W. E. B. Du Bois – O Trabalhador Negro (Capítulo 1 de “Reconstrução Negra na América”)

Primeiro capítulo da obra “Reconstrução Negra na América”, lançado originalmente em 1935.

Tradução por Sandro Marques dos Santos.

Doutorando em História – UFRGS

Contato: sandroms1995@gmail.com


Como os negros, vindo para a América nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, tornaram-se um fio condutor na história dos Estados Unidos, ao mesmo tempo um desafio à sua democracia e sempre uma parte importante de sua história econômica e desenvolvimento social.

Sem dúvida, o episódio mais dramático da história americana foi o súbito movimento para libertar quatro milhões de escravos negros em um esforço para impedir uma grande guerra civil, encerrar quarenta anos de amarga controvérsia e apaziguar o senso moral da civilização.

Desde o dia de seu nascimento, a anomalia da escravidão assolou uma nação que afirmava a igualdade de todos os homens e buscava obter poderes de governo do consentimento dos governados. Ao alcance do som das vozes daqueles que diziam isso, viviam mais de meio milhão de escravos negros, formando quase um quinto da população de uma nova nação.

A população negra na época do primeiro censo havia subido para três quartos de milhão, e havia mais de um milhão no início do século XIX. Antes de 1830, os negros haviam ultrapassado a marca de dois milhões, ajudados pelo aumento das importações pouco antes de 1808 e pelo contrabando ilícito até 1820. Pela sua própria reprodução, os negros chegaram a 3.638.808 em 1850, e antes da Guerra Civil, situavam-se em 4.441.830. Eram 10% de toda a população da nação em 1700, 22% em 1750, 18,9% em 1800 e 11,6% em 1900.

Esses trabalhadores não eram todos negros e nem todos africanos e nem todos escravos. Em 1860, pelo menos 90% nasceram nos Estados Unidos, 13% eram visivelmente descendentes de brancos e negros e, na verdade, mais de um quarto eram provavelmente de sangue branco, índio e negro. Em 1860, 11% desses negros eram trabalhadores livres.

Na origem, os escravos representavam tudo o que era africano, embora a maioria deles se originasse na costa oeste ou perto dela. No entanto, entre eles apareceram as grandes tribos bantus de Serra Leoa à África do Sul; os sudaneses, bem no centro do continente, do Atlântico ao vale do Nilo; os negros nilóticos e os hamitas pretos e marrons, aliados do Egito; as tribos dos grandes lagos; os pigmeus e os hotentotes; e, além disso, traços distintos de sangue berbere e árabe. Não há dúvida da presença de todos esses vários elementos na massa de 10.000.000 ou mais de negros transportados da África para as várias Américas, do século XV ao século XIX.

A maioria deles que veio para o continente passou pela tutela das Índias Ocidentais e, assim, finalmente apareceu nos Estados Unidos. Trouxeram consigo sua religião e canto ritmado, e alguns vestígios de sua arte e costumes tribais. E depois de um lapso de dois séculos e meio, os negros se tornaram uma população trabalhadora estabelecida, falando inglês ou francês, professando o cristianismo e usados principalmente na labuta agrícola. Além disso, eles misturaram tanto seu sangue com a América branca e vermelha que hoje menos de 25% dos negros americanos são descendentes de africanos não misturados.

Enquanto a escravidão foi uma questão de raça e cor, inquietou a consciência da nação e continuamente afrontou seus ideais. Os homens que redigiram a Constituição procuraram, por meio de todas as evasivas e quase subterfúgios, manter o reconhecimento da escravidão fora da forma básica do novo governo. Eles fundaram suas esperanças na proibição do comércio de escravos, certos de que, sem adições contínuas do exterior, esse povo tropical não sobreviveria por muito tempo e, assim, o problema da escravidão desapareceria com a morte. Eles calcularam mal ou não previram o mundo econômico em transformação. Pode ser mais lucrativo nas Índias Ocidentais matar os escravos por excesso de trabalho e importar africanos baratos; mas na América sem comércio de escravos, valeu a pena conservar o escravo e deixá-lo se multiplicar. Quando, portanto, manifestamente os negros não estavam morrendo, surgiram naturalmente novas desculpas e explicações. Era uma questão de condição social. Gradualmente essas pessoas seriam libertadas; mas a liberdade só poderia vir para a massa quando os libertos fossem transplantados para sua própria terra e país, já que a convivência entre negros e brancos na América era impensável. Então novamente a nação esperou, e sua consciência caiu no sono.

