Thomas Sankara – O Apartheid é um câncer que precisa ser exterminado

Tradução por Andrey Santiago.

Originalmente publicado no site Liberation School.

Apresentação dos tradutores da Liberation School (Maxime Delafosse-Brown, Gabriel Rockhill, and Hope Wilson)

O texto original em francês, disponível aqui, é uma transcrição de uma entrevista oral, fica claro que a pessoa que fez a transcrição não tinha certeza de algumas de suas formulações. Por isso, fizemos o possível para tornar o texto o mais coerente possível em inglês, com base no texto escrito em francês (e sem acesso à gravação original da troca oral).

Esta é a terceira parte do projeto de tradução Thomas Sankara da Liberation School [1]. Esta série de traduções é o resultado de uma colaboração com ThomasSankara.net, uma plataforma online dedicada ao arquivamento do trabalho deste grande revolucionário africano. Gostaríamos de expressar nossa gratidão a Bruno Jaffré por nos permitir estabelecer esta colaboração e nos conceder o direito de traduzir este material para o inglês pela primeira vez. Esta entrevista foi realizada à Rádio Havana na véspera do 3º aniversário da revolução.


Introdução

Em 4 de agosto de 1983, um grupo de jovens oficiais, liderados pelo capitão Thomas Sankara, tomou o poder no Alto Volta (hoje Burkina Faso), depois de ter destruído – por meio de um movimento militar de base – um regime reacionário controlado pelos interesses neocoloniais.

A partir desse momento, o Conselho Nacional da Revolução presidido por Sankara iniciou um programa político visando a construção de uma sociedade justa, onde fosse garantido o desenvolvimento econômico-social e o bem-estar de todo o povo burkinabé, e onde as consequências do colonialismo e pró-os governos imperialistas que haviam subdesenvolvido o país seriam eliminados.

Na política externa, Burkina Faso manteve, como resultado, um conjunto de princípios caracterizados pela solidariedade com os povos africanos que se confrontam com o Apartheid, a agressão racista e a dominação da reação e do imperialismo, ao mesmo tempo que apoia os movimentos de libertação na África como em outros continentes.

Poucos dias antes do terceiro aniversário da Revolução de Agosto, a Rádio Havana Cuba realizou a seguinte entrevista com o presidente Thomas Sankara.

Entrevista

RHC (Rádio Havana Cuba): Camarada Presidente, qual é a posição de Burkina Faso em relação à luta contra o Apartheid?

Thomas Sankara: O Apartheid hoje é uma forma de nazismo moderno. O Apartheid é um elemento vivo do imperialismo de nossos tempos. Em última análise, o Apartheid é também uma estratégia, na luta de classes, para a exploração do homem pelo homem. Consequentemente, tática e estrategicamente temos que combater o Apartheid não porque somos negros, mas simplesmente porque somos humanos e não animais, e escolhemos, no contexto da luta de classes, a classe do futuro, a classe trabalhadora, o que torna pessoas livres, prósperas e felizes.

RHC: O que está sendo feito concretamente em Burkina Faso para lutar contra o Apartheid?

Thomas Sankara: Burkina Faso organiza a luta contra o Apartheid em diferentes níveis. Existem algumas organizações sociais como o Movimento Burkinabé contra o Racismo e o Apartheid, mas acima de tudo há a formação política e ideológica de todos os burkinabés no âmbito dos Comitês de Defesa da Revolução. Indicamos a eles todos os possíveis inimigos da humanidade e de nosso povo, um dos quais é o Apartheid. Tomamos medidas legislativas, administrativas, jurídicas e políticas contra o Apartheid.

Boicotamos as atividades internacionais em que os responsáveis ​​pela realização do Apartheid, os partidários e os atores do Apartheid, impõem sua presença.

Nós o combatemos no esporte, nas atividades culturais, nos encontros internacionais. Nós o combatemos economicamente, embora Burkina Faso seja um país pequeno e economicamente fraco; combatemos o Apartheid e rejeitamos os produtos do Apartheid. A nossa luta continua também através do internacionalismo proletário no desejo de uma unidade de ação e reflexão com os outros povos para acabar com o Apartheid e exterminar este câncer que compromete não só a África, mas igualmente toda a humanidade. É por isso que denunciamos, com todas as nossas forças, os governos e regimes que, na sua hipocrisia, dizem que se opõem ao Apartheid, mas na realidade são os seus verdadeiros agentes, os primeiros fornecedores do Apartheid na África do Sul. Todos merecem o mesmo destino que Pieter Botha, e ainda mais porque, em última análise, Pieter Botha é apenas o braço enquanto eles são o cérebro [2].

RHC: Qual é o significado da próxima Cúpula da Organização da Unidade Africana (OUA) para o Burkina Faso?

