Como a China manteve seus supermercados estocados enquanto o coronavírus atacava

por Julie Wernau | Wall Street Journal

Dois meses após a epidemia de coronavírus na China, dezenas de milhões de pessoas ainda se encontram em quarentena, e grande parte da economia permanece congelada.

Todavia, a China conseguiu em grande medida manter suas lojas cheias de alimentos e outros itens essenciais – mesmo nos lugares mais afetados, como a cidade de Wuhan – um fator crucial para manter a ordem pública durante a crise.

Para fazer isso, a China contou com mandatos das autoridades centrais contra açambarcamento e lucro. Empresas privadas, incluindo JD.com Inc. e o Walmart, redirecionaram caminhões e enviaram suprimentos que, de outra forma, não teriam chegado ao mercado.

Depois que Pequim pediu um aumento na produção de máscaras, os fabricantes cancelaram as férias dos trabalhadores e aumentaram os salários para aumentar a produção de suprimentos médicos básicos. Quando Pequim emitiu ordens contra a manipulação de preços, as empresas monitoraram picos repentinos de preços e suspenderam lojistas culpados ou encontraram maneiras de disponibilizar mais produtos.

https://i1.wp.com/archive.is/qJXX2/debddb0ce93663e67c980f191888e7e80fe2dcd2.png
Decrescimento de setores da China durante o surto do coronavírus.

O aplicativo de compras Pinduoduo Inc. conseguiu que mais agricultores utilizassem seus espaços de venda on-line, permitindo que eles vendessem mais. Ao direcionar alimentos que estariam rapidamente esgotados e que normalmente seriam jogados fora pelos fornecedores, o Walmart conseguiu localizar um lote enorme de pepinos na província de Yunnan. Os funcionários trabalharam a noite toda em um centro de distribuição para testar e classificar os pepinos para entrega nas lojas na manhã seguinte.

“O único segmento do comércio físico que realmente ficou próximo do normal é o supermercado”, disse Michael Norris, gerente de pesquisa e estratégia da Agency China, uma empresa de pesquisa de mercado localizada em Xangai. “O supermercado foi, de fato, a força vital da comunidade durante este evento.”

Outros países, incluindo os EUA e o Japão, estão discutindo como manter os suprimentos disponíveis à medida que o coronavírus se espalha. Nos EUA, os supermercados racionaram alguns itens e estão considerando diminuir o horário de funcionamento e recorrer a voluntários para entregar alimentos.

https://i0.wp.com/archive.is/qJXX2/78ec6cbaae712302bfdbf92ca6b94a6753d3d164.png
Porcentagem de aumento do número de pedidos de comida por aplicativos eletrônicos.

Não está claro se outros países vão tão longe quanto a China, cujo governo central costuma intervir no comércio. A China também tem problemas a resolver – incluindo a navegação nas rígidas restrições de quarentena promulgadas por Pequim.

O pânico na hora das compras apareceu em algumas partes do país, e certos produtos ficaram escassos. Houve também alguma sorte com o momento em que aconteceu a epidemia, já que muitas famílias haviam feito estoques para o feriado do Ano Novo Lunar.

A inflação de alimentos em todo o país aumentou 21,9% em fevereiro em relação ao ano anterior. Porém, grande parte do aumento foi devido aos preços da carne suína, que foram atingidos pela peste suína africana.

Poderia ter sido pior. Lu Jie, que administra uma pequena loja em Pequim vendendo de tudo, de barras de chocolate da Twix a frutas secas, afirmou que inicialmente precisou contar com os suprimentos que sobraram da temporada anterior. Muitos produtos não puderam entrar em Pequim por causa de restrições de quarentena.

Nesta semana, lembrou ela, mais fornecedores antigos seus estavam reaparecendo, já que os caminhões encontraram mais maneiras de superar os obstáculos. Com os negócios ainda lentos, ela disse que já tinha quase tudo de que necessitava.

