o governo soviético mudou-se de Petrogrado para Moscou.

Nos primeiros meses, Vladímir Ilich às vezes se entregava ao prazer: depois de um dia agitado, sozinho, sem proteção, ele caminhava pelas ruas de Moscou que haviam se acalmado da agitação.

Um dia, à meia-noite, Lênin foi ao dentista em Chistye Prudy. Saindo do carro, ele me disse:

– Vá para casa, não preciso do carro.

Mas eu não fui embora e, ficando à distância, esperei por Ilich. Logo ele saiu e, sem me notar, caminhou lentamente pela rua Myasnitskaya (agora Kirovskaya) em direção ao Kremlin. Eu o segui à distância, sem perdê-lo de vista.

Vladímir Ilich estava andando pela rua, olhando em volta, parando nas vitrines das lojas, vendo os anúncios e os pôsteres teatrais. Os transeuntes não o notavam.

Dois homens pararam e ouvi uma voz:

– Olhe – não tem como ser Lênin! – Por Deus, é Lênin!

E Vladímir Ilich continuou andando e andando devagar. Assim, ele alcançou os portões do Kremlin e desapareceu na escuridão.

No dia seguinte, ele compartilhou suas impressões sobre a caminhada noturna do dia anterior: deu sua caminhada com prazer.

Era 1918. Foi uma época muito perturbadora. A Rússia Soviética vivia uma vida febril e extremamente estressante – a vida do país no primeiro ano da maior revolução do mundo.

Havia uma grande fome no país. Depois que a guerra imperialista acabou, uma guerra civil eclodiu. Os operários e camponeses, cansados ​​e famintos, lutaram nas frentes, defendendo com seu seio as conquistas da Grande Revolução Socialista de Outubro contra os exércitos contrarrevolucionários dos intervencionistas. Os Guardas Brancos jogaram bombas pela esquina, encenaram levantes, tentativas de assassinato. Suas balas acabaram com a revolução de Volodarsky e Uritsky.

Naquela época, Vladímir Ilich ia a grandes comícios abertos quase todos os dias. Eles aconteceram em fábricas, fábricas, praças, unidades militares. Aconteceu que Lênin falou em duas ou três reuniões durante um dia.

Os comícios foram literalmente abertos: os portões do empreendimento, onde aconteceram, estavam abertos para todos. Além disso, enormes cartazes foram pendurados nos portões com um convite hospitaleiro para comparecer ao comício em que Lênin faria um discurso.

A vida de Vladímir Ilich corria um perigo mortal várias vezes ao dia. Esse perigo foi agravado pelo fato de Vladímir Ilich recusar categoricamente qualquer tipo de proteção. Ele nunca carregou uma arma com ele (exceto uma minúscula Browning, da qual ele nunca disparou) e me pediu para não me armar também. Certa vez, ao ver um revólver no coldre do meu cinto, ele disse afetuosamente, mas de forma bastante decisiva:

– Por que você precisa disso, camarada Gil? Leve-o embora!

No entanto, continuei a carregar o revólver comigo, embora o tenha escondido cuidadosamente de Vladímir Ilich. O revólver estava debaixo da camisa, no cinto, sem coldre.

Naquele dia fatídico – 30 de agosto de 1918 – Vladímir Ilich e eu fizemos várias viagens. Tínhamos visitado a Bread Exchange, onde aconteceu um comício. Muitas pessoas se reuniram. Vladímir Ilich, como sempre, fez um discurso longo e ardente. Ninguém desconfiava que já aqui, na Bread Exchange, Lênin estava sendo seguido e uma tentativa de assassinato estava sendo preparada. Isso ficou claro alguns dias depois, durante a investigação.

Por volta das seis da tarde, deixamos a Bread Exchange e dirigimos até a antiga fábrica de Mikhelson, na rua Serpukhovskaya. Já tínhamos visitado esta fábrica várias vezes antes.

Vladímir Ilich estava calmo, até, como sempre, só que às vezes ele franzia os olhos de preocupação e a testa. E não admira! Este dia foi especialmente agitado para ele. Pela manhã, uma recepção no Conselho de Comissários do Povo, depois uma reunião, seguida de outra reunião que acabara de ocorrer, após a qual outro comício, onde corremos, e duas horas depois no escritório de Ilich uma reunião do Conselho do Povo. Os comissários deveriam começar sob sua presidência.

Quando entramos no pátio, a reunião na fábrica de Michelson ainda não havia começado. Todos estavam esperando por Lênin. Vários milhares de pessoas se reuniram na vasta loja de romãs. De alguma forma, ninguém nos encontrou: nem os membros do comitê da fábrica, nem ninguém.

