Lamine Senghor – O Negro é a raça oprimida por todos os Imperialistas

Originalmente publicado no site History is a Weapon.

Tradução por Guilherme Henrique.

Lamine Senghor foi um dos primeiros nacionalistas senegaleses. Nascido em Kaolack, Senegal, em 1889, serviu no exército francês entre 1915 e 1919 e retornou a Paris em 1922. Senghor ingressou no Partido Comunista Francês e concorreu como candidato do Partido Comunista nas eleições locais de Paris em 1924. permaneceu comprometido com um Senegal independente. Em 1927, pouco antes de sua morte em Paris, ele articulou esse compromisso em um discurso na conferência da Liga Contra o Imperialismo que se reuniu em Bruxelas, na Bélgica. Na época, ele era presidente do Comitê de Defesa da Raça Negra. Esse discurso aparece abaixo.


Devo transmitir-lhe as saudações fraternas do Comitê de Defesa da Raça Negra. Este comitê para a libertação da raça negra é uma organização abrangente de jovens negros decididos a tomar medidas para trazer a libertação de sua raça. Vocês talvez estejam cientes de que a nossa é a raça mais oprimida do mundo. Esta é a raça que é oprimida por todos os imperialistas na terra, e cuja vida e morte estão nas mãos de seus inimigos. Por isso, desejamos lutar pela igualdade com outras raças que se consideram melhores que nós, e diante do mundo inteiro perguntamos a elas se são superiores a nós porque sua pele é branca ou seu cérebro mais culto que o nosso. Essas raças vieram até nós com o pretexto de nos trazer civilização. Hoje vemos um quadro trágico em nosso país.

COLONIZAÇÃO

Neste ponto, quero dizer brevemente algo controverso sobre a palavra “colonização”. Quero responder ao discurso do nosso presidente, Hafiz Ramadan Bey, que afirmou que o Egito não é uma colônia, e que é livre e independente. Como representante do Comitê de Defesa do Negro, devo declarar aqui que os trabalhadores egípcios que apoiam nosso comitê não são dessa opinião. Eles vieram aqui para protestar contra o paternalismo britânico no Egito e contra a ocupação do Canal de Suez pela Grã-Bretanha. Eles desejam protestar contra o imperialismo britânico e exigem a independência egípcia. Consequentemente, é impossível sustentar ao mesmo tempo que o Egito é livre. O que é colonização? Colonizar é roubar de um povo o direito de administrar seus próprios assuntos da melhor maneira possível e como achar melhor. Os egípcios foram privados pela Grã-Bretanha desse direito. Todos os egípcios protestam contra esse ato de violência. Consequentemente, eles não podem acreditar que o Egito não é colonizado pela Grã-Bretanha. É uma colônia como todas as outras colônias que estão sob o jugo do imperialismo internacional.

CIVILIZAÇÃO

Eu disse a vocês há pouco que quando os franceses chegaram, eles nos disseram que estavam trazendo-nos a civilização. Mas, em vez de nos ensinar a língua francesa e nos esclarecer sobre o que chamamos de civilização, eles disseram que os negros não devem receber qualquer tipo de educação, caso contrário eles se tornariam civilizados e não se poderia fazer com eles o que se quisesse.

Isso é o que o imperialismo francês entende por “civilizar” os negros.

Citarei um exemplo do relatório de um ex-administrador colonial. Este relatório foi publicado em vários jornais franceses pelo Sr. M. J. Renaitour. Aqui está o texto do que o administrador colonial escreveu:

“Eu acuso o ex-coronel Hutin, agora General Hutin, Comandante da Legião de Honra, de ordenar o saque do posto comercial de Molanda e de tomar parte no saque.” (Conhecemos os objetos que foram roubados -caixas de geleia de fruta que ele guardava para seu próprio uso pessoal, pinturas, munições de caça, rifles, castanhas, materiais valiosos, etc. Parece que é fácil fazer ali um ninho de penas).

O redator do relatório acrescenta:

“Acuso o oficial e gerente do depósito de Quesso de ter cometido um crime em fevereiro de 1915, a fim de extorquir a confissão de um furto de 500 francos. Ele acusou sua ordenança de furtar a soma de dinheiro. Para descobrir onde o dinheiro estava escondido, ele o despiu e colocou seus testículos sobre uma mesa, e esmagou um de seus testículos com um martelo. O privado perdeu a consciência. Ele foi reanimado, então eles ameaçaram esmagar o outro testículo também se ele não confessasse onde estava o dinheiro.”

“Acuso o ajudante-chefe do posto em Bania de trazer à sua presença um chefe da tribo Gana que se recusou a revelar o paradeiro de Mausers que seu povo havia tomado dos desertores alemães. E acuso o ajudante de esmagar uma das mãos do chefe de Gana entre os dois pratos de uma prensa e de “atormentá-lo” (esfolando-o com lâminas de faca). Ele encheu as feridas com mel e o expôs ao sol e aos ferrões das abelhas.

Quem pode deixar de estremecer ao pensar que, no século XX, os franceses cometem atrocidades como essas, dignas da mais tenebrosa Idade Média?

TRABALHO FORÇADO

Um decreto recente do governo geral da África Oriental Francesa colocou a população à disposição do trabalho administrativo que era do chamado “interesse comum”.