Mas em uma terra rica e ávida, a riqueza e o trabalho se multiplicaram. Eles distorceram padrões novos e intrincados ao redor da terra. Lentamente, mas poderosamente, esses trabalhadores negros foram integrados à indústria moderna. Em terras livres e férteis, os americanos cultivavam, não apenas açúcar como adoçante barato, arroz para alimentação e fumo como um novo e estimulante luxo; mas eles começaram a desenvolver uma fibra que vestiu as massas de um mundo esfarrapado. O algodão cresceu tão rapidamente que os 9.000 fardos de algodão que a nova nação mal percebeu em 1791 se tornaram 79.000 em 1800; e com esse aumento, caminhou a revolução econômica em uma dúzia de linhas diferentes. A safra de algodão atingiu meio milhão de fardos em 1822, um milhão de fardos em 1831, dois milhões em 1840, três milhões em 1852 e, no ano da secessão, atingiu o então enorme total de cinco milhões de fardos.

Tais fatos e outros, somados ao aumento de escravos aos quais se relacionavam tanto como causa quanto como efeito, significavam um novo mundo; e ainda mais porque, com o aumento do algodão americano e dos escravos negros, surgiram por acaso e engenhosidade novos milagres para a manufatura, e particularmente para a fiação e tecelagem de tecidos.

As gigantescas forças da água e do vapor foram aproveitadas para fazer o trabalho do mundo, e os trabalhadores negros da América curvaram-se na base de uma crescente pirâmide de comércio e indústria; e eles não apenas não poderiam ser poupados, se essa nova organização econômica se expandisse, mas também se tornaram a causa de novas demandas e alinhamentos políticos, de novos sonhos de poder e visões de império.

Em primeiro lugar, seu trabalho exigia a ampliação de trechos de solo novo, rico e negro – na Flórida, na Louisiana, no México; mesmo no Kansas. Essa terra, somada à mão-de-obra barata, facilmente regulada e distribuída, rendeu lucros tão altos que todo um sistema de cultura surgiu no Sul, com uma nova filosofia social e de lazer. O trabalho negro tornou-se a pedra fundamental não apenas da estrutura social do Sul, mas também da manufatura e do comércio do Norte, do sistema fabril inglês, do comércio europeu, da compra e venda em escala mundial; novas cidades foram construídas sobre os resultados do trabalho negro, e um novo problema trabalhista, envolvendo todos os trabalhadores brancos, surgiu tanto na Europa quanto na América.

Assim, as velhas dificuldades e paradoxos apareceram com nova roupagem. Tornou-se fácil dizer e mais fácil provar que esses homens negros não eram homens no sentido de que os homens brancos eram, e nunca poderiam ser, no mesmo sentido, livres. Sua escravidão era uma questão de raça e condição social, mas a condição era limitada e determinada pela raça. Eles eram pupilos e filhos congênitos, para serem bem tratados e cuidados, mas muito mais felizes e seguros aqui do que em sua própria terra. Como o Richmond, Virginia, Examiner colocou em 1854:

“Não vamos preocupar nossos cérebros com o que a Providência pretende fazer com nossos negros no futuro distante, mas nos gloriar e lucrar ao máximo com o que Ele fez por eles ao transplantá-los para cá e colocá-los para trabalhar em nossas plantações… A verdadeira filantropia para o negro começa, como a caridade, em casa; e se os homens do Sul agissem como se o dossel do céu estivesse inscrito com uma aliança, em letras de fogo, de que o negro está aqui e aqui para sempre; é nossa propriedade, e nossa para sempre;… eles realizariam mais bem para a raça em cinco anos do que se gabam de que a própria instituição tenha realizado em dois séculos…”

Por outro lado, a crescente exploração do trabalho branco na Europa, a ascensão do sistema fabril, o aumento do monopólio da terra e o problema da distribuição do poder político começaram a enviar onda após onda de imigrantes para a América, em busca de nova liberdade, nova oportunidade e nova democracia.

A oportunidade para uma verdadeira e nova democracia na América era ampla. A princípio, o poder político estava, como sempre, confinado aos proprietários e a uma aristocracia de nascimento e cultura. Mas nunca foi seguramente baseado em terra. A terra era gratuita e tanto a terra quanto a propriedade eram possíveis para quase todos os trabalhadores parcimoniosos. As escolas começaram cedo a se multiplicar e abrir suas portas até para o trabalhador pobre. O nascimento começou a contar cada vez menos e a América tornou-se para o mundo uma terra de oportunidades econômicas. Assim o mundo veio para a América, mesmo antes da Revolução, e depois durante o século XIX, dezenove milhões de imigrantes entraram nos Estados Unidos.