Thomas Sankara: A próxima Cúpula da OUA deve constituir uma etapa extremamente importante no desenvolvimento da nossa consciência, mas sobretudo na mobilização efetiva de forças multifacetadas contra o Apartheid e igualmente contra todos os outros males que assolam a África, particularmente o endividamento.

Devemos denunciar o endividamento como a segunda pilhagem, um roubo secundário, de segunda rodada, dos recursos africanos. Fomos colonizados, explorados. Nossos recursos foram saqueados. Hoje, ainda querem que paguemos dívidas que nunca contraímos para nossa felicidade, mas essas dívidas nos foram impostas pelas mesmas pessoas que, no transbordamento de seu capitalismo, consideraram essencial criar novos mercados, invadi-los e dominá-los com poder financeiro.

RHC: Camarada Presidente, Burkina Faso celebrará em breve o terceiro aniversário de sua revolução. Qual é a situação atual em Burkina Faso?

Thomas Sankara: Burkina Faso encontra-se no caminho brilhante das vitórias revolucionárias. A construção de uma nova sociedade em benefício de um povo que sofreu por muito tempo, mas – felizmente desde 4 de agosto de 1983, com a chegada da revolução democrática e de base – vive a possibilidade de vislumbrar um novo futuro. Nossa revolução de três anos está se consolidando. Muitos sucessos sociais constituem uma lista interminável de vitórias na área da saúde.

Obtivemos muitas vitórias na área da educação. Milhares de escolas foram construídas. Na área da saúde foram construídos milhares de postos de saúde, mais concretamente um posto de saúde por aldeia: esta foi uma das nossas diretrizes.

A campanha de vacinação foi estendida a todos os países e, em particular, crianças de nossos países vizinhos e irmãos foram vacinadas ao longo de nossa fronteira sem levar em conta o regime político, sem considerar a discórdia que existe entre um ou outro de nossos vizinhos e nós mesmos. Fizemos isso em nome do amor pelo povo. Mas estamos no processo de obter outras vitórias econômicas, e o plano quinquenal que começará em 4 de agosto do ano que vem, ao mesmo tempo em que as comemorações do terceiro aniversário serão um desafio que nosso povo terá que enfrentar e certamente superaremos para construir uma sociedade ainda mais feliz, para que possamos alcançar um futuro brilhante. Mas acima de tudo, politicamente, nossa revolução está dando passos gigantescos desenvolvendo nossa tática e estratégia, armados com a ideologia que nos ensinam os grandes educadores do proletariado, estamos construindo atualmente uma organização política. Como disse Lênin, sem organização revolucionária, sem ideologia revolucionária, não alcançaremos a revolução. É por todas essas razões que nosso povo está cada vez mais certo de que a difícil luta que o espera resultará em vitória, porque as forças revolucionárias se organizam cada vez mais sobre uma base sólida, uma base ideológica clara e uma unidade dinâmica de ação para obter mais em benefício de todos os nossos povos e em benefício de outros povos, pois aqui dizemos que quem ama seu povo ama outros povos. Gostaria de aproveitar esta oportunidade para elogiar o povo cubano, a Revolução Cubana, e especialmente o grande camarada Fidel Castro, pela clarividência e sentido internacionalista do compromisso de Cuba. É por isso que em Cuba, como aqui, dizemos: “Pátria ou morte, venceremos!”

RHC: Camarada Presidente, para finalizar, gostaria de enviar uma mensagem pessoal a Nelson Mandela?

Thomas Sankara: Direi a Nelson Mandela que nenhum sofrimento é desejável para um ser humano, exceto para masoquistas. Mas quando sofremos, quando suportamos a dor e o martírio por outros homens, por povos inteiros, só podemos ser felizes, pois conseguimos o milagre de transformar a dor, o sofrimento e o martírio em felicidade sublime, em vitória radiante em benefício de outros homens; animamos a humanidade com uma força vital revigorante, que desperta os mais ousados ​​e impulsiona aqueles que já estão infectados. Nesse sentido, Nelson Mandela na prisão é mil vezes mais livre, mil vezes mais feliz do que aqueles de fora que consomem sob a exploração do homem pelo homem, ou pior, que sempre atendem aos interesses objetivos dos inimigos do povo, especialmente o arrogante imperialismo de nossos tempos.

Referências

[1] A primeira foi “Nós não importamos nossa revolução” e a segunda “Thomas Sankara sobre a fundação do Instituto Negro”.

[2] Pieter Willem Botha, um franco opositor da igualdade racial e do comunismo, foi o último primeiro-ministro da África do Sul de 1978 a 1984 e o primeiro presidente executivo da África do Sul de 1984 a 1989. Em 1985, um ano antes desta entrevista com Sankara, ele fez o discurso Rubicon em que se recusou a ceder às demandas da população negra insurgente, incluindo a libertação de Nelson Mandela da prisão. Devido às mobilizações em andamento, ele declarou estado de emergência nacional no ano seguinte e declarou de forma infame: “Esta revolta trará a fera em nós”. – Liberation School.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close