Justiça para a Comunidade LGBT por Angela Davis

Universidade de Illionois. 24 de Fevereiro de 2008.

Eu queria agradecer as organizadoras da Conferência da Agremiação do Meio-Oeste em apoio a população LGBT por ter me convidado para fazer essa fala final.

Cheguei ontem e encontrei com alguma das organizadoras da Conferência – Oliver, da cadeira de organização geral; Sara Clemons, que me apresentou; e Treva. Eu encontrei com pessoas nos elevadores também, da agremiação de Grinnell por exemplo. Também fui ao show de Las Crudas e era claramente a pessoa mais velha lá.

Entendo que o tema da conferencia de vocês neste ano é “Votando para Mudar: Liberdade e Justiça para Todos.” Dado o debate dentro do contexto da atual campanha eleitoral nacional sobre o significado da mudança após oito anos de administração Bush, esse é um tema bastante apropriado.

Mas eu temo que os últimos sete anos e meio tem nos paralisados tanto que até relativamente imperceptíveis mudanças parecem grandes consequências. Não nos subestimemos. Eu escutei muitos comentários sobre a inteligência dos candidatos de ambos os partidos. Não que eles não sejam todos inteligentes, e sem rebaixar algum desses indivíduos, mas para falar a verdade, comparado a George W. Bush, quase qualquer um poderia aparecer sendo “bastante inteligente.”

Encaramos todos os problemas nas nossas vidas e no mundo, desde a chamada Guerra ao Terror até as diversas manifestações de racismo, tanto as sutis quanto as violentas, a ataques as pessoas lésbicas, gays, bissexuais e da comunidade trans, a ataques aos nossos direitos à educação e também a negação de um atendimento de saúde de qualidade à um número crescente de pessoas, nós sabemos desses problemas, precisamos de esperança, precisamos de imaginação, precisamos de comunidades de luta, precisamos nos dar conta que a mudança é realmente possível.

Como sabemos que a mudança é possível? É possível porque, mesmo com as coisas sendo horrendas como são hoje em dia, estamos vivendo em um mundo que foi formado por mudanças. Mesmo com as difíceis condições para as pessoas pobres de cor nesse país, elas certamente estariam piores se as pessoas ordinárias não tivessem aprendido a se identificar com comunidades de luta, não tivessem aprendido a imaginar um mundo diferente e melhor.

Mesmo com as difíceis condições para a comunidade LGBT – e em certos momentos, a orientação sexual e a identidade de gênero de alguém pode ser uma matéria de vida ou morte – nos últimos 30 a 40 anos, militantes corajosos do movimento LGBT nos direcionaram a um mundo melhor.

chy9wvj3iuj5she6fegl.jpg
Sylvia Rivera e Marha P. Johson foram importantes militantes pelos direitos LGBT.

O ponto é, as pessoas tem massivamente e coletivamente se organizado para a mudança, e o mundo em que vivemos hoje, entre os tantos problemas que tem, é o resultado desses movimentos.

Eu penso sobre meu próprio passado enquanto militante e meu envolvimento com comunidade de jovens que realmente pensavam que poderia acabar com a guerra e com o racismo. Eu as vezes penso como nós que 40 anos atrás lutamos com tanta urgência pela paz, justiça e um mundo melhor poderíamos prever que estaríamos agora lutando contra uma máquina de guerra tão mais feroz. Como nós poderíamos prever a globalização da pobreza e racismo que vivemos hoje em dia? Como poderíamos ver a transmutação das retoricas e violências do anti-comunismo em guerras globais com o pretexto de acabar com o terrorismo?

Poderíamos ter previsto a emergência do neoconservadorismo violento e que cresce com a supremacia branca, com o patriarcado, a xenofobia, islamofobia e o heterossexismo? Provavelmente não. Mas uma coisa é certa: se as lutas passadas não tivessem acontecido, as pessoas não tivessem se levantado, gritado, cometido atos de desobediência civil, lutado e exercido sua influencia para transformar as relações humanas, nosso mundo seria mais empobrecido materialmente e espiritualmente, e nós certamente não conseguiríamos continuar hoje em dia. O movimento estudantil, o movimento pelos direitos civis, movimentos anti-guerra, movimentos feministas, movimentos gays e lésbicos, movimentos de solidariedade com as libertações nacionais na Africa, Asia, Oriente Médio e América Latina tem contribuído imensuravelmente para fazer nosso mundo mais justo.