Quando comparamos esses números com a safra de algodão e o aumento de trabalhadores negros, vemos como o problema econômico aumentou de complexidade. Essa complexidade é mostrada pelas pessoas no drama e seus interesses diferentes e opostos. Havia os nativos americanos, em grande parte descendentes de ingleses, que eram proprietários e empregadores; e mesmo sendo pobres, eles ansiavam pelo tempo em que acumulariam capital e se tornariam, como eles dizem, economicamente “independentes”. Depois, havia os novos imigrantes, arrancados com certa violência de seu ambiente social e econômico mais antigo; estranhos em uma nova terra, com visões de ascensão no mundo social e econômico por meio do trabalho. Eles diferiam em linguagem e status social, variando do camponês irlandês meio faminto ao artesão alemão e inglês educado. Havia os negros livres: os do Norte, livres em alguns casos por muitas gerações, e eleitores; e em outros casos, fugitivos, recém-chegados do Sul, com pouca habilidade e pouco conhecimento da vida e do trabalho em seu novo ambiente. Havia os negros livres do Sul, uma classe instável e atormentada, vivendo sob o consentimento da lei e da boa vontade de patronos brancos, e ainda assim tornando-se trabalhadores e às vezes proprietários de propriedades e até de escravos, e cidadãos cultos. Havia a grande massa de brancos pobres, deserdados de sua porção econômica pela competição com o sistema escravista e pelo monopólio da terra.

No início da história do Sul, os negros livres tinham o direito de votar. De fato, no que diz respeito à letra da lei, não havia uma única colônia do Sul em que um homem negro que possuísse a quantidade necessária de propriedades e cumprisse outras condições não tivesse, em algum momento, o direito legal de votar.

Os negros votaram na Virgínia até 1723, quando a assembleia decretou que nenhum negro, mulato ou índio livre “depois terá qualquer voto nas eleições de burgueses ou em qualquer outra eleição”. Na Carolina do Norte, pela Lei de 1734, uma antiga discriminação contra os eleitores negros foi deixada de lado e não foi restabelecida até 1835.

Uma reclamação na Carolina do Sul, em 1701, dizia:

“Vários negros livres foram recebidos e considerados tão bons eleitores quanto os melhores proprietários livres da província. Portanto, deixamos isso com seus senhores” para julgar se a admissão de estrangeiros, estrangeiros, servos, negros, etc., como bons e qualificados eleitores podem ser considerados de qualquer maneira de acordo com a Patente do Rei Charles para Vossas Senhorias, ou a Constituição do Governo Inglês.” Novamente em 1716, judeus e negros, que estavam votando, foram expressamente excluídos. Na Geórgia, a princípio não havia discriminação de cor, embora apenas proprietários de cinquenta acres de terra pudessem votar. Em 1761, o voto era expressamente restrito aos homens brancos.

Nos estados esculpidos no Sudoeste, eles foram privados do direito de votar assim que o estado entrou na União, embora em Kentucky eles tenham votado entre 1792 e 1799, e o Tennessee permitiu que negros livres votassem em sua constituição de 1796.

Na Carolina do Norte, onde mesmo a restrição ao voto, em 1835, não se aplicava aos negros que já tinham o direito de votar, dizia-se que as várias centenas de negros que haviam votado antes disso geralmente votavam de forma prudente e criteriosa.

Em Delaware e Maryland, eles votaram na última parte do século XVIII. Na Louisiana, os negros que tiveram o direito de votar durante o status territorial não foram cassados. Em suma, nos tempos coloniais, o negro livre era excluído do sufrágio apenas na Geórgia, Carolina do Sul e Virgínia. Nos estados fronteiriços, Delaware cassou o direito de voto do negro em 1792; Maryland em 1783 e 1810.

No Sudeste, a Flórida dispensou os direitos dos negros em 1845; e no Sudoeste, a Louisiana os privou em 1812; Mississippi em 1817; Alabama em 1819; Missouri, 1821; Arkansas em 1836; Texas, 1845. A Geórgia, em sua constituição de 1777, limitou os eleitores a homens brancos; mas isso foi omitido nas constituições de 1789 e 1798.

À medida que a escravidão se tornou um sistema e o Reino do Algodão começou a se expandir para a dominação imperial branca, um negro livre era uma contradição, um perigo e uma ameaça. Como ladrão e vagabundo, ele ameaçava a sociedade; mas como proprietário educado, mecânico de sucesso ou mesmo profissional, ele mais do que ameaçava a escravidão. Ele a contradizia e a minava. Ele não poderia existir. Ele deve ser suprimido, escravizado, colonizado. E nada tão ruim poderia ser dito sobre ele que não parecesse facilmente verdadeiro para os senhores de escravos.

No Norte, os negros, em sua maioria, receberam emancipação política junto às classes trabalhadoras brancas. Em 1778, o Congresso da Confederação recusou-se duas vezes a inserir a palavra “branco” nos Artigos da Confederação ao afirmar que os habitantes livres em cada estado deveriam ter direito a todos os privilégios e imunidades dos cidadãos livres dos vários estados. Na lei de 1783, os negros livres foram reconhecidos como base de tributação e, em 1784, foram reconhecidos como eleitores nos territórios. Na Portaria do Noroeste de 1787, “homens livres de maior idade” foram reconhecidos como eleitores.

