“A Libertação do Nosso Povo”: Discurso de Angela Davis durante protesto do Partido dos Panteras Negras

Discurso realizado durante o protesto organizado pelo Partido dos Panteras Negras no Bobby Hutton Park (também conhecido como DeFremery Park), Oakland, Califórnia em 12 de novembro de 1969.

Originalmente disponível no site Indy Bay.

Tradução por Andrey Santiago.


Sim, eu só gostaria de dizer que gosto de ser chamada de irmã muito mais do que de professora e tenho dito continuamente que se meu trabalho – se manter meu emprego significa que tenho que fazer qualquer compromisso na luta de libertação neste país, então ficarei feliz em deixar meu trabalho. Esta é minha posição.

Agora tem havido muito debate no setor de esquerda do movimento anti-guerra sobre qual deveria ser a orientação desse movimento. E acho que há duas questões principais em questão. Um grupo de pessoas sente que o movimento, o movimento anti-guerra deveria ser um movimento de questão única, o fim da guerra no Vietnã. Eles não querem relacionar isso com os outros tipos e formas de repressão que estão ocorrendo aqui neste país. Há outro grupo de pessoas que diz que temos que fazer essas conexões. Temos que falar sobre o que está acontecendo no Vietnã como sendo um sintoma de algo que está acontecendo em todo o mundo, de algo que está acontecendo neste país. E para que o movimento anti-guerra seja eficaz, ele tem que se vincular à luta pela libertação dos negros e marrons neste país com a luta dos trabalhadores brancos explorados. Agora acho que devemos nos perguntar por que aquele primeiro grupo de pessoas quer que o movimento anti-guerra seja um movimento de questão única. De alguma forma, eles acham que é necessário atenuar o conteúdo político desse movimento para atrair o maior número de pessoas possível. Eles acham que meros números serão suficientes para afetar a política deste governo. Mas acho que temos que falar sobre o conteúdo político. Temos que falar sobre a necessidade de elevar o nível de consciência das pessoas que estão envolvidas nesse movimento. E se você analisar a guerra no Vietnã, antes de mais nada, deve ficar óbvio que, se o governo dos Estados Unidos retirou suas tropas do Vietnã, essa repressão teria que surgir em outro lugar. E, de fato, estamos vendo que à medida que este país está sendo derrotado no Vietnã, mais e mais atos de repressão estão ocorrendo aqui no cenário doméstico. E eu gostaria apenas de apontar o mais dramático das últimas semanas, que é o acorrentamento e amordaçamento do presidente Bobby Seale e sua sentença a quatro anos por desacato ao tribunal. Acho que isso demonstra que, se a ligação não for feita entre o que está acontecendo no Vietnã e o que está acontecendo aqui, podemos muito bem enfrentar um período de fascismo em grande escala muito em breve.

Agora eu acho que há algo talvez mais profundo que devemos apontar. Toda esta economia neste país é uma economia de guerra. Baseia-se no fato de que mais e mais armas estão sendo produzidas. O que acontecerá se a guerra no Vietnã cessar? Como ficará a economia a menos que outro Vietnã seja criado, e quem determinará onde esse Vietnã estará? Pode ser no exterior, ou pode ser bem aqui em casa, e acho que está ficando evidente que o Vietnã está entrando nas ruas deste país. Está se tornando evidente em todas as formas brutais de repressão, que podemos ver todos os dias de nossas vidas aqui. E isso me lembra, porque acho que é muito relevante para o que está acontecendo no Vietnã que é a situação militar neste país. Eu vi na televisão na semana passada que o chefe da Guarda Nacional da Califórnia decidiu que a partir de agora suas atividades militares vão se concentrar em três áreas principais. Agora, quais são essas áreas? Em primeiro lugar, diz ele, perturbação nas comunidades minoritárias, depois diz perturbação no campus, depois diz perturbação nas áreas industriais. Acho que aponta para o fato de que vão começar a usar todo esse aparato militar para acabar com a resistência na comunidade negra e marrom, nos campi, nas comunidades operárias. Acho que eles estão realmente se preparando para isso agora. É evidente que o terror não está se tornando apenas instâncias isoladas de brutalidade policial aqui e ali, mas que o terror está se tornando um instrumento cotidiano das instituições deste país. O Chefe da Guarda Nacional disse isso abertamente. está acontecendo nos tribunais. Há terror nos tribunais, aquele juiz, cujo nome é Hoffman provou que vai assumir o terror da sociedade e levá-lo aos tribunais, que vai usar o que se supõe ser um tribunal, justiça, igualdade, como você quiser chamar para enfrentar tudo isso, você conhece os atos fascistas de repressão.