Mesmo com a aparência desoladora das circunstancias atuais, podemos entender que as coisas poderiam estar muito piores do que elas estão. O que é mais, se não fosse por essas lutas coletivas do passado, nós não poderíamos nem ter a força da imaginação para apreender que a nossa ação coletiva pode realmente trazer uma mudança radical. E vejo a geração de vocês pegando essa nova bandeira e nos liderando.

Nos estamos vivendo em mundo que não deveria ter chegado neste ponto. A guerra no Iraque não tinha que acontecer. George Bush não deveria ter sido eleito – ele não foi eleito!

Como nosso mundo pareceria hoje em dia, quais seriam as perspectivas para a democracia se ex-presos pudessem ter ido votado nas eleições de 2000?

Votar é um importante direito civil. Mas eu temo que nossa política progressiva está muito especificamente focada nas eleições, nós não podemos esquecer que existem outras formas de intervenção política coletiva. Então, enquanto absolutamente precisamos acelerar nosso envolvimento com o processo da votação – e nós podemos, realmente, votar para mudar – votar para mudar é apenas o início. Participação nas eleições em todos os níveis precisa ser complementada por um envolvimento continuo com os movimentos sociais, e não focando apenas nas questões LGBT, mas na militância antirracista e anti-machista, pelos direitos dos imigrantes, das pessoas presas, pelos direitos trabalhistas, na militância anti-guerra, na justiça ambiental etc., e também aprendendo a reconhecer e formular as profundas conexões entre todas essas questões.

Então votar para a mudança deve ser complementada pelo apoio a se organizar pela mudança – pela mudança radical.

Eu não quero subestimar todo o poder do voto, especialmente sendo que as estratégias legislativas tem sido elementares na jornada de justiça para as comunidades LGBT. Entretanto, mesmo enquanto necessitamos dessas medidas reparativas e de proteções que podem ser garantidas pela lei, não podemos depender apenas da lei sozinho como uma solução para o problema da LGBTfobia.

Em Oxnard, na California, pouco menos de duas semanas atrás um menino de 15 anos chamado Lawrence King foi morto por outro colega de classe depois de ter assumido publicamente que era gay e transexual a sua escola de ensino médio. Ele tinha sido vítima de bullying constantemente por um grupo de garotos depois de ter andado com um tênis de plataforma e batom na escola. O garoto que o matou tinha apenas 14 anos. Aparentemente, ele andou até o laboratório de informática onde estava Lawrence e atirou na cabeça dele.

Essa tragédia tem muitas dimensões para além da horrenda e desnecessária morte de um jovem moço. De acordo com o jornal New York Times, ele estava vivendo em uma casa para crianças abandonadas que foram abusadas.

O garoto de 14 anos que o assassinou vai ser julgado como um adulto – como se ele tivesse a agencia individual para decidir por si mesmo que pessoas homossexuais e transexual são tão repulsivas que não merecem viver. De onde essa ideia dele veio?

A atribuição de culpa absoluta ao individuo nesse caso é a mesma logica que é permitida no governo e no exercito dos EUA para deslocar a responsabilidade das horrendas torturas sexuais em Abu Ghraib para alguns poucos indivíduos, “algumas maçãs podres.”

No caso de Lawrence King, o assassino vai ser julgado por crime de ódio e se condenado, ele vai ficar por 52 anos na prisão. O garoto vai ser bode expiatório para a sociedade heteronormativa e para um governo que é profundamente homofóbico, a homofobia vai continuar.

Se continuarmos a pensar que a instituição da prisão é o modo primário de tratar com esses problemas sociais que levam pessoas a prisões, então esses problemas vão continuar a acontecer, e vão continuar a ser reproduzidos pelas prisões. A prisão é um dos maiores aparatos institucionais “generificados” (gendering), e ele incentiva a homofobia.

Eu compreendo que o nome de Martin Luther King foi evocado muitas vezes durante esta conferência. Este é o Mês da História Negra; eu tenho algumas incomodações em relação a nossa memória histórica popular estar sendo tão superficial que o nome de Martin Luther King vem para a história de uma maneira tão mais complicada que seu sonho. A popularização de Martin Luther King contribuiu ainda mais para a amnésia histórica deste país.