Os poucos negros que estavam no Maine, New Hampshire e Vermont podiam votar se tivessem as qualificações de propriedade. Em Connecticut, eles perderam esse direito em 1814; em 1865 essa restrição foi mantida, e os negros não o recuperaram até depois da Guerra Civil. Em Nova Jersey, eles o perderam em 1807, mas o reconquistaram direito em 1820 e o perderam novamente em 1847. Os negros votaram em Nova York no século XVIII, depois foram impedidos, mas em 1821 foram autorizados a votar com uma qualificação de propriedade discriminatória de 250 dólares. Nenhuma qualificação de propriedade era exigida dos brancos. Várias tentativas foram feitas para remover essa qualificação, mas ela não foi removida até 1870. Em Rhode Island, eles perderam o direito de votar na constituição que se seguiu à rebelião de Dorr, mas finalmente tiveram permissão para votar em 1842. Na Pensilvânia, eles foram autorizados a votar até 1838 quando a convenção da “reforma” restringiu o sufrágio aos brancos.

Os Estados Ocidentais como territórios geralmente não restringiam o sufrágio, mas como eles foram admitidos na União, eles retiraram os direitos dos negros: Ohio em 1803; Indiana em 1816; Illinois em 1818; Michigan em 1837; Iowa em 1846; Wisconsin em 1848; Minnesota em 1858; e Kansas em 186I.

A Portaria do Noroeste e até mesmo a Compra da Louisiana não fizeram discriminação de cor nos direitos legais e políticos. Mas os estados admitidos a partir deste território, especificamente e desde o início, negaram aos negros livres o direito de voto e aprovaram códigos de leis negras em Ohio, Indiana e em outros lugares, instigados em grande parte pela atitude e medo dos imigrantes pobres brancos do Sul. Assim, a princípio, no Kansas e no Oeste, o problema do trabalhador negro era estreito e específico. Nem o Norte nem o Ocidente pediram que o trabalho negro nos Estados Unidos fosse livre e emancipado. Ao contrário, aceitavam o trabalho escravo como fato; mas eles estavam determinados que deveria ser territorialmente restrito e não deveria competir com o trabalho branco livre.

O que era esse sistema industrial pelo qual o Sul lutou e arriscou a vida, a reputação e a riqueza e que um elemento crescente no Norte viu primeiro com tolerância hesitante, depois com desgosto e finalmente com medo econômico e horror moral? O que significava ser um escravo? É difícil imaginar isso hoje. Pensamos na opressão além de qualquer concepção: crueldade, degradação, chicotadas e fome, a negação absoluta dos direitos humanos; ou, ao contrário, podemos pensar no trabalhador comum do mundo de hoje, trabalhando dez, doze ou quatorze horas por dia, sem o suficiente para comer, compelido por suas necessidades físicas a fazer isso e não fazer aquilo, atualmente caudado em seus movimentos e suas possibilidades; e dizemos, aqui também, um escravo é chamado de “trabalhador livre”, e a escravidão é meramente uma questão de nome.

Mas havia em 1863 um significado real para a escravidão diferente daquele que podemos aplicar ao trabalhador hoje. Era em parte psicológico, o sentimento pessoal forçado de inferioridade, o chamado de outro Mestre; o de pé com o chapéu na mão. Era o desamparo. Era a indefesa vida familiar. Foi a submersão abaixo da vontade arbitrária de qualquer tipo de indivíduo. Foi sem dúvida pior nestes aspectos vitais do que o que existe hoje na Europa ou na América. Seu análogo hoje é o trabalhador amarelo, marrom e preto na China e na Índia, na África, nas florestas da Amazônia; e foi essa escravidão que foi derrubada na América.

A escravidão dos negros no Sul geralmente não era um sistema deliberadamente cruel e opressor. Não significava fome sistemática ou assassinato. Por outro lado, é igualmente difícil conceber como verdadeira a imagem idílica de um estado patriarcal com senhores cultos e humanos, sob os quais os escravos eram como crianças, guiados e treinados no trabalho e no lazer, recebendo até mesmo o treinamento mental que era para o bem deles, e para o bem-estar do mundo circundante.

As vítimas da escravidão do Sul costumavam ser felizes; geralmente tinham comida adequada para sua saúde e abrigo suficiente para um clima ameno. Os sulistas poderiam dizer com alguma justificativa que, quando a massa de seus trabalhadores rurais era comparada com a pior classe de trabalhadores nas favelas de Nova York e Filadélfia, e nas cidades industriais da Nova Inglaterra, os escravos negros estavam bem de vida e em alguns particularidades melhor. Os escravos viviam principalmente no interior onde as condições de saúde eram melhores; eles trabalhavam ao ar livre e seu horário era mais ou menos o horário atual dos camponeses em toda a Europa. Eles não receberam educação formal, nem o camponês irlandês, nem o operário inglês, nem o bauer alemão; e, em contraste com esses trabalhadores brancos livres, os negros eram protegidos por um certo tipo primitivo de pensão de velhice, seguro de emprego e seguro de doença; isto é, eles devem ser sustentados de alguma forma, quando estiverem velhos demais para trabalhar; eles devem ter atenção na doença, pois representavam capital investido; e eles nunca poderiam estar entre os desempregados.