Agora, algo mais está acontecendo nos tribunais, e acho que este é um incidente do qual todos devemos estar cientes, porque é mais uma instância de terror entrando nos tribunais. Em San Jose, não muito tempo atrás, um jovem chicano estava sendo julgado e eu gostaria de ler uma citação da transcrição, uma citação do juiz – acho que o nome dele é Chargin, o fascista. Ele disse: “Os mexicanos, depois dos 13 anos de idade, estão perfeitamente adequados para sair e agir como animais. Talvez Hitler estivesse certo. Os animais em nossa sociedade provavelmente deveriam ser destruídos porque não têm o direito de viver entre os seres humanos. Vocês são inferiores aos animais e não têm o direito de existir na sociedade organizada, apenas pessoas miseráveis ​​e podres.” Agora, esta é a citação direta da transcrição que aconteceu dentro das paredes do tribunal. Como podemos deixar de ver que há uma conexão intrincada entre esse tipo de coisa entre o que aconteceu com Bobby Seale, entre a prisão injustificada de Huey Newton e o que está acontecendo no Vietnã. Estamos enfrentando um inimigo comum e esse inimigo é o imperialismo ianque, que está nos matando aqui e no exterior. Agora, acho que qualquer um que tentasse separar essas lutas, qualquer um que dissesse que, para consolidar um movimento anti-guerra, temos que deixar todas essas outras questões remotas fora de cena, está se jogando direto nas mãos do inimigo. Quer dizer, é um velho ditado, acho que tem sido demonstrado repetidamente que é correto que, uma vez que o povo esteja dividido, o inimigo sairá vitorioso. Enfrentaremos a derrota. E eu acho que a tentativa de isolar o que está acontecendo no cenário doméstico, da guerra do Vietnã, é cair nas mãos do inimigo, dando a ele a chance de ser vitorioso.

E acho que há um problema muito mais concreto. Se você falar sobre o movimento anti-guerra como um movimento separado, o que acontece? O que acontecerá se de repente as tropas forem retiradas do Vietnã? O que acontecerá se Nixon disser de repente que vamos trazer todos os meninos para casa? As pessoas, os milhares, os milhões de pessoas que se envolveram naquele movimento se sentiriam vitoriosas. Acho que talvez um, vários deles pensariam que poderiam voltar para casa e saborear sua vitória e dizer que vencemos, ignorando completamente o fato de que Huey Newton ainda está na prisão, que Erica Huggins e todas as outras irmãs e irmãos em Connecticut ainda estão na prisão. É com isso que nos defrontamos se não conseguirmos fazer essa ligação entre o cenário internacional e o nacional. E eu não acho que haja qualquer dúvida sobre isso. Não podemos falar em protestar contra o genocídio do povo vietnamita sem, ao mesmo tempo, fazer algo para impedir o genocídio – a que os lutadores da libertação neste país estão sendo submetidos. Agora acho que podemos traçar um paralelo entre o que está acontecendo agora e o que – o que aconteceu durante os anos 1950. Enquanto o Governo dos Estados Unidos estava sendo derrotado na Guerra da Coreia, mais e mais repressão ocorria no cenário doméstico. A caça às bruxas McCarthy começou. Este é o partido comunista que foi o principal alvo disso. Acho que devemos nos perguntar por que esse período serviu para sufocar completamente a atividade revolucionária neste país. As pessoas ficaram com medo, fugiram, perderam suas famílias, perderam suas casas. Eles não resistiram. Este é o problema. Eles não resistiram. No momento, o Partido dos Panteras Negras é o principal alvo da repressão que está caindo nesta sociedade e o Partido dos Panteras Negras está resistindo. E todos devemos falar em nos levantar e resistir a essa opressão, resistir ao ataque do fascismo neste país. Do contrário, o movimento estará fadado ao fracasso. Acho que podemos dizer que se o movimento anti-guerra se defende apenas a si mesmo e não defende os lutadores da libertação neste país, então esse movimento estará fadado ao fracasso, assim como podemos dizer também se nós, no movimento negro de libertação e o movimento de libertação para todas as pessoas em – todas as pessoas oprimidas e exploradas neste país, defendam apenas a nós mesmos, então nós também estaremos condenados ao fracasso.

Dentro de toda a luta de libertação neste país, a luta de libertação negra e a luta de libertação marrom tem havido continuamente o sentimento contra as políticas agressivas do imperialismo americano em todo o mundo porque fomos forçados a ver que o inimigo é o imperialismo americano e embora a gente sente aqui em casa está sendo sentido talvez com muito mais brutalidade no Vietnã, está sendo sentido na América Latina, está sendo sentido na África, temos que fazer essas conexões. [Inaudível] tem que ver que, a menos que faça essa conexão, ela se tornará irrelevante. E o que temos que falar agora é uma força unida, que vê a libertação do povo vietnamita como intrinsecamente ligada à libertação dos negros e pardos e brancos explorados nesta sociedade, e somente este tipo de frente unida, apenas esse tipo de força unida pode ser vitoriosa.

Agora, acho que há outra coisa que devemos considerar quando tentamos analisar o que aconteceu no movimento anti-guerra. E o movimento anti-guerra não depende apenas de números. Não dependeu apenas de atrair mais e mais pessoas para o movimento, independentemente de sua orientação política. Se nos lembrarmos, o debate de muito tempo atrás era se o movimento anti-guerra ou o movimento pela paz deveriam falar sobre exigir o fim dos bombardeios no Vietnã ou se deveriam falar sobre a retirada das tropas. Acho que agora é muito óbvio que você tem que falar sobre a retirada de todas as tropas americanas do Vietnã. Isso ocorreu apenas através do processo de tentar elevar o nível de consciência política das pessoas que faziam parte desse movimento. E agora o que temos a falar não é apenas a retirada das tropas americanas, mas também o reconhecimento do governo provisório revolucionário sul-vietnamita.