Vladímir Ilich saiu do carro e foi rapidamente para a loja. Virei o carro e estacionei na saída do pátio, a cerca de dez passos da entrada da oficina

Poucos minutos depois, uma mulher com uma jaqueta curta se aproximou de mim com uma pasta na mão. Ele parou ao lado do carro, e eu pude ver. Jovem, magra, com olhos escuros e animados, dava a impressão de não ser uma pessoa completamente normal. Seu rosto estava pálido e sua voz, quando ela falou, quase não tremia perceptivelmente.

– O quê, camarada, Lênin parece ter chegado? Ela perguntou.

“Não sei quem veio”, respondi. Ela riu nervosamente e disse:

– Como é? Você é chofer e não sabe para quem está dirigindo?

– Como eu saberia? Algum tipo de orador – você nunca sabe quem viaja, você não reconhece a todos – respondi calmamente.

Sempre observei a regra mais estrita: nunca diga a ninguém quem veio, de onde veio e para onde iremos a seguir.

Ela torceu a boca e se afastou de mim. Eu a vi entrar nas instalações da fábrica.

Um pensamento brilhou: – O que ela está tão curiosa sobre mim? Tão persistente! Mas como sempre havia muitos curiosos para saber quem tinha chegado, às vezes até rodeavam o carro por todos os lados, não prestei atenção especial ao comportamento e às palavras dessa mulher.

Cerca de uma hora depois, a primeira grande multidão de pessoas – a maioria trabalhadores – saiu da fábrica e encheu quase todo o pátio. Percebi que o comício havia acabado e liguei o carro rapidamente. Vladímir Ilich ainda não estava lá.

Poucos minutos depois, uma nova grande multidão de pessoas apareceu no pátio, Vladímir Ilich entrou na frente dele. Peguei o volante e coloquei o carro em velocidade para que pudesse me mover a qualquer segundo.

Caminhando em direção ao carro, Vladímir Ilich conversou animadamente com os trabalhadores. Eles o bombardearam com perguntas, ele respondeu afável e minuciosamente e, por sua vez, fez algumas perguntas. Ele se moveu muito devagar em direção ao carro. Vladímir Ilich parou a dois ou três passos do carro. A porta foi aberta por alguém da multidão.

Vladímir Ilich conversou com duas mulheres. Tratava-se do transporte de comida. Eu ouvi bem suas palavras:

– Muito bem, existem muitas ações erradas dos destacamentos de barragens, mas tudo isso certamente será eliminado.

Essa conversa durou dois ou três minutos. Mais duas mulheres estavam de cada lado de Vladímir Ilich, inclinando-se um pouco para a frente. Quando Vladímir Ilich quis dar os últimos passos até o degrau do carro, um tiro foi disparado.

Naquela época, eu estava olhando para Vladímir Ilich. Imediatamente virei a cabeça na direção do tiro e vi uma mulher – aquela que me perguntou sobre Lênin uma hora atrás. Ela ficou do lado esquerdo do carro, no para-choque dianteiro, e mirou no peito de Vladímir Ilich.

99 years ago: Fanny Kaplan tried to assassinate Vladimir Lenin - Russia  Beyond

Outro tiro foi disparado. Imediatamente desliguei o motor, peguei um revólver do cinto e mirei na direção do atirador. Seu braço estava estendido para disparar o próximo tiro. Apontei a boca do meu revólver para a cabeça dela. Ela percebeu isso, sua mão tremia e no mesmo segundo um terceiro tiro soou. A terceira bala, como se viu depois, atingiu o ombro de uma das mulheres que estavam ali.

Mais um momento e eu teria atirado, mas a vilã que atirou em Lênin jogou sua Browning aos meus pés e rapidamente se virou e correu para a fugir em meio a multidão. Tinha muita gente por perto e não me atrevi a atirar atrás dela: era possível matar um dos trabalhadores.

Corri atrás dela e depois de alguns passos, um pensamento passou pela minha cabeça: “Mas e quanto a Vladimir Ilich? O que há de errado com ele?” Eu parei. Houve um terrível silêncio mortal por vários segundos. Então, de repente, houve vozes de todos os lados: “Eles o mataram! Lênin foi morto!”. A multidão inteira saiu correndo do pátio para alcançar a assassina. Uma multidão terrível se formou. Virei-me para o carro e congelei: Vladimir Ilich estava deitado no chão a dois passos do carro. Corri para ele. Segundos depois, o pátio lotado estava vazio e a atiradora desapareceu na multidão.