Por outro lado, é igualmente verdade que os escravos negros na América representavam as piores e mais baixas condições entre os trabalhadores modernos. Uma estimativa é que a manutenção de um escravo no Sul custava ao mestre cerca de 19 dólares por ano, o que significa que eles estavam entre os trabalhadores mais mal pagos do mundo moderno. Eles representavam em um sentido muito real a degradação final do homem. Na verdade, o sistema era tão reacionário, tão totalmente inconsistente com o progresso moderno, que simplesmente não conseguimos entendê-lo hoje. Não importa o quão degradado seja o operário da fábrica, ele não é um imóvel. A tragédia da posição do escravo negro era precisamente esta; sua absoluta sujeição à vontade individual de um proprietário e a “crueldade e injustiça que são as consequências invariáveis do exercício do poder irresponsável, especialmente quando a autoridade deve ser às vezes delegada pelo fazendeiro a agentes de educação inferior e sentimentos mais grosseiros.”

A prova disso está claramente escrita nos códigos dos escravos. Os escravos não eram considerados homens. Eles não tinham direito de petição. Eles eram “concebíveis como qualquer outro bem móvel”. Eles não podiam possuir nada; eles não podiam fazer contratos; eles não podiam possuir propriedade, nem traficar propriedade; eles não podiam alugar; não podiam casar legalmente nem constituir família; eles não podiam controlar seus filhos; eles não podiam apelar de seu mestre; eles poderiam ser punidos à vontade. Eles não podiam testemunhar no tribunal; eles poderiam ser presos por seus proprietários, e o crime de agressão e espancamento não poderia ser cometido na pessoa de um escravo. O “assassinato doloso, malicioso e deliberado” de um escravo era punível com a morte, mas tal crime era praticamente impossível de provar. O escravo devia ao seu senhor e a toda a sua família um respeito “sem limites e uma obediência absoluta”. Esta autoridade pode ser transmitida a outros. Um escravo não podia processar seu mestre; não tinha direito de redenção; nenhum direito à educação ou religião; uma promessa feita a um escravo por seu mestre não tinha força nem validade. Os filhos seguiam a condição da mãe escrava. O escravo não podia ter acesso ao judiciário. Um escravo pode ser condenado à morte por bater em qualquer pessoa branca.

Olhando para esses relatos, “é seguro dizer que a lei considera um escravo negro, no que diz respeito ao seu estado civil, pura e absolutamente propriedade, para ser comprado e vendido e passar e herdado como um pedaço de terra, um cavalo, ou um boi.”

Todo o status legal da escravidão foi enunciado na declaração extraordinária de um chefe de justiça dos Estados Unidos de que os negros sempre foram considerados na América “como não tendo direitos que um homem branco fosse obrigado a respeitar”.

Pode-se dizer com verdade que a lei era muitas vezes mais dura do que a prática. No entanto, essas leis e decisões representam as possibilidades legalmente permitidas, e o único freio ao poder do mestre era seu senso de humanidade e decência, por um lado, e a conservação de seu investimento, por outro. Da humanidade de um grande número de mestres sulistas não pode haver dúvida. Em alguns casos, eles deram a seus escravos um cuidado paternal. E ainda assim, mesmo nesses casos, a pressão sobre sua capacidade de cuidar de um grande número de pessoas e a necessidade de confiar o cuidado dos escravos a outras mãos que não as suas, levavam a muito sofrimento e crueldade.

A questão de seu investimento em terras e escravos restringia muito a liberdade de ação do proprietário. Sob a competição da crescente organização industrial, o sistema escravista era de fato a fonte de imensos lucros. Mas para o proprietário de escravos e senhorio manter uma parte grande ou mesmo razoável desses lucros era cada vez mais difícil. O preço da produção escrava no mercado aberto poderia ser reduzido por mercadores e negociantes agindo com conhecimento e conluio. E o proprietário de escravos era, portanto, continuamente forçado a encontrar seu lucro não no alto preço do algodão e do açúcar, mas em reduzir ainda mais o custo de seu trabalho escravo. Isso fez com que os senhores de escravos nos primeiros tempos matassem o escravo por excesso de trabalho e renovassem seu estoque de trabalho; levou ao comércio de escravos interestadual amplamente organizado entre os Estados da Fronteira e o Reino do Algodão do Sul do Sul; levava à negligência e à dissolução das famílias, e não podia proteger o escravo contra a crueldade, a luxúria e a negligência de certos proprietários.