Para implementar este decreto, o vice-governador da Mauritânia estabelece as condições de trabalho. No artigo 3, ele diz: “A duração da jornada de trabalho é fixada em dez horas, com duas horas de descanso durante o dia.” No artigo 9, estipula que “O salário mínimo diário de cada trabalho será o seguinte: mulheres e crianças, 1 franco e 50; homens, 2 francos por dia.” Você não pode se recusar a trabalhar por esse salário. Então você é obrigado a trabalhar dez horas por dia ao sol africano, e só pode ganhar 2 francos. As mulheres e as crianças trabalham tanto quanto os homens, e apesar de tudo isso nos dizem que a escravidão foi abolida, que os negros são livres, que todos os homens são iguais, etc. Eu considero aqueles que nos dizem isso não como idiotas, mas como pessoas que estão nos cutucando.

ESCRAVIDÃO

Isso também, dizem-nos, foi abolido, e quase se poderia admitir que a venda de escravos é proibida e que não se pode mais vender negros a um branco, a um chinês ou mesmo a outro negro. Mas vemos que os imperialistas, muito democraticamente, se reservam o direito de vender todo um povo negro a outro imperialista.

O que a França fez com o Congo em 1912? Ela simplesmente o entregou à Alemanha. Ela perguntou aos negros do Congo se eles queriam ser explorados pelos alemães?

Certos políticos franceses chegaram a escrever na imprensa francesa que os negros das Antilhas estão começando a exigir direitos demais, e que seria melhor vendê-los aos americanos; então, pelo menos, obteríamos lucro com isso.

Não é verdade – a escravidão não foi abolida. Pelo contrário, foi modernizada.

A INJUSTIÇA É AINDA MAIS MARCANTE NA FRANÇA

Vimos que durante a guerra foram recrutados tantos negros quanto possível, para serem usados ​​como bucha de canhão. Recrutaram tantos que os governadores franceses se recusaram a continuar recrutando porque temiam que o povo se revoltasse. Mas como era preciso recrutar a todo custo, procuraram um negro notável, acumularam-lhe honras e o nomearam comissário geral e representante da República Francesa na África. Eles o acompanhavam aonde quer que fosse por oficiais franceses e negros condecorados. Partiu para a sua antiga pátria, fez-se desembarcar e foi recebido pelos representantes da França, administradores e governadores coloniais com uma banda à frente e soldados apresentando armas. Esse negro, com todas as suas honras, recrutou 80.000 homens, além dos 500.000 que já lutavam na França.

Eles deixaram nossos camaradas serem massacrados na primeira guerra do Marrocos antes da Grande Guerra de 1914. Eles ainda estão sendo massacrados hoje no Marrocos, no Rif e na Síria; negros estão sendo enviados para Madagascar; os negros são enviados para a Indochina porque é perto da China que está lhes dando um esplêndido exemplo revolucionário.

Aos chineses eu digo: “Eu os abraçaria com carinho, camaradas, porque vocês dão um bom exemplo revolucionário a todos os povos sob o jugo dos colonizadores, e eu gostaria que todos eles se deixassem influenciar pelo seu espírito revolucionário.” Os imperialistas franceses enviaram negros para a Indochina e ordenaram-lhes que atirassem contra os indochineses caso se levantassem contra as colônias francesas.

Eles lhes dizem que não são de sua raça e que deveriam matá-los, caso se rebelem contra a chamada “pátria mãe”.

Os negros dormiram muito tempo. Mas cuidado! O homem que dormiu bem demais e depois acordou não voltará a adormecer.

Gostaria de lhe dar dois exemplos de como a “pátria-mãe” reconhece os serviços daqueles que foram feridos na guerra para salvá-la, que foram atingidos por balas do chamado “inimigo” e hoje não são mais capazes de trabalhar. Uma distinção é feita entre eles e os feridos franceses que lutaram com eles no mesmo campo de batalha e que, ao que parece, defendiam a mesma pátria. Vou começar com 10% e ir até 100%. Apenas dois exemplos: o governo francês dá a um soldado francês de segunda classe, 90% incapacitado para guerra, pai de um filho, uma pensão anual de 6.882 francos, enquanto um soldado negro de segunda classe, igualmente 90% incapacitado para guerra, no mesmo exército francês, pai de um filho, recebe anualmente 1.620 francos.

De acordo com os artigos 10 e 12, um homem 100% incapacitado para guerra (isto é, um homem que não pode mais se mover e deve ser carregado para todos os lugares) recebe 15.390 francos se for um francês branco; se for negro, recebe apenas 1.800 francos.

Reunimo-nos para nos defendermos dessas injustiças, desses horrores que mencionei. Os jovens negros estão começando a ver as coisas claramente. Sabemos e verificamos que somos franceses quando eles precisam de nós para nos matar ou nos fazer trabalhar. Mas quando se trata de nos dar direitos não somos mais franceses, mas negros.

O congresso aqui reunido, acredito, realizou o desejo de muitos que, como eu, gostariam de se dedicar totalmente à tarefa de libertação mundial. Aqueles que vieram aqui são as mesmas pessoas que estão perseguindo um ideal revolucionário e um ideal humano e que sacrificam a si mesmos e todas as suas energias para erradicar esta monstruosa opressão imperialista em todo o mundo. A opressão imperialista que chamamos de colonização interna e que aqui vocês chamam de imperialismo é uma e a mesma coisa. Tudo decorre do capitalismo. É o capitalismo que gera o imperialismo nos povos dos países dirigentes. Portanto, aqueles que sofrem sob a opressão colonial devem dar as mãos e ficar lado a lado com aqueles que sofrem sob o imperialismo dos países avançados. Lutem com as mesmas armas e destruam o flagelo da terra, o imperialismo mundial!

Deve ser destruído e substituído por uma aliança dos povos livres. Então não haverá mais escravidão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close