Um dos conselheiros de King que mais tinha sua confiança, o homem que introduziu King ao conceito de Gandhi de resistência não-violenta, o homem que foi um dos principais organizadores da Marcha a Washington de 1963, era Bayard Rustin, um homem negro que era abertamente gay antes do movimento de libertação gay. Bayard Rustin também foi um membro do Partido Comunista.

RUSTIN-12-Rustin-MLK.jpg
Bayard Rustin e Martin Luther King.

Rustin foi atacado pelo Senador Strom Thurmond como um “comunista, “escapador” de recrutamento militar e homossexual.” Embora o apoio do Dr. King era consistente a Bayard Rustin, outros líderes, incluindo Roy Wilkins, o presidente da NAACP naquele período, se recusava a permitir que Rustin conseguisse os créditos pelo trabalho que ele teve em organizar o que continua sendo a mais conhecida manifestação em Washington. Essa é a marcha onde o Dr. King fez a sua fala “Eu Tenho um Sonho”.

Dois anos depois, em março de 1965, Dr. King publicou um artigo na revista New York Times intitulado “O Direito Civil nº1: O direito ao voto.” No próximo dia, o presidente Lyndon B. Johnson fez um discurso sobre a Declaração dos Direitos ao Voto, que foi passada no Senado no dia 6 de agosto.

Esse deve ser um dos momentos em que Hillary Clinton se referiu quando disse que precisou de um presidente para realizar os ideais de King.

Antes de tudo, o movimento por direitos civis era muito mais que um líder singular. Centenas e centenas de pessoas aprenderam a imaginar um mundo radicalmente mudado. King deu a expressão para suas aspirações, e pessoas como Bayard Rustin auxiliaram a traduzir essas aspirações para um movimento. É essa é a história que é apagada pela redução do movimento por direitos civis a um só nome: Martin Luther King.

Talvez Clinton esteja implicitamente comparando Obama a King; ele obviamente ouviu com cuidado as falas de King, e ela as de Johnson.

Porque nenhum partido político dispendiou tempo para discutir o atual estado dos direitos civis? Algum deles irá insistir na inclusão das pessoas trans na sociedade?

Existe uma ligação direta entre as lutas históricas pelos direitos civis das pessoas de descendência africana neste país e as lutas contemporâneas pelos direitos civis das comunidades LGBT. Isso significa que nos precisamos falar sobre os esforços de evangélicos negros que não aceitam falar sobre as conexões entre as lutas históricas da população negra e a as lutas atuais pelos direitos civis da comunidade LGBT.

Se nos tomarmos os direitos civis seriamente, nós não podemos argumentar que o movimento pelos direitos civis acabou, que essa é uma era pós – direitos civis ou uma era pós-racial. Números enormes de pessoas não conseguem exercer seus direitos civis e são exiladas para as margens da sociedade. Comunidades LGBT não tem suas totais proteções pelos direitos civis. Comunidades de imigrantes, especialmente imigrantes não-documentados, tem tido negado a suas proteções de direitos. Milhões de prisioneiros e ex-prisioneiros tem seus direitos civis negados.

Exceto nos estados de Maine e Vermont, pessoas presas não podem votar. Ex-condenados não podem votar em diversos estados. A privação de direitos dos ex-condenados é uma das principais razões pelas quais Bush saiu vitorioso nas eleições de 2000.

Eu não quero subestimar a importância dos direitos civis, os direitos a cidadania. Mas neste país, os direitos a cidadania são construídos de um modo muito limitado e formal. Nos EUA, os direitos tendem a ser separados do acesso aos recursos que nos poderiamos precisar para ter a vantagem desses direitos. O direito para ser livre de discriminação no trabalho – o qual ainda não é garantido para a comunidade LGBT – foi desligado do direito a um trabalho em primeiro lugar. A discriminação habitacional, mas não ao direito de ter uma habitação que seja possível de ter. Direito a saúde, mas não o direito a saúde pública e gratuita. Direito a educação, mas não o direito a educação pública e gratuita.

Quatro décadas atrás, um debate foi desenvolvido entre Martin Luther King e Malcom X sobre as questões de direitos civis e direitos humanos Uma bizarra situação legal emergiu durante as lutas pelos direitos civis: militantes pelos direitos civis estavam sendo assassinados, mas os estados do Sul não queriam processar seus assassinos. O único caminho para os processos – a lei federal de direitos civis.