Assim, a escravidão humana no Sul apontava e conduzia em duas direções singularmente contraditórias e paradoxais – para a criação comercial deliberada e venda de mão-de-obra humana com fins lucrativos e para a mistura de sangue negro e branco. Os senhores de escravos evitavam reconhecer esse conjunto de fatos, mas eles eram claros e inegáveis.

Nesse aspecto vital, o trabalhador escravo diferia de todos os outros de sua época: podia ser vendido; ele poderia, pela vontade de um único indivíduo, ser transferido para toda a vida por mil milhas ou mais. Sua família, esposa e filhos poderiam ser legal e absolutamente tirados dele. Trabalhadores livres hoje são compelidos a vagar em busca de trabalho e comida; suas famílias são abandonadas por falta de salário; mas em tudo isso não existe tal troca direta na carne humana. Foi um acentuado aumento do controle sobre os homens além da reserva de mão de obra moderna ou do sistema de coolies contratados.

Os negros poderiam ser vendidos – na verdade vendidos como vendemos gado sem referência a bezerros ou touros, ou reconhecimento de família. Era um negócio desagradável. O Sul branco estava devidamente envergonhado dele e continuamente o diminuía e o negava. Mas era um fato duro e amargo. Os jornais do Sul dos Estados fronteiriços estavam cheios de anúncios: “Desejo comprar cinquenta negros de ambos os sexos, de 6 a 30 anos de idade, pelos quais darei os preços mais altos à vista.”

“Queria comprar negros de todos os tipos, idade e sexo.” A consequente ruptura das famílias é comprovada sem sombra de dúvida:

“Recompensa de cinquenta dólares. – Fugiu do assinante, uma garota negra, chamada Maria. Ela é cor de cobre, entre 13 e 14 anos de idade, cabeça descoberta e pés descalços. Ela é pequena para sua idade – muito alegre e muito provável. Ela afirmou que estava indo ver sua mãe em Maysville. Sanford Tomson.”

“Condenada à prisão do Condado de Madison, uma mulher negra, que chama seu nome de Fanny, e diz que pertence a William Miller, de Mobile. Ela anteriormente pertencia a John Givins, deste condado, que agora possui vários de seus filhos. David Shropshire, Carcereiro.”

“Recompensa de cinquenta dólares. – Fugiu do assinante, seu negro Pauladore, comumente chamado de Paul. Eu entendo que o Gen. R. Y. Hayne comprou sua esposa e filhos de H. L. Pinckney, Esq., e os tem em sua plantação em Goosecreek, onde, sem dúvida, o sujeito está frequentemente à espreita. T. Davis.” Pode-se ver Pauladore “à espreita” de sua esposa e filhos.

O sistema de escravidão exigia uma força policial especial e tal força se tornou possível e extraordinariamente eficaz pela presença dos brancos pobres. Isso explica a diferença entre as revoltas de escravos nas Índias Ocidentais e a falta de revolta efetiva no sul dos Estados Unidos. Nas Índias Ocidentais, o poder sobre o escravo era mantido pelos brancos e exercido por eles e pelos negros em quem podiam confiar. No Sul, por outro lado, os grandes fazendeiros formavam proporcionalmente uma classe tão pequena, mas tinham singularmente sob seu comando cerca de cinco milhões de brancos pobres; isto é, na verdade havia mais brancos para policiar os escravos do que escravos. Considerando a rivalidade econômica do trabalhador negro e branco no Norte, teria parecido natural que o branco pobre se recusasse a policiar os escravos. Mas duas considerações o levaram na direção oposta. Em primeiro lugar, deu-lhe trabalho e alguma autoridade como capataz, feitor de escravos e membro do sistema de patrulha. Mas acima e além disso, alimentava sua vaidade porque o associava aos mestres. A escravidão gerou no branco pobre uma aversão ao trabalho árduo negro de todos os tipos. Ele nunca se considerou um trabalhador, ou como parte de qualquer movimento trabalhista. Se ele tinha alguma ambição, era se tornar um fazendeiro e possuir “negros”. Para esses negros ele transferiu toda a aversão e ódio que tinha por todo o sistema escravista. O resultado foi que o sistema foi mantido estável e intacto pelo branco pobre. Mesmo com a ruína tardia do Haiti diante de seus olhos, os fazendeiros, agitados como estavam, foram capazes de acabar com a revolta dos escravos. As dezenas de revoltas do século XVIII reduziram-se à conspiração de Gabriel em 1800, Vesey em 1822, de Nat Turner em 1831 e tripulações do Amistad e Creole em 1839 e 1841. Gradualmente, todo o sul branco tornou-se um campo armado e comissionado para manter os negros na escravidão e matar o rebelde negro.

Mas mesmo o pobre branco, liderado pelo fazendeiro, não teria mantido o escravo negro em controle tão completo se não fosse pelo que pode ser chamado de Válvula de Segurança da Escravidão; e essa era a chance que um escravo vigoroso e determinado tinha de fugir para a liberdade.