Ajoelhei-me na frente de Vladimir Ilich e me inclinei para ele. Que bênção: Lênin estava vivo, nem havia perdido a consciência.

– Pegou ele ou não? Ele me perguntou baixinho, pensando que obviamente era um homem que estava atirando nele.

Vladimir Ilich falava com dificuldade, com uma voz diferente, com uma espécie de chiado no peito. Eu disse a ele:

– Não diga que é difícil para você …

Naquele momento, levanto a cabeça e vejo que um homem com um boné de marinheiro vem correndo da oficina em nossa direção. Ele acenou freneticamente com a mão esquerda e manteve a direita no bolso. Ele correu direto para Vladimir Ilich.

Sua figura e toda sua aparência me pareciam extremamente suspeitas, e cobri Vladimir Ilich comigo mesmo, especialmente sua cabeça, quase me deitando sobre ele.

– Pare! Gritei com todas as minhas forças, apontando um revólver para o homem em fuga.

Ele continuou a correr e se aproximou de nós. Então gritei de novo:

Пин от пользователя Anastasia на доске Изобразительное искусство СССР |  Портрет, Враги народа, Изобразительное искусство

– Pare! Ou eu atiro!

Não tendo alcançado Vladimir Ilich após alguns passos, ele virou bruscamente para a esquerda e correu para o portão sem tirar a mão do bolso. Naquela hora, uma mulher correu até mim por trás, gritando:

– O que você está fazendo? Não dispare!

Obviamente, ela pensou que eu queria atirar em Vladimir Ilich.

Antes que eu pudesse responder, um grito veio das oficinas:

– Isto é culpa sua, é sua!

Eu vi três homens correndo em minha direção com revólveres nas mãos. Eu gritei de novo:

– Pare! Quem é você? Eu vou atirar!

Eles responderam imediatamente:

– Somos o comitê de fábrica, camarada, nosso…

Olhando de perto, reconheci um deles: eu já o tinha visto antes, quando viemos para a fábrica. Eles foram até Vladimir Ilich. Tudo isso aconteceu muito rapidamente, em um ou dois minutos.

Alguns deles insistiram que eu levasse Vladimir Ilich ao hospital mais próximo. Eu respondi enfaticamente:

– Não vou te levar a hospital nenhum. Estou te levando para casa.

Vladimir Ilich, ouvindo nossa conversa, disse:

– Casa, casa …

Junto com camaradas do comitê de fábrica – um deles era do comissariado militar – ajudamos Vladimir Ilich a se levantar. Com nossa ajuda, ele deu os poucos passos restantes até o carro. Nós o ajudamos a subir os degraus do carro e ele se sentou no banco de trás, em seu lugar de costume.

Antes de sentar ao volante, parei e olhei para Vladimir Ilich. Seu rosto estava pálido, seus olhos estavam semicerrados. Ele estava quieto. Meu coração afundou, como se de uma dor física, algo me veio à garganta… A partir daquele momento, ele se tornou especialmente próximo e querido para mim, como pessoas queridas se tornam queridas para nós, que podemos perder de repente para sempre.

Mas não havia tempo para pensar, era preciso agir. A vida de Vladimir Ilich deveria ser salva.

Dois camaradas entraram no carro: um comigo, o outro ao lado de Ilich. Dirigi até o Kremlin muito rapidamente, assim que a estrada permitiu.

No caminho, olhei várias vezes para Vladimir Ilich. No meio da estrada, ele se recostou com todo o corpo no encosto do assento, mas não gemeu, não fez um único som. Seu rosto ficou cada vez mais pálido. O camarada de dentro deu-lhe um pouco de apoio. Entrando no Portão da Trindade, não parei, apenas gritei para as sentinelas: “Lênin!” – e dirigi direto para o apartamento de Vladimir Ilich.

Para não chamar a atenção das pessoas que passavam e que ficavam próximas às portas da frente da casa onde Vladimir Ilich morava, parei o carro nas portas laterais, atrás do arco.

Aqui, nós três ajudamos Vladimir Ilich a sair do carro. Ele saiu com nosso apoio, aparentemente com dor. Eu me virei para ele:

– Vamos te carregar adentro, Vladimir Ilich…

Ele recusou terminantemente.

Começamos a perguntar e a convencê-lo de que é difícil e prejudicial para ele se locomover, principalmente subir as escadas, mas nenhuma persuasão ajudou, e ele disse com firmeza:

– Eu mesmo irei…

E, voltando-se para mim, acrescentou:

– Tire o casaco, vai ser mais fácil para mim andar.