Agora, acho que temos que dar um passo adiante. Isso é o que está acontecendo dentro do movimento anti-guerra, mas temos que ir mais longe. E temos que dizer que se eles, se exigirmos a retirada imediata das tropas americanas no Vietnã [inaudível] do Governo Revolucionário Provisório do Vietnã do Sul, então também temos que exigir a libertação de todos os presos políticos neste país, aqui. Isso é o que temos que exigir. E eu acho que a luta de libertação aqui lança muita luz sobre o que está acontecendo no Vietnã. Mostra-nos que não podemos simplesmente lutar pela paz no Vietnã, que temos de falar também sobre o reconhecimento de um governo revolucionário. Houve uma espécie de paz que foi obtida aqui mesmo neste país, em um tribunal, que foi a paz que o juiz Hoffman forçou ao presidente Bobby Seale por coerção, amordaçando-o e prendendo-o à cadeira. Este não é o tipo de paz de que queremos falar no Vietnã, a paz em que temos um regime fantoche que representa os interesses deste país em que dispõe de outros meios para estabelecer o poder deste governo no Vietnã.

E acho que em um nível muito mais pessoal, há alguns paralelos que podemos traçar. Alguns paralelos muito profundos, eu acho. E temos que dizer que a mãe de Bobby Seale, que soube que ele havia sido acorrentado e amordaçado e que havia sido condenado a quatro anos por desacato ao tribunal, não fica menos magoada do que uma americana que descobre que seu filho foi capturado no Vietnã , Acho que temos que dizer que, que Erica Huggins e Yvonne Carter não ficaram menos tristes quando descobriram que seus maridos Bunchy e John [inaudível] libertação, então uma esposa americana sentiria por seu marido lá, mas há uma política diferente consciência envolvida e é isso que temos que mostrar ao povo americano hoje. Temos que mostrar ao povo americano que seus filhos e maridos estão sendo vitimados pelo imperialismo americano. Eles estão sendo forçados a lutar uma guerra suja no Vietnã. Eles também são vítimas e devem ser demonstrados que sua verdadeira lealdade deve estar conosco na luta de libertação aqui e com o povo vietnamita em sua luta de libertação ali. Agora, Bobby Seale uma vez fez uma declaração em uma conferência de paz em Montreal que a linha de frente da batalha contra o racismo estava no Vietnã. Acho que devemos nos perguntar o que isso significa, porque muitas pessoas podem ter pensado que isso significa que podemos depender dos vietnamitas para vencer nossa batalha aqui. Isso não é o que ele estava dizendo. Ele estava apontando para a conexão inerente entre o que está acontecendo lá e o que está acontecendo aqui. E acho que podemos dizer e estou falando por experiência pessoal, estive em Cuba neste verão e me encontrei com alguns representantes do Governo Provisório Revolucionário do Vietnã do Sul e eles nos disseram que éramos – nós, revolucionários neste país éramos seus aliados mais importantes. E não apenas porque pegamos placas e marchamos em frente à Casa Branca dizendo que o governo dos EUA saia do Vietnã porque – mas porque estamos ativamente envolvidos na luta para satisfazer as necessidades de nosso povo neste país e, desta forma, como eles apontam fora somos capazes de destruir internamente aquele monstro, que está oprimindo as pessoas em todo o país. Tenho que admitir que me senti um pouco inadequado sobre isso porque o que ele está dizendo, o que o representante do Governo Provisório Revolucionário do Vietnã do Sul estava dizendo é que devemos intensificar nossa luta neste país, devemos falar sobre fazer mais e mais demandas pela libertação do nosso povo aqui e vai ser disso que eles vão depender. Isso vai ajudá-los em sua luta de libertação. Agora acho que devemos falar no contexto desta próxima marcha aqui e em Washington sobre o [inaudível] de fazer demandas simultâneas e essas demandas deveriam ser a retirada imediata das tropas dos EUA do Vietnã. Deve haver vitória para os vietnamitas. Deve haver também o reconhecimento do governo revolucionário no Vietnã do Sul e acho que isso talvez seja o mais importante, devemos exigir a libertação dos presos políticos neste país.

Só mais uma coisa. Você sabe que Nixon fez um discurso em 3 de novembro, acho que foi, e ele disse algo que devemos prestar atenção, devemos entender. Ele disse: “Vamos entender que os vietnamitas não podem derrotar ou humilhar nosso governo. Somente os americanos podem fazer isso.” Sinto que é nossa responsabilidade lutar em todas as frentes, lutar em todas as frentes simultaneamente para derrotar e humilhar o Governo dos Estados Unidos e todas as táticas fascistas com as quais está reprimindo os combatentes da libertação neste país.

Muito obrigado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close