Na situação que se desenvolveu entre 1830 e 1860, houve graves perdas para o capital investido nos trabalhadores negros. Encorajado pelo idealismo daqueles pensadores do Norte que insistiam que os negros eram humanos, o trabalhador negro buscava a liberdade fugindo da escravidão. A geografia física da América com seus caminhos ao norte, por pântano, rio e serra; a ousadia de revolucionários negros como Henson e Tubman; e os esforços extralegais dos abolicionistas tornaram isso cada vez mais fácil.

Não se pode saber os fatos reais sobre o número de fugitivos, mas, apesar do medo de anunciar as perdas, a ênfase dada aos escravos fugitivos pelo Sul mostra que era um item econômico importante. É certo, pelo amargo esforço para aumentar a eficiência da lei do escravo fugitivo, que as perdas dos fugitivos foram generalizadas e contínuas; e o aumento do tráfico interestadual de escravos dos Estados fronteiriços para o extremo Sul, juntamente com o aumento do preço dos escravos, mostraram uma pressão crescente. No início do século XIX, comprava-se um escravo de idade média por 200 dólares; enquanto em 1860 o preço variava de 1400 a 2000.

O escravo fugitivo era importante não apenas pela perda real envolvida, mas pelas potencialidades no futuro. Esses negros livres forneciam uma liderança para a massa dos trabalhadores negros e, especialmente, forneciam um texto para os idealistas da abolição. Escravos fugitivos, como Frederick Douglass e outros mais humildes e menos dotados, aumentaram o número de abolicionistas em milhares e significaram a ruína da escravidão.

O verdadeiro significado da escravidão nos Estados Unidos para todo o desenvolvimento social da América reside na relação última dos escravos com a democracia. Quais seriam os limites do controle democrático nos Estados Unidos? Se todos os trabalhadores, tanto negros como brancos, se tornassem livres, tivessem escolas e o direito de votar – que controle poderia ou deveria ser colocado sobre o poder e a ação desses trabalhadores? O governo da massa de americanos deveria ser ilimitado, e o direito de governar estendido a todos os homens, independentemente de raça e cor, ou se não, qual poder de ditadura e controle; e como a propriedade e o privilégio seriam protegidos? Esta era a grande e principal questão que estava nas mentes dos homens que escreveram a Constituição dos Estados Unidos e continuou nas mentes dos pensadores durante a controvérsia da escravidão. Ainda permanece com o mundo enquanto o problema da democracia se expande e atinge todas as raças e nações.

E de todo o desenvolvimento humano, antigo e moderno, não menos singular e significativa é a filosofia de vida e ação que a escravidão gerou nas almas dos negros. Em muitos aspectos, sua expressão era afetada e confusa; os períodos contínuos da profecia hebraica e da lenda bíblica forneceram palavras imprecisas, mas esplêndidas. O sutil folclore da África, com caprichos e parábolas, desejo velado e sabedoria; e acima de tudo caiu a crisma da unção da música escrava, o único dom da arte pura na América.

Sob o Véu jazia o certo e o errado, a vingança e o amor, e às vezes deixando de lado o véu, uma alma de doce Beleza e Verdade se revelava. Nada mais de arte ou religião o Sul escravo deu ao mundo, exceto a canção e a história negra. E mesmo depois da escravidão, até nossos dias, pouco acrescentou a esse dom. Basta lembrar como símbolo de tudo isso, ainda intocado por pequenos artesãos, a lenda de John Henry, o poderoso negro, que partiu seu coração trabalhando contra a máquina e morreu “com seu martelo na mão”.

Desta escravidão gradualmente ascendeu o Negro Livre com uma expressão mais clara e moderna e um objetivo mais definido muito antes da emancipação de 1863. Seu maior esforço consistiu em sua cooperação com o movimento de Abolição. Ele sabia que não era livre até que todos os negros fossem livres. Os negros individuais tornaram-se exibições das possibilidades da raça negra, se ela fosse elevada acima do status de escravidão. Mesmo quando, como tantas vezes, o negro se tornou bobo da corte para a máfia americana ignorante, ele fez seu apelo em suas canções e travessuras.