Tirei o paletó com cuidado e ele, apoiado em nós, subiu a escada íngreme até o terceiro andar. Ele subiu completamente em silêncio, eu nem ouvi um suspiro. Maria Ilyinichna nos encontrou na escada. Levamos Vladimir Ilich direto para o quarto e o deitamos na cama.

Maria Ilyinichna estava muito preocupada.

– Ligue logo! Pressa! Ela me perguntou.

Vladimir Ilich abriu os olhos e disse calmamente:

– Calma, nada de especial… Só estou um pouco ferido no braço.

De outra sala, liguei para Bonch-Bruyevich, o gerente do Conselho dos Comissários do Povo, e comecei a lhe contar o que havia acontecido. Ele mal me ouviu – era necessário, sem perder um segundo, agir.

Vinokurov, o Comissário do Povo para a Previdência Social, que comparecera a uma reunião do Conselho dos Comissários do Povo, foi ao apartamento de Lênin. Bonch-Bruyevich logo veio correndo.

Vladimir Ilich estava deitado sobre o lado direito e gemia baixinho. A camisa cortada expôs o peito e o braço esquerdo, em cima dos quais duas feridas eram visíveis. Vinokurov esfregou as feridas com iodo.

Vladimir Ilich abriu os olhos, olhou em volta dolorosamente e disse:

– Dói, dói meu coração…

Vinokurov e Bonch-Bruevich tentaram acalmar Ilich:

– Seu coração não foi tocado. As feridas são visíveis no braço e nada mais. É uma dor nervosa reflexiva.

– As feridas são visíveis? … No braço?

– Sim.

Ele ficou em silêncio, fechando os olhos. Depois de um minuto, ele gemeu baixinho, contido, como se tivesse medo de incomodar alguém. Seu rosto ficou ainda mais pálido e uma tonalidade amarelada apareceu em sua testa. Os presentes foram tomados de terror: Vladimir Ilich está realmente nos deixando para sempre? É a morte?

Bonch-Bruevich telefonou para o Soviete de Moscou e pediu ao membro do Conselho de Plantão e aos camaradas que estavam lá que procurassem imediatamente os médicos. Eu disse ao telefone: precisamos de médicos imediatamente – Obukh, Weisbrod e outro cirurgião. Alguém foi instruído a trazer travesseiros de oxigênio, tendo-os encontrado nas farmácias de Moscou. A assistência médica ainda não havia sido organizada no Kremlin: não havia farmácia nem hospital, e eles tinham que mandar tudo para a cidade.

Ya. M. Sverdlov telefonou, que acabara de ser informado sobre o ferimento de Vladimir Ilich. Bonch-Bruevich contou-lhe em poucas palavras o que havia acontecido e pediu para convidar imediatamente um cirurgião experiente. Yakov Mikhailovich disse que mandaria chamar imediatamente o Professor Mints, e logo ele próprio apareceu.

Maria Ilinichna pediu-me que informasse Nadezhda Konstantinovna sobre o infortúnio o mais cuidadosamente possível. Nadezhda Konstantinovna estava no Comissariado do Povo para a Educação e ainda não sabia de nada. Quando eu estava descendo para o pátio, alguém do Conselho de Comissários do Povo me alcançou para avisar Nadezhda Konstantinovna juntos.

Estávamos esperando por ela no quintal. Logo ela apareceu. Quando comecei a me aproximar dela, ela, aparentemente adivinhando pelo meu rosto agitado que algo terrível havia acontecido, parou e disse, olhando diretamente nos meus olhos:

– Não diga nada, apenas me diga – ele está vivo ou morto?

“Dou-lhe minha palavra de honra, Vladimir Ilich está levemente ferido”, respondi.

Ela ficou parada por um segundo e subiu. Nós a acompanhamos em silêncio até a cama de Vladimir Ilich. Ele ficou inconsciente.

Vera Mikhailovna Velichkina veio – a esposa de Bonch-Bruyevich, uma médica. Ela ouviu o pulso de Ilich, injetou morfina nele e aconselhou-o a não tocarem nele até a chegada dos cirurgiões, apenas tirar os sapatos e, se possível, despir-se.

Acontece que, passando um para o outro uma garrafa de amônia, eles a derrubaram e quebraram. A sala rapidamente se encheu com o cheiro pungente de amônia, Vladimir Ilich de repente acordou e disse:

– Isso é bom…

Ele suspirou e se esqueceu de novo. Obviamente, a amônia o refrescou e a morfina aliviou um pouco a dor.