Quarenta anos atrás, Malcom argumentou que deveríamos expandir nossa perspectiva de direitos civis para direitos humanos. Mas nós ainda não desenvolvemos um discurso que nos permita identificar e construir movimentos contra as extensivas violações aos direitos humanos que são cometidas neste país. Então, tortura não é uma violação de um direito humano; o assassinato de Lawrence King não é uma violação dos direitos humanos.

Agora, eu quero olhar brevemente a duas das mais salientes questões dos direitos civis que tem mobilizado as comunidades LGBT e aliados. A primeira é o caso da igualdade ao casamento, a segunda é o caso da igualdade ao recrutamento militar.

Refletindo sobre o argumento formal acerca da igualdade de gênero e sexual no exercito, deveríamos nos perguntar porque estamos dispostos a se basear em uma lógica abstrata – igualdade enquanto acesso igual, igual acesso a pessoas de cor no exercito, igual acesso a mulheres no combate, igual acesso a gays e lésbicas no exercito.

Enquanto eu nunca iria sugerir que essas lutas por igualdade formais não são importantes, é igualmente importante considerarmos para qual grupos sub-representados são essas demandas de acesso. Eu pensaria que tais demandas “democráticas” também teriam que considerar a natureza profundamente antidemocrática da instituição. A igualdade seria melhor servida pelo direito igual de recusar o serviço militar – para homens brancos, mulheres brancas, mulheres e homens de cor, e gays e lésbicas de todas as origens raciais e étnicas.

O debate sobre o casamento gay requer uma aproximação mais complicada. As estruturas da heteronormatividade, e as várias violências que essas estruturas e discursos deixam entranhadas, não necessariamente desaparecem quando a sexualidade dos participantes é mudada [N. T.: A autora não está falando que a orientação sexual é opcional, mas sim que as estruturas não necessariamente mudam, pensando somente na mudança de orientação dos indivíduos]. Não estou sugerindo que não reivindicamos o direito de gays e lésbicas se engajarem nessa prática, mas também temos que pensar na própria instituição. É uma instituição econômica. É sobre propriedade. Não é sobre relações humanas ou relações íntimas.

O que significa exigir o direito igual ao casamento sem reconhecer o papel que o casamento desempenhou na reprodução das desigualdades raciais e de gênero? Sob as condições da democracia burguesa, o casamento sempre foi uma instituição sexista, racista e heterossexista que é principalmente sobre a acumulação e distribuição de propriedade.

As pessoas escravizadas não podiam se casar, e quando surgiram configurações de família que não correspondiam à família nuclear, surgiram ideologias racistas complexas para consolidar ainda mais as hierarquias racistas. Nós vivemos com essas ideologias hoje. Durante a campanha de George Bush para o casamento, problemas estruturais profundos relacionados ao racismo foram atribuídos ao pai ausente. Como se todas as mães solteiras precisassem se casar e transcenderiam as condições de pobreza nas quais estão abrigadas. E elas devem se casar com um homem, mesmo que esse homem esteja desempregado.

Mesmo dentro das comunidades LGBT, nos descobrimos a influencia de tóxicas ideologias racistas.

Eu trago um exemplo do trabalho da Campanha Fairness em Louisville, Kentucky. A Campanha Fairness descreve seus valores centrais como os seguintes:

  1. Acreditamos que as pessoas homossexuais, lésbicas, bissexuais e transexuais têm direito a respeito, dignidade e plena igualdade.
  2. Acreditamos que o desmantelamento do racismo é fundamental para o nosso trabalho.
  3. Acreditamos que todas as questões de opressão estão ligadas e só podem ser resolvidas trabalhando-se em coalizão.
  4. Acreditamos na organização de base não violenta que capacita os indivíduos e constrói um movimento social que cria mudanças duradouras.

Assim, eles se manifestaram publicamente contra a atitude de um homem branco gay durante o último Derby em uma boate local. Este homem, Chuck Knipp, vestido com maquiagens negras (blackface) e roupas femininas para retratar uma mãe negra de bem-estar chamada Shirley Q. Liquor com dezenove crianças cujos nomes eram marcas de bebidas de malte e doenças venéreas. Acontece que os partidários da Fairness foram criticados por algumas pessoas por não serem “gays” o suficiente. Afinal, foi tudo de brincadeira.