Assim falou “o mais nobre escravo que Deus já libertou”, Frederick Douglass em 1852, em seu discurso de 4 de julho em Rochester, expressando a crítica franca e destemida do trabalhador negro:

“O que é, para o escravo americano, o seu 4 de julho? Eu respondo: um dia que lhe revela, mais do que todos os outros dias do ano, a grosseira injustiça e crueldade de que é vítima constante. Para ele, sua celebração é uma farsa; sua liberdade ostentada, uma licença profana; sua grandeza nacional, vaidade crescente; seus sons de alegria são vazios e sem coração; sua denúncia de tiranos, impudência de fachada de bronze; seus gritos de liberdade e igualdade, zombaria vazia; suas orações e hinos, seus sermões e ações de graças, com todo o seu desfile religioso e solenidade, são, para ele, mera pompa, fraude, engano, impiedade e hipocrisia – um fino véu para encobrir crimes que desgraçariam uma nação de selvagens… “

Você se vangloria de seu amor pela liberdade, sua civilização superior e seu cristianismo puro, enquanto todo o poder político da nação (conforme incorporado nos dois grandes partidos políticos) está solenemente comprometido a apoiar e perpetuar a escravidão de três milhões de seus compatriotas… Vocês lançam seus anátemas contra os tiranos coroados da Rússia e da Áustria e se orgulham de suas instituições democráticas, enquanto vocês mesmos consentem em ser meros instrumentos e guarda-costas dos tiranos da Virgínia e da Carolina. Você convida para suas costas fugitivos da opressão do exterior, honra-os com banquetes, saúda-os com ovações, anima-os, brinda-os, saúda-os, protege-os e derrama seu dinheiro para eles como água; mas os fugitivos de sua própria terra você anuncia, caça, prende, atira e mata. Você se gloria em seu refinamento e em sua educação universal; no entanto, você mantém um sistema tão bárbaro e terrível como jamais manchou o caráter de uma nação – um sistema iniciado na avareza, apoiado no orgulho e perpetuado na crueldade. Você derramou lágrimas sobre a Hungria caída e fez da triste história de seus erros o tema de seus poetas, estadistas e oradores, até que seus galantes filhos estivessem prontos para pegar em armas para reivindicar sua causa contra o opressor; mas, em relação aos dez mil erros do escravo americano, você imporia o mais estrito silêncio e o saudaria como um inimigo da nação que se atreve a fazer desses erros o assunto do discurso público!”

Acima de tudo, devemos lembrar que o trabalhador negro foi o último explorado; que ele formou aquela massa de trabalho que não tinha desejo nem poder de escapar do status de trabalho, a fim de explorar diretamente outros trabalhadores, ou indiretamente, por aliança com o capital, para compartilhar sua exploração. Certamente, a massa negra desenvolveu-se de novo e de novo, aqui e ali, grupos capitalistas em Nova Orleans, em Charleston e na Filadélfia; grupos dispostos a se juntar ao capital branco na exploração do trabalho; mas eles foram levados de volta à massa pelo preconceito racial antes de terem alcançado um ponto de apoio permanente; e assim tornou-se ainda mais amargo contra toda organização que, por meio do preconceito racial ou do monopólio da riqueza, procurava excluir os homens de ganhar a vida.

Foi assim o trabalhador negro, como pedra fundamental de um novo sistema econômico no século XIX e para o mundo moderno, que trouxe a guerra civil na América. Ele era sua causa subjacente, apesar de todos os esforços para basear o conflito na união e no poder nacional.

Aquele mar escuro e vasto de trabalho humano na China e na Índia, nos mares do Sul e em toda a África; nas Índias Ocidentais e na América Central e nos Estados Unidos – aquela grande maioria da humanidade, em cujas costas dobradas e quebradas repousam hoje as pedras fundadoras da indústria moderna – compartilha um destino comum; é desprezado e rejeitado por raça e cor; é paga com um salário abaixo do nível de vida decente; conduzido, espancado, preso e escravizado em tudo menos no nome; gerando a matéria-prima e o luxo do mundo – algodão, lã, café, chá, cacau, óleo de palma, fibras, especiarias, borracha, sedas, madeira serrada, cobre, ouro, diamantes, couro como terminaremos a lista e onde? Todos estes são reunidos a preços mais baixos dos mais baixos, fabricados, transformados e transportados com ganhos fabulosos; e a riqueza resultante é distribuída e exibida e tornada a base do poder mundial e domínio universal e arrogância armada em Londres e Paris, Berlim e Roma, Nova York e Rio de Janeiro. Aqui está o verdadeiro problema moderno do trabalho.

Aqui está o cerne do problema da Religião e da Democracia, da Humanidade. Palavras e gestos fúteis de nada valem. Da exploração do proletariado negro vem o Mais-Valor roubado de bestas humanas que, em terras cultas, a Máquina e o Poder velam e escondem. A emancipação do homem é a emancipação do trabalho e a emancipação do trabalho é a libertação dessa maioria básica de trabalhadores amarelos, pardos e pretos.

———————————————————————-

Escuros e algemados cavaleiros do trabalho, ainda agarrados

Em meio a um naufrágio universal de fé

À alegria, e estrangeiros ao ódio.

Estes não sabeis, estes não recebestes, mas estes vos falarão de bem-aventuranças.

Ao redor deles surgem as marés de todas as suas lutas, Acima deles erguem-se os monumentos augustos 

De todo o seu esplendor externo, mas eles permanecem Invejosos em pensamento, e aguardam seu tempo.

LESLIE P. HILL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close