O Professor Mints apareceu. Sem cumprimentar ninguém, sem perder um segundo, ele foi direto para Vladimir Ilich, olhou em seu rosto e disse abruptamente:

– Morfina!

– Já injetamos – respondeu Vera Mikhailovna. O professor Mints, vestido com um jaleco branco, mediu a distância entre os ferimentos na mão de Vladimir Ilich com os dois indicadores, pensou por um minuto e com dedos rápidos e flexíveis começou a sentir seu braço e peito. O rosto do professor expressava perplexidade.

A sala estava em um silêncio mortal, os presentes prenderam a respiração. Todos esperavam as palavras decisivas do professor. Mints ocasionalmente falava baixinho:

– Um na mão … Onde está o outro tiro? Os vasos grandes não são afetados. Não há outro. Onde está o outro?

De repente, os olhos do professor pararam de concentração, seu rosto congelou. Recuando e ficando terrivelmente pálido, ele começou a apalpar apressadamente o pescoço de Vladimir Ilich.

– Lá está ela!

Ele apontou para o lado oposto, direito, do pescoço. Os médicos se entreolharam, tudo ficou claro para eles. Um silêncio opressivo caiu. Todos entenderam sem palavras que algo terrível havia acontecido, talvez irreparável. Mints acordou primeiro:

– Mão no papelão! Existe algum papelão?

Encontrou um pedaço de papelão. Mintz rapidamente cortou o forro e colocou a mão ferida sobre ele.

“Vai ser mais fácil assim”, explicou.

Logo saí do apartamento de Lênin. Embora o ferimento fosse grave e a posição dos feridos muito séria, tentei me acalmar: os médicos vão ajudar, o corpo de Vladimir Ilich é forte, seu coração está forte. Eu não queria admitir a ideia da morte de Lênin.

Depois de dois ou três dias, finalmente ficou claro: Vladimir Ilich viverá!

Logo na primeira noite após a tentativa de assassinato, alguns dos detalhes desse evento ficaram claros.

Fanny Kaplan, que estava atirando, revelou-se membro de um grupo gangster de terroristas SR. Pelas mãos da mesma gangue de vilões, Uritsky e Volodarsky foram mortos em Petrogrado.

Após os tiros em Vladimir Ilich, a mulher tentou fugir com a multidão do quintal da fábrica. As pessoas fugiram, sem saber a princípio quem atirou em Vladimir Ilich. Misturando-se à multidão, a terrorista esperava se esconder sem ser notada. Na rua, não muito longe da fábrica, um trotador esperava por ela. Mas ela não conseguiu usar o trotador. As crianças que estavam no quintal durante a tentativa de assassinato correram em uma multidão atrás de Kaplan e gritaram, apontando para ela:

– Lá está ela! Lá está ela!

Graças à esperteza das crianças, a assassino foi detida. Várias pessoas a alcançaram no interruptor do bonde e a levaram para o pátio da fábrica. A multidão ficou indignada, muitos correram para ela com um olhar ameaçador, ela teria sido despedaçada ali mesmo, mas um grupo de trabalhadores conteve o ataque. Alguém advertiu:

– O que vocês estão fazendo, camaradas? Ela deve ser interrogada!

Uma hora depois, o bandido Kaplan já estava na Cheka.

Um homem com um boné de marinheiro que fugiu para Vladimir Ilich após os tiros de Kaplan também foi logo preso. Ele acabou por ser cúmplice do terrorista.

O corpo saudável de Lênin e o cuidado excepcional com ele durante sua doença cumpriram seu papel: depois de duas ou três semanas, Vladimir Ilich novamente presidiu as reuniões do Conselho dos Comissários do Povo.

Poucos meses depois, Vladimir Ilich, bastante saudável e vigoroso, voltou a falar em um comício diante dos trabalhadores da mesma fábrica da ex-Mikhelson. A alegria dos trabalhadores não conheceu limites. A primeira pergunta deles foi:

– Como está sua saúde, Vladimir Ilich?

– Obrigado. Estou muito bem, respondeu Lênin, sorrindo.

A manifestação começou. Os trabalhadores ouviram novamente o discurso inflamado e inspirado de seu líder.


Para mais informações sobre o atentado, cheque esta matéria “Hoje na História: 1918 – Lênin sobrevive a atentado em Moscou“.

Texto originalmente publicado em russo neste link.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close