Se Don Imus, Michael Richards e Kelly Tilghman são publicamente criticados por seus comentários racistas, então não deveria haver uma resistência ainda mais apaixonada a esse humor racista quando isso acontece sob o disfarce da cultura popular gay?

Há muito mais a ser dito, mas eu pensei em concluir compartilhando com vocês um poema intitulado “Onde você vai para ser um não-cidadão?”, que era bastante popular nos círculos de cor na década de 1980 na Baía de São Francisco. Foi escrito pela poetisa negra, feminista e lésbica Pat Parker, que morreu em 1989, e está incluída em sua coleção Movement in Black.

118_PORT.jpg
Pat Parker.

Já que a maioria de vocês não nasceu quando ela escreveu este poema, vocês provavelmente não entenderão as referências históricas. Mas isso não significa que ela e sua abordagem feminista, intersecional e transversal não devam fazer parte de sua memória histórica.

No poema de Pat Parker, existem estranha ressonâncias com o período contemporâneo. Estou pensando sobre a sua questão “Onde você vai para ser um não-cidadão?” – a qual é uma pergunta que hoje fala sobre a solidariedade às pessoas sem documento. Estou pensando em referencias aos colégios de Taft e Carmel, que hoje evocam os casos das seis de Jena e os quatro de Nova Jérsei. Se Pat ainda estivesse vivendo hoje em dia, ela faria questão que todos entendessem a conexão entre a violência racistas cometidas nas seis estudantes negras de Jena, a violência racista/heterossexista sob as jovens negras lésbicas que tentaram se defender no bairro de Greenwich Village em Nova Iorque e o assassinato homofóbico de Lawrence King.

Onde você vai para ser um não-cidadão? – Pat Parker

Eu quero me demitir; eu quero sair.

Eu quero marchar para o lugar mais próximo

Dar minha carta a um rosto sorridente

Eu quero me demitir; eu quero sair.

 

Presidente Ford vetou uma declaração de mais empregos

Enviado por ele da capital

Enquanto nós sentamos sendo super legais

Ele consegue uma piscina de 60 mil dólares

Eu quero me demitir; eu quero sair.

 

68000 doláres para a Rainha Elizabeth não deixar crescer algodão

Ainda assim não existe nenhum alvoroço sobre essa dança que está podre

14000 doláres para a Ford Motors não plantar trigo

Eu acho que o governo não quero trigo sob todas as suas cadeiras

Eu quero me demitir; Eu quero sair

 

A comissão da CIA estava em sessão por 26 semanas

Disse que os rapazes não fizeram coisas muito erradas

Eles usaram ácido – um teste – é o que eles dizem

Porém, se você e eu usar –  estaremos na prisão

Eu quero me demitir; eu quero sair.

 

E do colégio Taft – um pequeno grupo de estupidos

Expulsaram todos os estudantes negros da escola.

E os cidadãos de bem que se preocupavam com o valor de suas propriedades

Expulsaram adolescentes negros da pitoresca Carmel.

Eu quero me demitir; eu quero sair.

 

A pequena liga depois de ter usado todas as desculpas

Diz que uma menina de 10 anos deve usar um copo de apoio de meninos

Um Congresso Internacional de Mulheres no México para traçar planos

Eleitos pelo seu presidente – um homem branco liberal

Eu quero me demitir; eu quero sair.

 

A Associação Americana de Psicologia finalmente disse que todo os gays não são doentes em mentais

Mas nenhum reembolso em relação ao pagamento de terapias

Um juiz federal diz que o MCC é válido – uma realidade

Mas isso não vai parar os porcos de machucarem eu ou você

Eu quero me demitir; eu quero sair.

 

Eu quero me demitir; eu quero sair.

Por favor me leve a um lugar

Me mostre um rosto sorridente

Eu sou cética – cheia de duvidas

Eu quero me demitir; eu quero sair.


Texto inédito retirado do livro “The Meaning of Freedom and other difficult dialogues” [O Significado de Liberdade e outros diálogos difíceis] de Angela Davis, ainda não traduzido para o Brasil.

Tradução por Andrey Santiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close