Há algumas semanas, parecia provável que a China sofresse escassez de bens.

Tantas pessoas nas áreas rurais foram proibidas de entrar e sair de suas comunidades que os vegetais não puderam ser enviados. Em alguns lugares, foi proibida a colheita de certos alimentos, incluindo cebola verde e couve-flor, em decorrência da necessidade de conter a epidemia.

As estradas se tornaram quase intransitáveis ​​graças a bloqueios do governo. Muitos caminhoneiros foram forçados a entrar em quarentena por estarem em áreas expostas. Os embarques de alimentos caíram drasticamente nos portos, com entregas internacionais canceladas.

Em resposta, o governo da China liberou mais de 300 mil toneladas de carne de porco das reservas estratégicas centrais e locais, fornecendo mais carne ao mercado.

Com base em um banco de dados de mercadorias de emergência do Ministério do Comércio, as autoridades procuraram centenas de empresas para coletar informações sobre suprimentos de arroz, legumes e outros produtos e começaram a conectar compradores aos vendedores disponíveis.

Para garantir que as mercadorias passassem por obstáculos, o governo estabeleceu um sistema de “canal verde” que permitia que os caminhoneiros viajassem entre cidades com passes especiais. Alguns governos locais contrataram caminhoneiros para manter o fluxo de suprimentos.

A cidade de Chongqing, no centro da China, contratou uma empresa de caminhões local chamada Circle Logistics Co., que normalmente atende fábricas operadas pela Foxconn Technology Group e Corning Inc. para entregar legumes, medicamentos e máscaras, disse seu proprietário, Robin Zheng. “Transportar vegetais não é o nosso trabalho habitual”, disse Zheng. “Porém, o trabalho é este agora: entregar comida”.

Para garantir que os compradores não acumulassem e os lojistas não se envolvessem na determinação de preços, Pequim anunciou proibições estritas a essas atividades, enquanto alguns governos locais puniram estabelecimentos que aumentavam seus preços. A Costco Wholesale Corp. e outras redes de supermercados concordaram em limitar o número de clientes permitidos dentro das lojas e em parar de vender alguns produtos populares para diminuir as visitas às lojas.

O supermercado Jingkelong, em Pequim, estabeleceu filas para a entrada dos clientes, com cada pessoa a um metro de distância. Os clientes receberam cartões para entregar na saída, permitindo que outra pessoa entrasse.

O Pinduoduo, que é especialmente popular entre os consumidores das cidades menores, promoveu uma plataforma recém-criada que ajuda os agricultores a encontrar compradores alternativos. Ning Qiang, um empresário de 32 anos da província de Sichuan, usou o serviço depois que os figos que ele comprou de fazendas – que só podem sobreviver em até 10 dias após a colheita – foram vendidos durante o Ano Novo Lunar. Ele finalmente encontrou compradores.

A JD.com disse que, quando os estoques em seus depósitos de produtos como arroz, farinha e óleo começaram a ficar limitados, conseguiu obter suprimentos adicionais de empresas off-line – incluindo lojas de varejo instantâneo – abertas e próximas dos clientes. Em muitos casos, um pedido à JD.com foi fornecido pelo transportador vindo diretamente de uma loja de conveniência da região do cliente.

A Alibaba disse que suas várias plataformas de entrega de alimentos contrataram milhares de pessoas que não conseguiram retornar aos seus próprios trabalhos e as colocaram para trabalhar fornecendo suprimentos à população. Em uma área em que morava um pai que estava desesperado por fórmula para bebês e todas as estradas próximas estavam bloqueadas, a gerente da estação de triagem Ning Yang levou o produto ela mesma, andando mais de dois quilômetros para entregá-lo à porta do comprador.

https://i2.wp.com/archive.is/qJXX2/0e8360f3033ff01934e789d49f43a71593d73739.jpg
Entregador chinês levando alimentos no dia 9 de março.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close